Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton corre com esperança

27 de Novembro, 2016

Lewis Hamilton colecciona a 12ª pole em 2016 e a 61ª da carreira no Mundial da F1.

Fotografia: AFP

Lewis Hamilton colecciona a 12ª pole em 2016 e a 61ª da carreira no Mundial da F1. À procura do quarto título, não vacilou na sessão de qualificação no circuito de Yas Marina, em que a dominou com um tempo que nenhum outro se aproximou: 1min38s755.

Com o primeiro objectivo conseguido, Hamilton torce para que as Red Bul de Daniel Ricciardo e Max Verstappen e as Ferrari de Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel  superem a Mercedes de Rosberg. Uma vitória do britânico e qualquer posição do colega fora do pódio pode mexer com a imprensa internacional. O mundo não vai ser o mesmo hoje. Rosberg ainda sustenta uma confortável vantagem na disputa com Hamilton. Separados por 12 pontos na tabela, ao alemão basta  um terceiro lugar para correr para o abraço.

Daniel Ricciardo colocou a Red Bull como a melhor do resto e aniquilou qualquer ameaça da Ferrari. Está à frente de Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel.

Max Verstappen larga em sexto lugar, enquanto a Force India surge na sequência com  Hulkenberg e Sérgio Pérez. Alonso  parte em nono.

VULCÃO EM ERUPÇÃO
A decisão da época 2016 da F1 acontece hoje entre Rosberg e Hamilton. Toto Wolff, chefe da Mercedes, afirmou que o relacionamento entre os pilotos é de um “vulcão prestes a entrar em erupção”. De um lado, Rosberg tem a oportunidade inédita de conquistar um título. Do outro,  Lewis tenta ser tetra-campeão.

Nesta semana, em Abu Dhabi, quando saíam de uma conferência de imprensa, foi pedido para que o alemão e o inglês apertassem as mãos. No entanto, os companheiros recusaram o gesto, apenas  posaram para fotos. Apesar das coisas estarem calmas nas últimas etapas, o dirigente revelou que o relacionamento pode “explodir” a qualquer momento.

“A relação entre os dois é como um vulcão que está a ponto de entrar em erupção”, disse.

“Agora tudo está em jogo. O relacionamento mudou desde 2013, quando se deu as mesmas oportunidades e, novamente em 2014, quando podiam ganhar corridas e o campeonato”, completou.

Toto Wolff assegurou que "nas últimas corridas a equipa registou um ambiente tranquilo".

"Os dois têm ajudado a manter a equipa unida e com espírito positivo, mas temos de reconhecer que agora tudo está em jogo. Trata-se de ganhar ou perder o campeonato. Não podem estar tranquilos um com o outro este final de semana”, rematou.

Wolff explicou ainda que Nico e Lewis têm personalidades diferentes e que em determinados momentos foi complicado acalmar os ânimos.

“Têm personalidades muito diferentes. Ambos desenvolveram-se de forma individual e como pilotos da equipa. A forma como o vimos nos últimos meses é realmente tranquila. Porém, nos momentos em que se enfrentaram, foi muito difícil acalmá-los”, encerrou.


NA DESPEDIDA
Inglês reverencia
carro da Mercedes


Lewis Hamilton colocou a pressão em Nico Rosberg, no Grande Prémio de Abu Dhabi, que se disputa hoje no circuito Yas Marina. O tricampeão foi o mais rápido nas três fases da classificação,  não vacilou em momento algum. O inglês disse sentir-se incrível, e vê-se numa posição perfeita para disputar o título contra Nico Rosberg.

"O fim de semana foi óptimo até aqui. Não posso acreditar que consegui agora a minha pole número 61 e que estou a quatro de Ayrton. Realmente, está a ser sido incrível até o momento", afirmou Lewis aos jornalistas após a classificação.

Lewis também reverenciou o carro da Mercedes.

"É muito estranho vir para este fim de semana, a saber que vai ser a última vez em que vou pilotar esse grande carro, que tem sido incrível. Nunca se esquece quando pilota um carro como esse. Espero que possamos ter um bom carro assim no futuro, porque tem sido um enorme privilégio conduzi-lo", contou o piloto.

O britânico também  referiu-se ao novo regulamento que vai estar em prática em 2017.

"Neste fim de semana, consegui colocar o carro numa grande posição. Estamos num lugar perfeito para amanhã. Sinto-me incrível por essa pole. Estamos na pole. É energético", vibrou Lewis, por fim.

ALEMÃO ROSBERG
PROMETE VITÓRIA

 
Nico Rosberg foi batido pelo imparável Lewis Hamilton. Mesmo a precisar do terceiro lugar em caso de vitória do rival, Rosberg promete empenho para vencer hoje, e não controlar os pontos. Ontem, deixou o carro sem sorrisos.
 
"Cheguei aqui hoje (ontem) para ser pole. Então não estou muito feliz. Lewis fez um grande trabalho e ficou alguns décimos à frente. Não foi possível que fizesse o seu tempo, mas como sabemos todos, amanhã ainda temos muitas oportunidades. Com certeza, vou tentar vencer a corrida", disse. 

O alemão sustentou que "a adrenalina sempre está lá na classificação". "É isso, que gosto. A estava a sentir-me bem na pista, o carro estava bem equilibrado e tudo estava bem agradável. Conforme a classificação avançou, sentia-me cada vez melhor. Fiz uma boa volta no final do Q3, mas não foi boa o bastante", explicou.

Questionado sobre a estratégia da Red Bull de largar com os pneus super-macios, Nico Rosberg reconheceu que talvez seja uma ideia melhor, que a largada de ultra-macios que vai fazer a Mercedes, mas que a equipa das Flechas Prateadas está confiante de que não errou.

"Os super-macios são melhores para começar a corrida, mas vamos ver como os ultra-macios aguentam. Estamos bem confiantes que escolhemos a estratégia certa para domingo', finalizou Nico.