Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Francisco Caluvi vence São Silvestre

01 de Janeiro, 2017

Caluvi empreendeu um “sprint” nos últimos metros antes da entrada do estádio dos Coqueiros para garantir a vitória na São Silvestre

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Interclube soube tirar o maior proveito da ausência de atletas de renome vindos do estrangeiro na 61ª edição da São Silvestre de Luanda, disputada no final da tarde de ontem, ao arrebatar o primeiro lugar em ambos os sexos por intermédio de Francisco Caluvi, com o tempo de 31:21, em masculinos e Adelaide Machado, a estabelecer a marca de 37:03, na categoria feminina.

Debaixo de céu nublado os várias centenas de atletas federados e amadores que se fizeram presentes no largo da Mutamba apresentavam-se eufóricos, uma clara evidência  do desejo de colocar em prova a forma física adquirida ao logo dos difíceis 12 meses que acabaram de terminar, quando o ministro da Juventude e desportos, Albino da Conceição, procedeu ao disparo para a largada nas pontuais 17h00.

A moldura humana era homogénea nos primeiros 10 km até próximo do largo da Maianga, descendo com a mesma efervescência até próximo ao Rio Seco, porém, a subida da Revolução de Outubro começou a "separar o trigo do joio", na medida em que o desgaste físico era patente por parte do menos experimentados nestas andanças. Nesta conformidade, o emblema da equipa adstrita à Polícia Nacional tomou as rédeas da casa ao longo do resto do percurso.

Se do ponto de vista da ordem pública, os efectivos da polícia não tiveram grandes preocupações, o maior trabalho coube para os Serviços de Emergências Médicas, perante a necessidade de intervir em vários casos clínicos inerentes a pouca preparação para provas de fundo, quer ao longo do percurso que vai da Rua da Missão, até ao largo do Baleisão, quer no interior do Estádio dos Coqueiros. De resto, foi um prova que serviu para unir a família do atletismo nacional, mas ficou notória a fraca adesão dos cidadãos nacionais, ao contrário do que sucedia num passado recente, em que as artérias da cidade ficavam agalanadas e preenchidas por molduras humanas ávidas para ver passar os candidatos a conquista da tradicional corrida de fim de ano.

Melhores
da São Silvestre

Na prova masculina da 61º edição da São Silvestre de Luanda foram os cinco primeiros classificados foram osseguintes: 1º Francisco Caluvi (Inter de Angola), com 31minutos e 03 segundos; 2º-Alexandre João (Inter de Angola), 31 minutos e 38 segundos; 3º- Rafael Epesse (1º de Agosto), com 31 minutos e 46 segundos; 4º-Domingos Muholo, do Inter de Angola, com 31 minutos e 49 segundos e 5º-Tiago Baptista (Inter de Angola), com 32 minutos e 09 segundos. A classificação feminina foi a seguinte: 1ª-Adelaide Machado (Inter de Angola), com 37 minutos e 03 segundos; 2ª-Dovilha Leonardo (Selecção da Huíla), com 39 minutos e 47 segundos; 3ª-Severina Chilala (individual), com 39 minutos e 55 segundos; 4ª-Teresa Tchiculile (1º de Agosto), com 41 minutos e 05 segundos e 5ª-Neide Dias (1º de Agosto), com 41 minutos e 23 segundos.
 
REACÇÕES
O melhor angolano na São Silvestre de Luanda 2015, Francisco Caluvi, do Inter de Angola, coleccionou o troféu principal da 61ª edição e passa a fazer parte do quadro de honra dos vencedores. O atleta da Polícia Nacional revelou que foi uma competição bem disputada. "Apesar do relativo domínio do Alexandre João, também do Inter de Angola, sempre acreditei que era possível conquistar a prova. Quando notei que no percurso estava totalmente esgotado e restavam menos de 100 metros redobrei os esforços e como o meu principal adversário estava esgotado só foi aplicar o "sprint" final", revelou.

Francisco Caluvi disse que o domínio do percurso facilitou. "Sendo um percurso habitual facilitou a sua gestão. A partida surpreendente do Alexandre João tomou a prova mais rápida. Fui forçado a correr bastante para anular a desvantagem. O meu colega tornou a corrida mais competitiva", reconheceu.

A atleta Adelaide Machado, do Inter de Angola, disse que as partes mais elevadas do percurso foram fatigantes. "Controlei a prova desde o princípio até a fim. As adversários não foram capazes de acompanharem a passada que empreendi. A distância de aproximadamente 2 minutos espelha tudo. O meu principal adversário foram as subidas que o percurso tem. A elevação do Hospital do Prenda acabou comigo", proferiu.