Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

GP da Rssia promete confrontos empolgantes

29 de Setembro, 2018

Lewis Hamilton pode fazer histria Sochi e alargar a diferena de pontos em relao a Vettel.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Grande Prémio da Rússia poderá trazer confrontos que os fãs da Fórmula 1 esperam  tornar-se mais numa “batalha” de uma corrida bem competitiva. O cenário já está reconhecido: é o circuito de Sochi, considerado por muitos fãs como dos melhores do mundo, a cor azul que impera na pista faz-nos lembrar o azul do “mar”.
 A pista de Sochi parece que foi um cenário desenhado para os carros da Mercedes, o que lhes pode lhes uma certa vantagem teoricamente, não é por acaso que são os maiores e únicos vencedores do Grande Prémio da Rússia, já que apenas os pilotos das flechas prateadas venceram as corridas na Rússia, disputadas no parque olímpico de Sochi. Mas será que a teoria se vai converter em prática?
Olha que a Ferrari não apareceu em grande na corrida passada (já que Hamilton bateu Vettel e Bottas  bateu Raikkonen), mesmo sendo o carro mais rápido de momento, e está com o orgulho ferido. Não nos podemos esquecer de que Verstappen está à espreita (franca ascensão, terceiro lugar na Itália e segundo ema Singapura) e também vai desejar lutar para um lugar mais ao pódio, daí um motivo para a Mercedes e a Ferrari não porem apenas o foco uma na outra.
Lewis Hamilton e Sebastian Vettel pretendem superar-se um ao outro no Grande Prémio da Rússia e no campeonato. O alemão não só por ser batido em Singapura onde se prognosticava uma vitória dele, mesmo com Hamilton partindo da pole, mas também por ter saído de Marina Bay com gosto amargo na boca por ver o seu mais directo adversário (Hamilton) aumentar a vantagem. Já o inglês deseja continuar a fazer história, não só vencendo em Sochi para alargar a diferença de pontos em relação a Vettel, mas também para continuar a ser o piloto com mais vitórias em Sochi.
Não nos podemos esquecer que Sochi parece um circuito construído para os Mercedes, desde a sua estreia em 2014 só os pilotos desta escuderia venceram (Lewis Hamilton em 2014 e 2015, Nico Rosberg 2016 e Valtteri Bottas em 2017).
Apesar de o nome do vencedor do Grande Prémio da Rússia, a disputar-se em Sochi no amnhã, dia 30, é ainda uma incógnita, mas já mexe com o coração dos amantes da alta velocidade. Para muitos fãs, seria bom ver Kimi Raikkonen, Bottas e pilotos de outras escuderias a vencerem e a arrastarem-se no pódio neste e noutros Grandes Prémios devido à monotonia (no pódio). São sempre os mesmos pilotos, equipas, hinos e cores de bandeiras, excepção para o mexicano Sergio Perez da Force India que é o único “intruso” no pódio desde o início do campeonato.
Mas também tal feito só aconteceu devido ao acidente de  Verstappen e Ricciardo, o furo no pneu de Bottas e a manobra mal feita de Vettel que o fez sair da pista. No caso de Bottas, a sorte tem sido madrasta, já que poderia ter vencido dois Grandes Prémios como os de Silvertone e de Baku, mas problemas com os pneus fizeram-lhe perder as corridas. Em relação a Kimi, parece que se tornou  “alérgico” a vitórias, pois mesmo com um carro superior ao de Hamilton dificilmente consegue batê-lo.
Contudo, neste domingo, poderemos assistir a uma corrida electrizante e os fãs russos esperam ver ao vivo lutas implacáveis entre pilotos e ultrapassagens de cortar a respiração. Com um percurso de 5.853 km, 53 voltas, zonas de DRS, rectas, curvas e contra curvas, os amantes do mundo das rodas terão oportunidade de assistir acirradas lutas entre as equipas e os pilotos.
Há perspectiva de uma prova renhida e já se pode começar a desenhar certos lugares inatingíveis entre os dez primeiros.