Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Fortes descontente com resultado no peso

17 de Agosto, 2013

O português Marco Fortes manifestou-se ontem descontente com a eliminação do concurso

Fotografia: AFP

«O que correu mal nesta competição foi toda a época que me trouxe até aqui.
O último ano não foi bom para mim, com muitos problemas, mas felizmente consegui chegar aqui, mesmo tendo passado por situações complicadas», declarou o atleta à Lusa.

Durante o período de preparação, o atleta treinou com limitações devido a uma lesão nas costas que lhe condicionou a temporada. «Consegui superar e isso é que é importante», frisou Marco Fortes, que falhou a passagem à final e se classificou em 16.º lugar com 19,38 metros alcançados no primeiro lançamento.

Marco Fortes fez depois 19,19 e fechou a qualificação com um lançamento nulo, tendo ficado a 38 centímetros do registo o que valeu a última vaga entre os 12 melhores.
 
O atleta português não escondeu que o seu objetivo, a sua “medalha” era a passagem à final.
«Sim, sem dúvida, esse era o meu objetivo, passou sempre por ir à final, mesmo a saber que não estava no meu melhor, que a época foi complicada e que só [o facto de] estar aqui foi uma grande superação», explicou.

BREVE

Hejnová é campeã mundial nos 400m

A checa Zuzana Hejnová venceu a prova de 400m barreiras no Mundial de Atletismo, em Moscovo. Na passada quinta-feira, a atleta de 26 anos triunfou com larga vantagem, na marca de 52s83 para ficar com a medalha de ouro, a sua primeira num Mundial. A americana Dalilah Muhammad conquistou a segunda posição, com 54s09. Já o bronze foi para Lashinda Demus, também dos Estados Unidos, com 54s27.
O ano passado, na Olimpíada de Londres, Hejnová tinha ficado com o bronze ao marcar 53s38.


Yelena Isibayeva defende lei
contra propaganda homossexual


A russa Yelena Isinbayeva, que na quarta-feira obteve o terceiro título mundial no salto a vara, em Moscovo, defendeu quinta-feira a lei que proíbe a “propaganda” homossexual na Rússia.
Isinbayeva criticou os atletas estrangeiros que defendem um boicote aos Jogos de Inverno de 2014 em Sochi como forma de protestar contra a legislação anti-homossexual russa.

“Sou contra o boicote (a Sochi)”, disse a atleta em entrevista colectiva após receber a  medalha.
Posteriormente, em declarações à agência Itar-Tass, Isinbayeva foi mais contundente e advertiu os atletas estrangeiros: “somos tolerantes com todas as opiniões e respeitamos as pessoas, mas vocês devem respeitar as nossas leis e evitar a promoção de ideias de orientação não tradicional”.

A propaganda homossexual “devia ser um sinal de falta de respeito com os nossos cidadãos, com o nosso país e com as nossas leis”. “Os que vierem aos Jogos Olímpicos (de inverno) devem respeitar as nossas leis”.

Isinbayeva criticou a atleta sueca Emma Green, que competiu no Mundial de Moscovo com as unhas pintadas com as cores do arco-íris para apoiar a comunidade gay da Rússia.
“Vivemos homens com mulheres e mulheres com homens”, destacou a atleta russa, que aos 31 anos anunciou que vai fazer uma pausa de 18 meses na carreira desportiva para se dedicar à maternidade.

O presidente russo, Vladimir Putin, promulgou em Junho duas leis que determinam pesadas multas contra qualquer acto de “propaganda” homossexual diante de menores ou que “ofenda os sentimentos religiosos”, numa decisão muito criticada por defensores dos Direitos Humanos, governos estrangeiros e até pelo Comité Olímpico Internacional (COI).