Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Futuro de Alonso com dias contados

04 de Agosto, 2018

De contrrio, a soluo ser abandonar as corridas de Frmula 1 como piloto.

Fotografia: AFP

Fernando Alonso, a par de Lewis Hamilton e Sebastian Vettel, está entre os pilotos mais bem sucedidos a nível de títulos, vitórias e salários da actual grelha de pilotos da Fórmula 1. Apesar dos seus 37 anos, Alonso continua a ser um dos pilotos mais bem competitivos a nível de corrida, entre as equipas do segundo pelotão.
Ele conquistou os títulos mundiais de 2005 e 2006, quando pilotava pela Renault, batendo Kimi Raikkonen da McLaren e Michael Schumacher da Ferrari. Alonso já correu em escuderias como a Minarde, Renault, Ferrari e actualmente está na McLaren.
Em 2010, 2011, 2012, 2013, o piloto correu pela Ferrari, tendo conseguido três vice-campeonatos. Alonso não teve a paciência de Schumacher, que levou 5 anos para somar glórias na Ferrari. Tal como Hamilton fez em 2013, mudando-se para uma escuderia (Mercedes) pouco convencional na altura, Alonso rumou para a McLaren.
Diferente de Hamilton, muitos acreditam que Fernando Alonso não tomou uma decisão certa e foi ingrato para a Ferrari.
Acredita-se que, entre as três grandes equipas, Alonso ainda poderá ter alguma hipótese na Red Bull com a saída de Daniel Ricciardo. A Ferrari e a Mercedes têm conseguido bons feitos com os seus pilotos.
A questão ‘idade’ pode ser também outro motivo, para essas escuderias não quererem trocar os seus pilotos. Alonso fará 38 anos no próximo ano e de “avô” para a Ferrari já basta Raikkonen  que, pelo que tudo indica, poderá não ser mais opção para 2019.
Já a Mercedes, parece não desejar abrir mais a bolsa de valores, já que Hamilton é o “rei do maior orçamento entre os pilotos” e tem justificado cada centavo que lhe é pago.
Nesta ordem de ideias, as coisas começam a ficar apertadas para o lado de Alonso. Se por um lado os fãs e analistas afirmam, que ele é um piloto com calibre para lutar para poles, vitórias e campeonatos; por outro lado, os “boss” das equipas de top parecem estar pouco interessados nas suas qualidades. A Ferrari e a Mercedes têm os “demolidores” Sebastian Vettel e Lewis Hamilton; e a Red Bull tem um verdadeiro campeão em potência, que é nada mais nada menos que Max Verstappen.     
A esperança é a última coisa a morrer. Mas parece que a esperança de Alonso vai mesmo morrer e o piloto vai terminar os seus últimos anos na Fórmula 1 de maneira inglória, pois é o único campeão do mundo que mais voltas de avanço tem levado, o único que não chega ao pódio e o único que se tem arrastado para pontuar.
Se a McLaren não fizer maravilhas, ou ele mudar de equipa, só lhe restará lançar um apelo a equipas de top, para correr a ‘custo zero’ como Ayrton Senna tinha feito, quando queria correr nos anos 90 pela Williams Renault. De contrário, a solução será abandonar as corridas de Fórmula 1 como piloto.