Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Gicasso conquista segunda medalha

20 de Julho, 2017

Velocista pretende apagar a má imagem nas eliminatórias anteriores

Fotografia: José Cola | Edições Novembro

O internacional angolano, José Chamoleia, da classe T11 (deficiente visual total), procura ao final desta manhã alcançar o passe de acesso às meias-finais dos 200 metros do Campeonato do Mundo de Atletismo Adaptado, prova que decorre em Londres, depois de ter fracassado nos 100 e 400 metros, respectivamente.

O melhor velocista angolano da actualidade, isto na classe masculina, procurar esta manhã puxar dos galões, para assegurar o passe das meias-finais, para posteriormente lutar para a final, e consequentemente disputar um dos lugares do pódio.

Nas duas provas que disputou anteriormente, nas provas de 100 e 400 metros, o velocista angolano \"forçou\" José Armando Sayovo o tricampeão paralímpico e mundial dos 100, 200 e 400 metros a retirar-se das quadras, não passou sequer das eliminatórias, para o desalento da equipa técnica nacional que tinha depositado toda a esperança em José Chamoleia.

O internacional angolano aproveitou a pausa que a competição registou ontem, para retemperar energias a fim de proporcionar uma boa prova hoje, que passa pelo alcance do passe de acesso às meias-finais dos 200 metros.

Por seu lado, a Esperança Gicasso, igualmente da classe T11, elevou para duas o número de medalhas no Campeonato do Mundo de Atletismo Adaptado, competição que encerra dia 22 do mês em curso, em Londres.

Na final dos 100 metros, prova disputada na terça-feira à noite, Esperança Gicasso beneficiou da desqualificação da velocista brasileira, Jhuila Santos, e conquistou a medalha de prata, com a marca de 12 minutos e 87 décimos.

Gicasso terminou em terceiro lugar, e consequentemente arrebatou a medalha de bronze, mas a organização do evento decidiu atribuir a medalha de prata a atleta angolana.

Trata-se da segunda medalha para Angola, nesta prova cujas marcas contam para os mínimos exigidos pelo Comité Paralímpico Internacional (IPC) nos Jogos de Tóquio, em 2020, depois de Gicasso  já ter arrebatado o bronze nos 200 metros.