Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton espera melhor tempo

09 de Julho, 2015

Lewis Hamilton, mostra estar no auge da forma

Fotografia: AFP

 Lewis Hamilton, aos 30 anos, mostra estar no auge da forma física e técnica. A passar o melhor da vida e atravessar grande fase, o britânico vem de uma vitória redentora no domingo diante dos seus adeptos, em Silverstone e quebrou uma sequência vitoriosa do rival Nico Rosberg, na Europa.

Lewis Hamilton garante que ainda há mais para vir.

“Esse é o plano. É para isso, que estou a trabalhar. Foram cinco vitórias de nove e consegui oito das nove poles. Está a ser um ano muito forte”, declarou o bicampeão do mundo, que se mostrou surpreso, de certa forma, pelo momento que atravessa na carreira.

“Não pensei que poderia fazer isso, de modo que fico realmente bem feliz. Tudo parece estar a encaixar-se desde o ano passado. Estou a curtir a vida e as corridas mais do que nunca. Acredito e confio em mim, em todas as decisões que tomo dentro e fora do mundo das corridas”, comentou o piloto em entrevista  depois da vitória em Silverstone.

Daqui à pouco menos de três semanas, a F1 vai disputar a sua última prova antes das providenciais férias de Verão na Europa. A décima etapa do campeonato é o GP da Hungria, no travado circuito de Hungaroring. Hamilton tem um enorme histórico no traçado húngaro: quatro vitórias conquistadas - 2007, 2009, 2012 e 2013.

“É um grande circuito para mim, ao longo da minha carreira”, falou.

Lewis Hamilton mostrou-se ansioso pelas férias. Mas não que isso, necessariamente, signifique descanso.

“Vou treinar como um louco, durante as férias, para garantir presença forte na próxima parte da época. No geral, a segunda parte do campeonato é a mais forte para mim”, garantiu o determinado Hamilton.

 NA WILLIAMS
Estratégia deve ser revista


Valtteri Botas manifestou a insatisfação, pela estratégia da Williams, na última corrida realizada em Silverstone. O finlandês ressaltou, que a equipa precisa de reanalisar a corrida e concluir como podia ter conquistado um possível resultado melhor, do que o quarto e quinto lugares. A Williams liderou as 20 voltas iniciais com Felipe Massa.

Botas sentiu, que tinha um carro mais rápido que o colega, mas não conseguiu ultrapassar. O finlandês reclamou em duas ocasiões a ultrapassagem, mas foi impedido de fazê-lo, pela equipa. O piloto acredita, que caso estivesse à frente podia ter ampliado a vantagem para a Mercedes. O modo de operar nas corridas precisa de ser revisto.

“Precisamos de olhar melhor como podiamos ter conseguido um bom resultado na corrida. Possivelmente, pode ter havido algo que a gente pudesse ter feito melhor”, disse Valtteri Botas que odeia pensar no “se”.

O engenheiro-chefe Rob Smedley defendeu a atitude da sua equipa e a táctica “de sempre” adoptada em Silverstone. O especialista reiterou, que não é a intenção da Williams favorecer um piloto, em detrimento de outro.

“Não queremos favorecer um piloto ou outro de forma alguma. É um esforço colectivo e queríamos marcar a maior quantidade possível de pontos. A equipa vem antes de todos. É a equipa do Frank e o nosso objectivo é marcar os pontos para a equipa”, assegurou.

A Williams está na terceira posição no Mundial de Pilotos com 151 pontos, 60 a menos que a Ferrari. A próxima corrida acontece na Hungria, dentro de duas semanas.