Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Finais noite so alvo de crticas

10 de Dezembro, 2014

Finais noite so alvo de crticas

Fotografia: AFP

 A agenda definitiva de competições ainda não foi oficialmente aprovada pelo Comité Olímpico Internacional (COI).A entidade anunciou recentemente, que para atender o horário da televisão norte-americana, detentora dos direitos de transmissão, os planos de realização de provas que valem medalhas já foram aprovados.

O plano, que podia colocar o início de algumas finais às 22h00 locais (2h00 em Angola) para maximizar a audiência nos Estados Unidos, já provocou críticas do presidente do Comité Olímpico Australiano, John Coates. O responsável disse que o horário ia implicar uma “exigência não razoável” aos atletas. Jon Rudd juntou a sua voz à campanha “Diga Não à Natação Nocturna”, que está a ganhar força entre atletas e treinadores.

“É ultrajante. A melhor maneira de descrever isso,  é desrespeitosa com os atletas, desrespeitosa com o evento e ao que aos Jogos Olímpicos significa”, disse no site swimvortex.com.Rudd, que também treina a nadadora lituana Ruta Meilutyte, campeã olímpica dos 100 metros nado peito, disse que vai haver questões sérias provocadas pelo horário nocturno das finais. O treinador inglês rebate que os nadadores não foram consultados e nem se levou em conta o desempenho dos atletas na tomada de decisão “vergonhosa”.

O treinador atirou-se aos responsáveis da decisão: “É um resultado frustrante e parece haver jogo de empurra: o COI diz que é a Fina, a Fina diz que é o COI e ambas dizem que os atletasestão de acordo com isso, quando não estão. É uma vergonha”.Jon Rudd realçou “para muitos atletas, o Rio'2016 vai ser o auge das suas carreiras e podem não ter o ambiente correcto para produzir, talvez, a performance que se esperaria deles”.

Não ia ser a primeira vez que as finais da natação dos Jogos Olímpicos são alvo de críticas. Nos Jogos de Beijing, em 2008, as provas tiveram o horário alterado e foram disputadas pela manhã para coincidir com o horário nobre das Televisões nos Estados Unidos, apesar da reclamação dos atletas. As provas finais nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, começavam no máximo à meia noite de Angola.