Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Governo So-tomense elogia organizao da Volta do Cacau

Simo Kibondo-So Tom e Prncipe - 29 de Agosto, 2013

Equipas angolanas dominam a mais importante competio internacional so-tomense h duas edies e prometem voltar de mos cheias com novos ttulos individuais e colectiva

Fotografia: Jornal dos Desportos

A importância da realização da Volta ao Cacau 2013 para o governo santomense é reflectida na comunicação do primeiro-ministro da República Democrática de São Tomé e Príncipe, Gabriel Arcanjo da Costa, à véspera da realização do evento desportivo. O governante destaca o apoio indispensável que se deve dar a todas as iniciativas que manifestamente contribuem para que a prática do desporto prossiga objectivos de ordem formativa, ética e sócio-cultural em São Tomé e Príncipe.

“O presente e o futuro do desporto depende daquilo que todos e cada um de nós fizer em prol desta causa nobre. A Volta do Cacau, promissora iniciativa da Federação São-tomense de Ciclismo que vai na sua 4ª edição, é um dos mais importantes acontecimentos desportivos realizados no nosso país”, disse. Gabriel Arcanjo da Costa acrescentou que, “para além de ser uma competição de carácter internacional, a Volta ao Cacau serve para promover o país e constitui indubitavelmente um grande incentivo à prática do desporto, à participação cada mais activa no seio juvenil”.

Face às insuficiências e às dificuldades que o país atravessa, o Primeiro-Ministro de São Tomé e Príncipe congratula-se com os organizadores, a Federação local e os atletas pelo “dinamismo e capacidade demonstrada na realização do evento desportivo, o que constitui para o governo motivo de redobrada satisfação”.

Os temas ligados à segurança e à organização administrativa vão dominar, no próximo dia 31 do corrente as reuniões técnicas da IV edição da Volta ao Cacau, que se disputa de 1 a 4 de Setembro próximo, num total de 267 quilómetros. A prova, que congrega quatro etapas, vai contar com sete equipas, designadamente, três angolanas (Selecção de Esperança, Benfica Banco BIC de Luanda e Santos de Luanda), duas locais (Mucumbi e Cecab STP Kaoka)e Macau China e a portuguesa D’Helvetia.