Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Gomes quer revalidar o título

Silva Cacuti - 15 de Abril, 2015

Pugilista acredita que Angola tem condições para referência da modalidade a nível da zona IV do continente africano

Fotografia: Jornal dos Desportos

O campeão em título dos 56kg da zona IV, Pedro Gomes, afecto ao Interclube, projecta a revalidação do título zonal na prova que se disputa de 20 a 26 do corrente em Pretória, África do Sul. “Quem me quiser ficar com o ouro da zona tem de trabalhar mais do que eu”, desafiou. Pedro Gomes vai conhecer o palco, onde teve a sua primeira conquista, e denota confiança para a nova missão. O pugilista sabe quem vão ser os seus principais adversários e aponta o representantes da Namíbia e o sul-africano como as principais pedras no seu sapato.

“O meu objectivo é voltar a arrebatar a medalha de ouro, penso que o representante da Namíbia e o sul africano que venci na edição passada, vão ser os principais adversários, mas estou a trabalhar muito para ter o resultado que almejo”, disse.
 Aos 24 anos de idade, Pedro Gomes, filho do antigo campeão mundial, Manuel Gomes, é uma das principais referências da modalidade. Revalidou o título nacional dos 60 kg, mas para integrar a selecção o atleta  deve baixar  quatro kg para representar o país nos 60 kg.

Angola conquistou o terceiro lugar da edição anterior da prova e além de Pedro Gomes, teve outras medalhas de prata, conseguidas por Vidal Raimundo e Victor André. Pedro Gomes começou a carreira em Portugal, mas depois de participar  num campeonato do mundo e várias competições regionais ganhou uma visão ampla do que é a modalidade no continente. O pugilista acredita que Angola tem condições para ser referência da modalidade, em função do nível de executantes que o país tem.

 “Não estamos muito distantes de chegar lá. O nosso boxe tem um bom nível, há recursos humanos, mas também há trabalho que tem de se fazer. Há vários estilos no pugilismo,  penso que é preciso melhorar a componente técnica, mas a que está mais em défice é a componente técnico-táctica. Isto tem a ver com o pensamento em cima do ringue, a análise do adversário, a definição de estratégias a utilizar, enfim”, augurou.