Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Grosjean elogia a sua performance

21 de Dezembro, 2013

Romain Grosjean promete entrar em grande estilo na próxima época que começa na Austrália

Fotografia: AFP

Romain Grosjean melhorou a sua prestação neste ano, depois da época de 2012 marcada de irregularidade. O piloto da Lotus terminou na sétima posição do Campeonato Mundial, com 132 pontos, 71 a mais do que havia feito em 2012. Feliz com a campanha feita, Grosjean comemorou os resultados e colocou-se como um dos melhores da grelha actual da Fórmula 1.

“Tenho provado que faço parte dos melhores pilotos. É assim que me considero. Levou algum trabalho e algum tempo doloroso para chegar lá, mas agora estou orgulhoso do que estou a fazer e não acho que posso fazer mais”, disse Grosjean à ESPN.

Nesta época, chegou seis vezes ao pódio e, ao lado de Kimi Raikkonen, foi muito importante por deixar a Lotus na quarta posição do Mundial, próxima da Ferrari e da Mercedes, que terminaram no top 3, longe da McLaren, que fechou na quinta posição.

Reconhece os desafios e os erros dos últimos anos, tendo garantido que se sente em casa actualmente e que está pronto para assumir um papel ainda maior na equipa.“Provavelmente, 2012 foi o ano mais negativo. Odeio não ser capaz de fazer o que quero ser capaz de fazer, então foi difícil. Não era agradável ler esses comentários, mas isso não era o pior. O pior era não estar feliz com o que estava a fazer. Agora, estou orgulhoso, porque estou muito feliz com o que estou a fazer. É sempre bom ler comentários agradáveis, mas é principalmente contigo mesmo que precisas ser feliz”, declarou.

“A equipa conhece-me e conheço-os muito bem. Sinto-me em casa em Enstone, sinto-me em casa, quando estou com eles e desfrutamos dos nossos tempos juntos. Trabalhamos duro e somos sempre capazes de dizer as coisas frente à frente, o que é importante, quando não estou a pilotar bem e quando não estou feliz com algo que eles tenham feito. A relação intensifica-se dessa forma. Eles estão prontos para que seja o líder e estou pronto para ser o líder”, completou

VAGA AMEAÇADA

O bom desempenho de Romain Grosjean com a Lotus em 2013 teve um começo complicado para o piloto franco-suíço, chegando a sua permanência na equipa a estar ameaçada. Em entrevista à “Auto Hebdo”, o piloto disse ter sido informado de que o seu futuro na Lotus dependia do resultado que apresentasse aos patrões.

“Lembro-me de Gerard ter ligado no início do ano e dizer que o contrato estava assinado. Mas também falou que, se nas primeiras quatro corridas tivesse quatro acidentes nas primeiras voltas, estava tudo acabado. Respondi-lhe que isso era normal. Nesse caso, não aparecia para a quinta etapa”, disse Grosjean em entrevista à “Auto Hebdo”.Durante o ano, a Lotus passou por diversos problemas financeiros, procurando investidores. Para o piloto, ao contrário do que tem sido falado, as negociações externas são irrelevantes para o desempenho dos competidores e deixa a equipa ainda mais unida.

“Na verdade, para os pilotos, engenheiros e mecânicos esses são problemas externos. A época terminou em condições difíceis. Foi um momento complicado para Eric Boullier. Mas é nesses momentos que se vê a força da equipa”, concluiu.


WILLIAMS

Bottas quer aprender
com  Felipe Massa


Felipe Massa chegou à Williams e já tem “fãs” dentro da equipa. O companheiro do piloto brasileiro, Valterri Bottas, mostrou-se entusiasmado com o novo parceiro e ainda afirmou que espera aprender muitas coisas.

“É difícil dizer agora o que vou aprender com ele, mas com cada piloto sempre há algo que se possa aproveitar, seja quanto ao estilo de pilotagem ou como acerta o carro”, disse o finlandês.

“Ele já viu muita coisa, vem da Ferrari e talvez haja coisas que eles façam de maneira diferente, que aqui talvez possamos aproveitar”, acrescentou o piloto.

Os 12 dias da pré-época vão ser divididos igualmente entre Bottas e Massa, que vão pilotar o carro em seis oportunidades. Enquanto não começam os testes nos carros, o finlandês espera trabalhar com a equipa para adaptar-se ao equipamento.

“Tenho a certeza de que vou estar em todos os testes, a pilotar ou não. Vou estar lá sempre a ouvir. No começo da época, vai ser muito importante para mim estar lá e ver se há algum problema no carro, como se comporta e como resolver os problemas. É interessante aprender com a equipa. Vou acompanhar esses testes”, concluiu.


PILOTO DE TESTES
Pirelli convida
Rodolfo González


O venezuelano Rodolfo González, suplente da equipa Marussia durante a época de 2013, pode deixar a equipa em 2014. Em entrevista ao jornal “El Universal”, confirmou que recebeu uma boa proposta da Pirelli para se tornar piloto de testes.

“Recebi uma oferta atractiva para ser piloto de testes da Pirelli na próxima época, mas há outras opções que gostava de explorar e então, felizmente, posso tomar uma decisão sobre essa oferta em Fevereiro ou Março. A verdade é que gostava de continuar na F1”, afirmou González.

Em 2013, o venezuelano participou de oito treinos livres com a Marussia, além de competir na GP2. Sem saber se vai aceitar a proposta, garantiu que pretende continuar na principal categoria do automobilismo mundial e alternar com outras competições.

“Em dois anos, vou aceitar correr em categorias dos Estados Unidos da América e da Europa, mas no momento prefiro esperar e continuar aqui”, concluiu.