Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Figuras Nacionais do ano

02 de Janeiro, 2015

Figuras do ano nacional e internacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

RUI CAMPOS   Presidente do Libolo
O ano 2014 foi em grande para o Recreativo do Libolo. A equipa do Cuanza Sul conquistou  numa só assentada três títulos de campeão, sendo dois a nível interno e um internacional, mais precisamente a nível africano. O embaixador que representa simultaneamente a Vila de Calulo, o município do Libolo e a província do Cuanza Sul  conseguiu no ano que ontem encerrou, o terceiro título no Girabola, o segundo título no campeonato nacional de basquetebol (BAI Basket) e de modo histórico o primeiro título africano de basquetebol. Apesar do trabalho desenvolvido pelas equipas técnicas e jogadores do futebol e basquetebol, é inegável que essas conquistas tiveram as impressões digitais do presidente.


MILLER GOMES   Técnico de futebol do Libolo

Saído de modo intempestivo do Petro de Luanda, em 2013, Miller Gomes foi chamado a evitar a despromoção do Recreativo do Libolo, que teve uma época atípica após à conquista do seu segundo título (2012). Tendo conseguido o primeiro objectivo, ao jovem treinador foi-lhe posto o desafio de recolocar a equipa de Calulo no mais alto pedestal. Depois de ter visto alguns dos principais candidatos revezarem-se  na liderança, apenas à passagem da oitava jornada a equipa do Recreativo do Libolo tomou de assalto o comando da prova para não mais largar. Apesar da pressão e da perseguição impiedosa do então campeão, Miller Gomes revelou-se calmo e confiante no alcance da meta.

NORBERTO ALVES   Técnico de basquetebol do Libolo
Tal como o seu homólogo do futebol, o treinador de basquetebol do Libolo também não quis deixar os créditos em mãos alheias. No segundo ano à frente da equipa, Norberto Alves deu mostras de ser um homem que conhece bem as raízes do basquetebol, de tal sorte, que conseguiu no ano recém terminado dois títulos para o clube, um dos quais inédito na sua história. Depois de ter destronado o 1º de Agosto, a nível da competição doméstica, o treinador levou a  equipa à cidade de Tunis para levantar o primeiro troféu de campeão africano. Diante de adversários da casa, na meia-final e na final, os libolenses evidenciaram toda a  classe e dignificaram o nome do país.

MANUEL SOUSA “NECAS”   Técnico do Interclube
Na sua primeira experiência como treinador da equipa sénior feminina de basquetebol,
Manuel Sousa “Necas” começou “à matar”, como soe dizer-se. O antigo triplista da Selecção Nacional terminou o ano de modo glorioso ao conquistar para o Interclube o quarto título africano de clubes. Tendo substituído Apolinário Paquete, um técnico habituado a conquistas, “Necas” não se intimidou com o desafio nem com  a responsabilidade e correspondeu à letra a aposta da direcção liderada por Alves Simões.
Depois de uma caminhada sem grandes sobressaltos, foi numa final à angolana, ante a maior rival, pois as polícias exibiram toda competência  a escassos segundos do término da partida.

ESPERANÇA CAXITA   Campeã africana de Xadrez

No ano em que o país acolheu os Campeonatos Africanos Juniores de Xadrez, na província da Lunda Sul, os angolanos foram dignos anfitriões ao  destacarem-se  nas duas categorias, masculina e feminina, com a conquista dos títulos da competição. Esperança Caxita, que já tinha arrebatado um ano antes a coroa de campeã, revalidou o título em casa, ao lado de David Silva, que subiu ao pódio, no masculino. Com a consagração, a jovem xadrezista fica habilitada a exibir a categoria de Grande Mestre (GM) depois de brilhar como Mestre Internacional (MI). A mostrar uma mente inteligente, a angolana não teve oposição e antes mesmo do fim do campeonato, já era a virtual campeã, mereceu por isso mesmo, a felicitação do PR. 

ALBERT MEYONG   Melhor marcador Girabola
O avançado camaronês tornou-se o primeiro estrangeiro a consagrar-se como o melhor marcador, por duas vezes, do Campeonato Nacional de Futebol, Girabola. Contratado ao Sporting de Braga, em 2013, Meyong foi decisivo no único título conquistado pelo Kabuscorp do Palanca, apontou  20 golos. Na segunda época, em 2014, o avançado não pode fazer mais do que 17 golos, porém, suficientes para revalidar o título de melhor marcador, é o primeiro estrangeiro a repetir o feito. Aliás, na história do Girabola só um estrangeiro conquistou o prémio de melhor marcador, por uma única vez, de seu nome Blanchard, então jogador do Benfica de Luanda, congolês de nacionalidade.

VICTOR TCHICOLAEV   Técnico de andebol do 1º de Agosto

Depois de muitos anos a perseguir o objectivo no contexto do andebol africano, o 1º de Agosto conseguiu  finalmente alcançá-lo. Sob comando de Victor Tchicolaev, as militares deram o primeiro sinal na competição doméstica, ao vencer o campeonato nacional e por conseguinte destronar o Petro de Luanda. Na Taça dos Clubes Campeões Africanos foi apenas  a confirmação da supremacia das militares sobre as petrolíferas, que uma vez mais foram obrigadas ver as rivais a fazer a festa da consagração. O primeiro título continental do andebol feminino acabou por salvar a honra do clube, em 2014, já que a nível das outras modalidades a safra esteve aquém do esperado.

ARY PAPEL   Jogador do 1º de Agosto
Tinha tudo para acabar o ano 2014 em destaque, pela positiva, mas o médio-ala do 1º de Agosto estragou a pintura muito perto do fim da época futebolística. Incapaz de controlar as emoções, Ary Papel teve uma conduta anti-desportiva ao tentar agredir o árbitro João Goma, na partida com o Petro de Luanda, referente à última jornada do Girabola. Merecedor da indignação e censura públicas, o jovem atleta teve por efeito da sua acção uma medida disciplinar que o vai deixar fora dos relvados por um período de dez meses, ou seja, sem competir na próxima edição do Girabola. Dono de arrancadas, dribles e fintas desconcertantes, Papel tornou-se uma das principais referências do futebol.

GILBERTO  (negativo)   Jogador do Petro de Luanda
Regressou em 2013 ao Petro de Luanda, 12 anos depois de ter sido contratado pelo Al Ahly do Egipto, clube com o qual conquistou todas as provas (de clubes) em África. Aclamado por todos, pela sua qualidade, Gilberto é daqueles jogadores que nunca foi manchete na media pela negativa. Essa imagem imaculada do extremo de 33 anos de idade ficou porém manchada devido a um acto de indisciplina, que o afastou do Girabola por oito jogos. Não se soube ao certo em que  consistiu o acto, mas o certo é que por esse acto o  “casamento” com o Petro redundou em “divórcio”. Para um jogador que se afirmava como o segundo treinador quer no Petro quer na Selecção Nacional, Gilberto acaba por deitar uma nódoa no seu pano branco.

PEDRO NETO    Presidente da FAF

Diz-se que a unanimidade é burra, mas parece que esta afirmação não se aplica aos que por cá e em esmagadora maioria concluíram, que  2014 não foi bom para o futebol angolano. O desempenho menos conseguido dos nossos embaixadores nas Afrotaças,  assim como a pobre campanha dos Palancas Negras no apuramento ao CAN-2015, na Guiné Equatorial, são apenas provas de alguns dos momentos negativos  do futebol nacional. A somar a estas desditas, tivemos ainda os habituais “casos” no Girabola e Zonal de Apuramento, o que leva os agentes da modalidade a sugerirem um encontro alargado para se debater o futuro do futebol angolano. Espera-se que 2015 seja um ano em que se possa inverter este quadro negativo.

RETROSPECTIVA
FIGURAS  INTERNACIONAIS  DO  ANO 

CRISTIANO RONALDO   Jogador do Real Madrid

Depois da conquista do título de Melhor Jogador da Europa em 2014, Cristiano Ronaldo aguarda apenas o dia “D”, neste mês, para ser confirmado pelo segundo ano consecutivo vencedor da “Bola de Ouro”, distinção da FIFA para o Melhor Jogador do Mundo. Apesar da concorrência do rival argentino do Barcelona, Messi, o avançado português tem tudo para começar o novo ano em grande, como resultado do seu elevado desempenho no ano que cerrou as cortinas, há dois dias. Além de ter contribuído com exibições e golos para o momento singular por que passa o Real Madrid, Cristiano Ronaldo bateu alguns recordes que fizeram e continuam a fazer dele, um dos mais cobiçados jogadores do planeta.

LEWIS HAMILTON   Campeão do Mundo F1

Inconformado com os títulos conquistados por Sebastian Vettel até antes de 2014, ou seja de 2010 a 2013, o britânico Lewis Hamilton decidiu colocar um ponto final à “ousadia” do jovem piloto alemão e quebrar o “jejum” de seis anos, desde a conquista do primeiro título mundial na Fórmula 1. Com rendimento aquém do esperado na McLaren, após subir ao pódio em 2008, o piloto transferiu-se em 2013 para a Mercedes, num ano em que ficou apenas num modesto quarto lugar. No seguinte, (2014) numa dupla perfeita com Nico Roseberg fizeram da escuderia alemã a mais competitiva e imbatível da actualidade. Depois de “roubar” a liderança ao colega de equipa, Hamilton não deu brechas a mais ninguém.

SEBASTIAN VETTEL   Piloto de Fórmula 1
Tornou-se no mais jovem piloto, aos 25 anos, a conquistar quatro títulos consecutivos do Mundial de Fórmula 1 (2010 a 2013). Depois desta proeza fenomenal, foi um tanto quanto desolador ver o ex-campeão do mundo fazer uma época completamente deslustrada, na qual não conseguiu melhor do que um quinto lugar. Sebastian Vettel foi uma sombra de si mesmo. O piloto alemão da Red Bull que foi detentor de vários recordes, superou adversidades para chegar ao quarto título após um início de temporada irregular em 2013, com forte oposição de Fernando Alonso, esteve sempre fora do pódio, tal qual a sua escuderia, que antes também reinou como a mais competitiva.

SELECÇÃO DA ALEMANHA   Campeã do Mundo de Futebol
Depois de 14 anos, a “Nationalmannschaft”, designação por que também é conhecida a selecção alemã de futebol, voltou a conquistar um Campeonato do Mundo, assegurou o quarto título na sua história (1954, 1974, 1990 e 2014). Sob comando técnico de Joachim Löw, a Alemanha foi a equipa mais competitiva, com um desempenho irrepreensível do primeiro ao último jogo. Em sete partidas, os alemães conseguiram seis vitórias e um empate, marcaram 18 golos e sofreram apenas quatro. As vitórias mais expressivas foram registadas, curiosamente, com as selecções lusófonas. Primeiro com Portugal, na primeira fase por 4-0,  depois com o Brasil, nas meias-finais, com goleada de 7-1. Na grande final, a Alemanha derrotou a Argentina no prolongamento por 1-0, com golo de Mario Gotze, aos 113 minutos.

LUIZ FELIPE SCOLARI  Ex-técnico do Brasil
A humilhante derrota de 7-1 com a Alemanha, a 8 de Julho, no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, nas meias-finais, que ditou o afastamento do Brasil da corrida ao título do Campeonato do Mundo da FIFA, jamais pode ser esquecido pelo povo brasileiro e de modo particular pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Se em 2002, apesar de toda a sua teimosia conseguiu conquistar no Mundial do Japão e Coreia do Sul o quinto título para o país, no ano passado não teve a mesma sorte. A campanha fracassada do Brasil teve igualmente as suas impressões digitais. Quando a maioria acreditava que o “escrete canarinho”, com mais ou menos dificuldades, fosse capaz de fazer jus à condição de equipa anfitriã.

SERENA WILLIAMS   Líder do da WTA
Campeã do Grand Slam, o Open dos Estados Unidos, a tenista norte-americana acabou eleita pela quinta vez  como melhor do ano (2002, 2009, 2012, 2013 e 2014). Apesar do desempenho um pouco abaixo do ano anterior, Serena Williams não foi em 2014 tão brilhante. Não obstante os números demonstrar uma quebra no rendimento competitivo, a líder da WTA mantém o domínio na classe aos 33 anos de idade. A tenista que terminou a temporada como a líder do ranking venceu  ao todo 52 jogos e perdeu oito, um aproveitamento de 86,6 por cento. Em termos de títulos, conquistou sete. Em prêmios, a norte-americana embolsou nada menos do que 8,904.298 milhões de dólares.

NOVAK DJOKOVIC   Líder da ATP
Tal como a norte-americana, o sérvio Novak Djokovic também terminou a temporada de 2014, em destaque. Além de ter sido eleito pela Federação Internacional de Ténis (ITF), como campeão do mundo de 2014, o tenista fechou o ano como líder do rankig da ATP, posição que ocupa desde 2011. Tendo vencido o Torneio de Wimbledon, o seu único Grand Slam no ano passado, o sérvio conquistou um total sete títulos. Mesmo não tendo estado no seu melhor, Novak Djokovic não teve adversários à altura e aproveitou bem os problemas apresentados pelos principais opositores. O espanhol Rafael Nadal, o suiço Roger Federer e o francês Jo-Wilfried Tsonga tiveram limitados por lesões e no ano findo .

MARC MARQUEZ  Campeão de MotoGP

Depois de dez vitórias consecutivas, um excelente desempenho e de enfrentar uma corrida com uma disputa acirrada, Marc Márquez sagrou-se pela segunda vez campeão mundial do MotoGP. O espanhol fechou o ano de 2014 com chave de ouro a três corridas do encerramento da temporada, apesar da disputa acirrada com o italiano campeão dos campeões Valentino Rossi “The Doctor” e Jorge Lorenzo. Na categoria da MotoGP desde 2013, conquistou no recém terminado ano de 2014 o segundo título de campeão do mundo com dez primeiros lugares num total de 11 provas. No ano anterior, em 2013, o piloto espanhol subiu 16 vezes pódios em 18 corridas.

KOBE BRYANT  Jogador da NBA

Tido como uma das grandes referências da NBA depois de Michael Jordan, Kobe Bryant parece estar em queda livre. Apesar de ter sido o cestinho da temporada com uma média de 25,8 pontos por jogo, que o ajudou a quebrar o recorde de Michael Jordan, fixado em 32. 292 pontos, o astro dos Los Angeles Lakers, equipa que sempre defendeu tem assistido de camarote sua própria decadência. A qualidade de Kobe era indiscutível pelo menos até 2013, quando se lesionou gravemente no tendão de aquiles. Aí começava o calvário da equipa e a derrocada de um dos maiores ídolos da história da NBA. Não obstante ter-se recuperado da lesão, treinado a fundo  e visto o contrato renovado, Bryant, que sempre teve no seu comportamento egoísta um ponto de questão.

LIONEL MESSI    Jogador do Barcelona
Numa disputa sem igual, de um tempo à esta parte, com Cristiano Ronaldo, e num ano em que o português o relegou para segundo plano, Lionel Messi nem por isso terminou 2014 em baixa. O craque argentino do Barcelona fez furor e teve os holofotes apontados por se ter tornado no maior goleador do futebol espanhol e europeu. Ao ter feito um hat-trick numa partida frente ao Sevilla “o camisola 10” do Barça viu-se transformado no melhor artilheiro da história da Liga espanhola, ao ultrapassar Telmo Zarra. Mas Messi não ficou por aí. A mostrar que marcar golos é sua arte, o argentino voltou a estar em evidência ao apontar um novo hat-trick, em jogo com o APOEL, do Chipre, para a Liga dos Campeões.