Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

GP da Fora Area marca arranque da prova

11 de Janeiro, 2020

O Clube de Tiro da Força Aérea Nacional esmera-se nos derradeiros preparativos das condições técnicas e administrativas, para a realização da jornada inaugural do Campeonato Nacional de Fosso Olímpico, agendada para os dias 24, 25 e 26 do presente mês, no campo do Regimento de Defesa Antiaérea, localizado no bairro Cantinton.
Denominado Grande Prémio Força Aérea Nacional, o certame está inserido no leque de varias actividades para celebrar o 42º aniversário daquele ramo do Exército Nacional, a ser comemorado dia 21 do mes em curso, e conta com a presença das melhores equipas e atiradores individuais da praça nacional.
Realizado todos os anos, à semelhança das competições de maior impacto sob égide dos clubes mais sonantes, o GP Força Aérea Nacional está a ser preparado com elevado rigor por parte dos atiradores do 1º de Agosto, equipa detentora das duas últimas edições do Nacional de Fosso Olímpico, assim como os homens das espingardas afectos ao Interclube, segundo classificado em períodos homólogos.
Antevê-se uma prova muito renhida, onde também é de se esperar um excelente desempenho por parte do clube anfitrião, cuja performance dos respectivos atiradores esteve na base da obtenção do terceiro lugar ao nível de clubes, sem descurar da concorrência  das \"infantarias\" do Clube de Tiro e Pescas do Lubango, Clube Socolill, Clube de Tiro Caça e Pescas de Benguela.
O atirador ao serviço do 1º de Agosto, Paulo Silva, é o atleta mais visado na contenda, pelo facto de ostentar o título nacional, mercê dos 464 ponto, obtidos em quatro provas em que esteve inserido, tendo sido o grande ausente na jornada inaugural da época transacta (GP Força Aérea Nacional), pelo que a sua presença está a ser aguardada com grande expectativa.
O 1º de Agosto conta ainda com a prestação de outro \"peso pesado\", Paulo Guga, vice campeão e dono de uma precisão fora de comum, cuja ambição passa por resgatar o título que ostentara em 2018, mas a pretensão dos dois primeiros não se afigura facilitada, em função da evidente ambição do atirador da Força Aérea Nacional, Paulo Alves, terceiro classificado, que a actuar em seu \"domicílio\", não pretende entregar os seus créditos em mãos alheias.  
Entre outro atiradores que também buscam por uma prestação de grande vulto, destacam-se  Jorge Perestrelo, Hírio Baião, ambos do clube militar, Elizandro Costa, Força Aérea Nacional, Artur Anastácio, Gercy Silva, Mário Ribas, Helder Soares, Zidane Freitas, Armando Alves, João Esteves, Luís Bragança, num universo de 38 nos lugares subsequentes do ranking da FAT.