Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Godinho aponta adversárias em juniores

Silva Cacuti - 11 de Julho, 2015

Pedro Godinho, afirmou, que as atletas interiorizaram bem a mensagem de revalidação do título e a presença de mais de cinco jogadoras

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Tunísia, Argélia e a República do Congo são as adversárias directas de Angola, no Campeonato Africano Júnior das Nações, que começa hoje, em Nairobi, conforme o presidente da Federação Angolana de Andebol, Pedro Godinho.

Em declarações à imprensa, na cerimónia de despedida das campeãs em título, no pavilhão principal da Cidadela Desportiva, o dirigente realçou, que os três países trabalham nos escalões de formação, pelo que antevê uma competição muito disputada.

Pedro Godinho, afirmou, que as atletas interiorizaram bem a mensagem de revalidação do título e a presença de mais de cinco jogadoras, campeãs da edição passada, no conjunto, o que confere certa confiança para a conquista do evento continental.Integram a selecção nacional, Alexandra Chaca, Joana da Costa, Dalva Perez, Vilma Nenganga, Marília Quizelete, Sueli Simão, Virgínia Afonso, Marcela Paiva, Amélia Prissila, Vivalda Patrícia, Alexandra Shumo, Helena Gilda, Natália Camalândia, Délcia Sozinha e Manuela Paulino.

A competição feminina vai ser disputada no sistema de todos contra todos a uma volta. Além de Angola, participam o Egipto, Tunísia, República Democrática do Congo, Argélia e Quénia (anfitriã).

MUANDUMBA INCENTIVA ATLETAS NA DESPEDIDA
O ministro da Juventude e Desporto, Gonçalves Muandumba, incentivou as atletas da selecção nacional júnior de andebol a revalidarem o título, no campeonato africano, que começa sábado no Quénia, bem como a defenderem a honra do país em ano especial.

Em declarações à imprensa, na cerimónia de despedida das detentoras do ceptro conquistado em 2013, na RDC, o responsável aludiu às comemorações dos 40 anos de independência nacional, a assinalar-se a 11 de Novembro,  pediu maior engajamento e disciplina ao grupo.

No pavilhão principal da Cidadela Desportiva, Muandumba, afirmou, ser Angola uma potência africana e mundial, fruto do trabalho e empenho de gerações anteriores, mas alertou às jogadoras a não “adormecerem” sobre as vitórias do passado. A viagem da selecção nacional para o palco da competição aconteceu ontem.

CAPITÃ REALÇA
COESÃO DO GRUPO

A capitã da selecção nacional júnior feminina de andebol, Marília Quizelete, realçou a coesão do grupo como um dos factores que levam, no sentido de revalidarem o título do campeonato nacional júnior feminino de andebol, que começa hoje, em Nairobe. Falando à imprensa, na cerimónia de despedida da equipa nacional, a jogadora sustentou que tiveram boa preparação e mais a experiência de algumas atletas que já participaram no africano de 2013, no Congo Democrático, ajudaram a manter a equipa mais entrosada e capaz de vencer o certame.

Marília Quizelete, disse, que  vai ser uma prova difícil, em função de alguns países estarem também  a desenvolver o seu andebol nos escalões de iniciados, mas ainda assim, o grupo está motivado e vão fazer tudo para manter a hegemonia na prova.


Juniores
Selacção nacional tenta título africano


 A selecção nacional de andebol, júnior feminina, já está em Nairobi, palco da 22ª edição do campeonato africano da categoria, que se disputa de hoje a 19 do corrente. A equipa  comandada por Pedro Neto “Oy” está na capital queniana desde ontem, começa a competir amanhã.

A prova está a ser evidenciada pelo retorno das equipas magrebinas, da Argélia e do Egipto, facto que demonstra uma reviravolta na abordagem desses países às competições da confederação africana.

No primeiro jogo, a selecção nacional vai defrontar a similar do Egipto, tal como a equipa de cadetes, surge na prova com ambições. Na segunda jornada, a equipa nacional defronta a Argélia, no dia 13. Na terceira ronda, o adversário vai ser a equipa do Quénia. Angola joga ainda diante da RDC e encerra a primeira volta diante da Tunísia. Pedro “Oy”, à saída de Luanda, referenciou o facto da equipa estar pronta para a prova, depois de cumprir toda a preparação no país. Aliás, este é um factor de diferenciação em relação à preparação para os campeonatos anteriores, durante as quais a selecção beneficiou de estágios na Europa.

Pedro Godinho, Presidente da Faand, disse que a equipa júnior feminina teve a preparação possível, cujo objectivo passa pela manutenção do título africano.

A equipa recebeu cumprimentos de despedida do ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, em cerimónia realizada no pavilhão anexo da Cidadela Desportiva, na quinta-feira.

 CADETES
TRAZEM PRATA

A selecção em cadetes femininos regressou ontem, com a medalha de prata na bagagem correspondente ao segundo lugar do campeonato africano da categoria, disputado de dois  a nove do corrente na cidade queniana de Nairobi.  A selecção perdeu por 26-32, na final, para o Egipto. Pedro Godinho disse à propósito que a derrota entristece a Faand e que acaba por ser um alerta para todos .“Ninguém gosta de perder, temos de assumir que fomos a essa competição com objectivo de vencer. A verdade é que nunca vimos o Egipto como um adversário sério. Foi um alerta para nos despertar, é um bom aviso, temos de ver o lado positivo das derrotas”, disse.