Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton e Rosberg voltam a lutar

13 de Março, 2015

Chefe da equipa da Mercedes valorizou a organização administrativa e técnica

A equipa Mercedes-AMG, actual campeã do mundo, vai novamente "deixar correr" os pilotos Lewis Hamilton e Nico Rosberg, durante a época 2015 da Fórmula 1, que começa neste domingo em Melbourne, disse Toto Wolff, director executivo da equipa à AFP.

"Não vamos mudar a nossa filosofia de deixar os nossos pilotos correr, mesmo se isso nem sempre ser fácil. Para nós, para a marca Mercedes, para a F1, era importante deixar que os dois desafiassem um contra o outro", respondeu quando questionado sobre o que faria para animar a época.

Toto Wolff assegurou que não tem a estatística dos efeitos positivos do duelo entre Hamilton e Roseberg. "Não temos essa estatística do 'win on Sunday, sell on Monday' (vencer no domingo, vender na segunda), porque é difícil de medir. Modificar a percepção de uma marca demora anos. A F1 participa na mudança de percepção, graças ao lado desportivo, dinâmico do duelo entre Nico e Lewis. Se as pessoas lembram que a Mercedes domina a F1, isso também significa liderança tecnológica, inovação, carro híbrido e isso ajuda. Isso tem um impacto, mas o quanto, eu não sei", disse.

Questionado sobre os efeitos da confusão criada pelo acidente entre Hamilton e Rosberg, no Grande Prémio da Bélgica, Wolff disse: "Se não se emociona nesse desporto, perde muito. Também gerimos essa equipa com a emoção. Antes de Spa (Francorchamps, circuito belga), tínhamos a plena consciência de que uma situação como essa podia acontecer. Tivemos uma filosofia consciente, mais ou menos controlada, porque sabíamos o que queríamos que vazasse. O objectivo era que isso não se repetisse. Toda a reacção, a comunicação depois de Spa, foi feita levando isso em consideração. Podemos sempre melhorar, mas não nos arrependemos de ter falado sobre o assunto. O facto é que não perdemos mais depois desse incidente, fizemos cinco 'dobradinhas' seguidas".
Quanto aos críticos internos sobre o investimento da empresa na F1, Wolff realçou: "Numa grande empresa multinacional, não há fãs.

É preciso ter uma argumentação profissional, racional, para justificar este investimento e uma estratégia de marketing. As críticas internas eram totalmente justificáveis, porque as coisas não funcionavam. Quando se é competitivo, quando se luta por vitórias e títulos, a marca é beneficiada.

Hoje, isso funciona e justifica o investimento".

Quanto às dívidas das equipas concorrentes, o chefe de equipa disse: "O nosso plano de negócio também se baseia no facto de poder gerar renda com equipas clientes. Hoje, temos três (Williams, Force India, Lotus) e ainda não tivemos esse tipo de problema. Mas é preciso ser realista com a situação de certas equipas".

Quanto ao próximo desafio da Mercedes-AMG em 2015, Toto Wolff frisou: "No quesito comunicação, estamos a investir nas redes sociais. Temos muito sucesso em relação à audiência, com 85 por cento dos internautas a ter menos de 35 anos; vamos continuar a desenvolve isso. A comunicação muda, existe uma transição de espectadores dos media tradicionais, como a televisão, às redes sociais. Hoje, são as redes sociais que dão acesso à F1".



WILLIAMS
Felipe Massa
luta por vitórias


O brasileiro Felipe Massa mostra-se optimista com o projecto da Williams para a actual época. Aos 33 anos, o piloto brasileiro está animado com as mudanças e com a evolução da equipa britânica e aposta que a equipa pode lutar por resultados positivos em contraponto à péssima campanha no Mundial de 2014 que, ao menos, serviu como aprendizado.

"É uma equipa diferente daquela de um ano atrás, mesmo se compararmos com a que completou o ano de 2014. Realmente espero que essa equipa possa lutar por tudo e esforçar-se da melhor forma possível, em toda a corrida, em todo o momento", disse.

O brasileiro, que se mostra animado desde o início da pré-época, espera tirar "o melhor do carro" em todos os momentos em que estiver na pista.

Feliz com o bom desempenho do FW37, protótipo que vai ser usado pela Williams em 2015, o piloto figurou nas primeiras posições ao marcar o segundo melhor tempo em duas oportunidades e levou a pior somente para Lewis Hamilton, actual campeão.

"A equipa está a crescer e a trabalhar para melhorar. Estamos a esforçar-nos para tirar o máximo da estratégia, dos mecânicos, das paragens.


APÓS JULGAMENTO
Sauber mantém
Nasr e Ericsson


Horas após o veredicto final da Corte do Estado de Victoria, que deu parecer favorável a Giedo van der Garde para ocupar uma das vagas na Sauber, a lista de pilotos da FIA para o Grande Prémio da Austrália, divulgada ontem, registou apenas o brasileiro Felipe Nasr e o sueco Marcus Ericsson como pilotos da equipa suíça para o primeiro compromisso da nova época da F1.

Depois de receber aval tanto da Justiça suíça quanto da Corte Suprema de Victoria, van der Garde dava como certa a sua inscrição para correr em Melbourne, o que não foi confirmado, de acordo com a lista da FIA. Mesmo após a determinação, o holandês ainda cogita, com o auxílio do advogado, entrar com uma nova medida para se certificar que a equipa vai cumprir as determinações.

A divulgação antecipada da lista, porém, não impede que aconteçam mudanças. A relação de pilotos para o Grande Prémio da Austrália pode ser alterada até horas antes da largada, desde que seja aprovada pelos comissários desportivos da FIA.