Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton e Rosberg fazem as pazes e pem fim polmica

07 de Junho, 2014

Pilotos da Mercedes fizeram as pazes e o ambiente voltou normalidade

Fotografia: AFP

Lewis Hamilton selou a paz na Mercedes e mostrou vontade de acabar de uma vez por todas,  com as polémicas junto ao seu companheiro Nico Rosberg. Pelo menos, é o que o seu discurso indicou, quando da entrevista realizada na quinta-feira em Montreal. De acordo com  o inglês, “está tudo resolvido” com o alemão.

Vice- líder do Mundial de Fórmula 1, com 118 pontos, Hamilton ressaltou a ajuda da equipa alemã para resolver os problemas internos entre os pilotos: “Nós conversamos colectivamente e  também individualmente, na equipa nada mudou. A equipa fez um grande trabalho para  apoiar-nos, a maneira como tudo foi gerido por Paddy e Toto, o apoio para nós dois foi óptimo”.

O optimismo do inglês leva a crer que a situação na Mercedes está apaziguada: “Nós estamos agora a todo vapor, jantamos com a equipa na quarta-feira e as coisas nunca estiveram melhores. Nós estamos  de vento em popa”.

Campeão no Brasil em 2008,  Lewis afirmou que as controvérsias são normais de acontecer e que ele e Nico estão unidos e engajados para o sucesso da Mercedes na actual temporada: “Eu mandei uma  mensagem, nós conversamos depois da corrida. Assim como os amigos temos os nossos altos e baixos, nós já nos conhecemos faz  muito tempo. Está tudo resolvido. Nós estamos ansiosos para trabalhar juntos para ajudar a equipa a vencer o Mundial de Construtores”.

Rosberg é líder do Mundial de pilotos com 122 pontos, quatro a mais que o seu companheiro. Os dois estão isolados na ponta, já que o terceiro colocado é Fernando Alonso da Ferrari, com 61 pontos. Automaticamente, a Mercedes disparou na primeira posição do Mundial de Construtores. A equipa alemã está com 240 pontos e é seguida pela Red Bull que tem 99.
Schumacher continua em coma.

Michael Schumacher continua em coma desde há seis meses,  depois de o último comunicado médico sobre o seu estado de saúde ter data de Abril, a falar em "momentos de consciência e de despertar", Gary Hartstein, ex-delegado médico da Federação Internacional do Automóvel (FIA), revelou-se pessimista. No seu blog  face ao silêncio da família do antigo piloto, escreveu: "Tenho receio, mas estou quase certo que nunca mais  vamos ter boas notícias sobre Michael Schumacher".

O mesmo médico recorre ainda as estatísticas para casos de seis meses de coma. "Apenas uma pequena percentagem de pacientes em estado vegetativo consegue recuperar a consciência", acrescentou e  anteviu apenas dois cenários para o ex-piloto: "Manutenção do estado vegetativo ou a morte".