Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton na Mercedes ate 2018

22 de Maio, 2015

Mercedes está no coração de Hamilton

Fotografia: AFP

Lewis Hamilton mantém o coração na Mercedes. O amor de adolescência  permanece para a vida inteira e o sentimento ficou vincado ontem, quando as duas partes anunciaram a renovação de contrato do piloto britânico para mais três anos. A assinatura põe fim às especulações sobre a desvinculação para a Ferrari.Bicampeão de Fórmula Um, Hamilton negociou a sua renovação com a Mercedes desde o ano passado, porém, viu as conversações foram interrompidas por conta da disputa do título. O diálogo voltou a acontecer no início de 2015.

As negociações foram retomadas antes da presente época e o presidente de honra da Mercedes, Niki Lauda, chegou a dizer que o anúncio da renovação de Hamilton sera feito até ao GP da Espanha, em Abril, facto que não aconteceu e gerou especulações de que a Ferrari havia entrado na luta pelo bicampeão do mundo.Recentemente, Hamilton declarou que o salário não era o problema na demora em confirmar a continuidade na Mercedes e disse que, por negociar sozinho, a lentidão era normal. O inglês, na ocasião, ainda sugeriu que o anúncio podia ocorrer em Monaco. Assim foi.

"Há muito tempo  não via tanta gente nesta sala", disse o britânico, de 30 anos, ao chegar à conferência de imprensa da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), no circuito de Monte Carlo.Lewis Hamilton ainda brincou pelo facto de ter negociado com a equipa alemã sem a orientação de empresários: "Sim, levei os meus dez por cento (de comissão)".

A imprensa inglesa estima que o piloto  recebe  105 milhões de euros por três épocas (35 milhões de euros por época)."Estou muito orgulhoso deste contrato, pois significa que vou completar dez anos com a Mercedes em 2018", disse Hamilton.O tempo é longo e de maturidade. Por essa razão, o "casamento" justifica-se.

"A minha relação com a Mercedes é mais do que uma parceria, é quase um casamento. Quando te oferecem uma nova mulher, pode até pensar em trocá-la, mas não o faz", disse Hamilton em entrevista a "Auto Motor und Sport"."O carro da Mercedes que piloto actualmente é o melhor que tive em toda a minha carreira", elogiou o piloto britânico.

Lewis Hamilton acrescentou que "contudo, talvez a carreira não esteja completa até tentar de tudo". É essa tentativa que o leva manter-se na Alemanha, apesar de "amar a Itália e os tifosi"."São muito animados sobre as corridas, mas o meu coração está na Mercedes e é difícil imaginar-me a ir para outro lugar", disse.

Lewis Hamilton não fechou a possibilidade de algum dia vestir-se de vermelho. As portas estão abertas para o futuro. "Tenho vários fãs na Itália e sempre me perguntam quando vou pilotar um Ferrari", revelou.O bicampeão mundial sentencia: "Considerei a Ferrari, mas sou um piloto da Mercedes desde que tinha 13 anos".O chefe da equipa alemã Toto Wolff declarou que "continuidade é um dos factores decisivos para o sucesso na F1, agora a equipa tem isso".

"Lewis Hamilton teve uma época histórica com a Mercedes no ano passado e a renovação era a nossa prioridade para este. Gastamos o tempo suficiente para não nos apressarmos no processo", declarou Toto Wolff. O dirigente alemão acrescentou que "pessoalmente", espera continuar com "uma forte dupla" de pilotos para alcançar novas conquistas.

Lewis Hamilton chegou à Mercedes em 2013 e, desde então, já conquistou 15 vitórias e o título de 2014. Após vencer duas das cinco provas em 2015, o piloto inglês lidera a competição com 111 pontos, 20 à frente do companheiro de equipa, Nico Rosberg, que foi o vencedor do último evento no Principado.

EM MONACO
Bicampeão prevê dificuldades no domingo


Actual campeão do Mundial de Fórmula Um, Lewis Hamilton sabe que tem nas suas mãos o melhor carro da categoria. No entanto, o britânico da Mercedes espera encontrar dificuldades no próximo desafio da época, o Grande Prémio de Monaco, que se disputa no próximo domingo.Segundo colocado no circuito de Monte Carlo em 2014, atrás do companheiro Nico Rosberg, Hamilton destacou a necessidade de ser perfeito em todos os sectores para vencer a corrida, que, segundo ele, é "o maior desafio do ano para um piloto".

Na abertura da época europeia, na Espanha, Lewis Hamilton viu o seu companheiro e maior rival, o alemão Nico Rosberg, fazer a corrida perfeita e terminar com o lugar mais alto do pódio, deixando-o pela segunda vez no ano com a segunda posição."Não tive o melhor fim de semana em Barcelona, de modo que terminar em segundo foi bom em termos de limitação de danos e significou um outro grande resultado para a equipa com uma dobradinha", disse.

O bicampeão completou que, agora, está focado em Monaco, a corrida que "particularmente" ama. "É o maior desafio do ano para um piloto", disse.Hamilton descreveu o que deve ser feito para terminar com o primeiro lugar em Monte Carlo."Construir um bom ritmo desde o início da corrida é muito importante para sentir o seu caminho no circuito. Tem de ser perfeito em todos os pontos, já que o menor deslize pode arruinar o seu final de semana. É preciso ter habilidade de condução e bravura", analisou Hamilton, vencedor da tradicional prova em 2008, ano do seu primeiro título na Fórmula 1.

Em 2014, Hamilton viu Rosberg liderar e vencer o Grande Prémio de Monaco, uma lembrança não muito boa para o inglês. No entanto, quer esquecer o passado e aproveitar o "carro fantástico" que tem em mãos para disparar na primeira posição do campeonato deste ano."Tal como em Espanha, é outro circuito onde não tive a melhor sorte no passado, mas não estou interessado no que já aconteceu ou em previsões.Apenas estou aqui para disputar, com um carro fantástico, uma corrida difícil e dar tudo o que tenho, como sempre", concluiu o líder da competição.Os treinos livres para o Grande Prémio de Monaco estão marcados para hoje e as qualificações acontecem amanhã e a corrida no domingo.

BOTTAS
Kimi Raikkonen
ignora rumores


Kimi Raikkonen é a imagem do sossego na F1. Mesmo sem garantias de que  mantém a sua vaga na Ferrari no próximo ano, o campeão de 2007 garante que não está preocupado com os rumores de um interesse da equipa italiana em Valtteri Bottas.Nas últimas semanas, muitos rumores apontam para um interesse da Ferrari em contar com o piloto da Williams.

Empresário de Bottas, Didier Coton deu a entender que cláusulas do contrato, que chega ao fim neste ano, podem segurar Valtteri em Grove e disse que as decisões vão ser tomadas no momento adequadoNesta quarta-feira, durante a conferência de imprensa organizada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Kimi foi questionado sobre os rumores em torno de Bottas e respondeu com o seu tradicional jeito despreocupado."Tem de perguntar à Ferrari o que vão fazer. Não estou nem um pouco preocupado com isso. O tempo, com certeza, vai dizer", concluiu.

CINCO POSIÇÕES
Grosjean é punido


O francês Romain Grosjean, da Lotus, vai perder cinco posições na grelha de largada do Grande Prémio de Monaco de Fórmula1, neste domingo, após substituir a caixa de mudanças, anunciou a equipa.O regulamento técnico da F1 diz que um piloto deve correr seis Grandes Prémios com a mesma caixa de câmbio, mas Roman Grosjean teve problemas na última corrida, na Espanha, quinta prova da época, há duas semanas na Catalunha.A caixa da sua Lotus E23 com motor Mercedes foi trocada por precaução, antes do fim de semana em Monaco, onde os pilotos vão ter de fazer muitas mudanças no acerto do carros entre os treinos de quinta-feira e sábado.

EXALTAÇÃO
Rosberg exalta colega de equipa


Com a renovação contratual de Lewis Hamilton anunciada, Nico Rosberg foi obrigado a falar sobre o companheiro. O alemão tratou de elogiar e dizer que adora ter Hamilton como rival e não esperava algo diferente por parte dele.Nico Rosberg chamou Lewis de "piloto incrível" e disse que a batalha entre os dois tem sempre a vitória da Mercedes como principal pensamento.

“Gosto do desafio de enfrentar Lewis, sempre gostei, porque é um piloto incrível. É um grande desafio tentar batê-lo quando consigo. Há uma batalha interna e temos de pensar na equipa ao mesmo tempo que um tenta vencer o outro. É complicado, ambos queremos vencer”, disse.Rosberg assegurou que têm altos e baixos e  há sempre uma época baixa na equipa. De momento, estão bem. Sobre o novo contrato de Hamilton, disse que não viu os números, mas não importa na relação com o seu próprio contrato - que renovou em 2014 -, com o qual está muito feliz.

Rosberg afirmou que não esperava que Lewis Hamilton deixasse a Mercedes, já que se trata da “melhor equipa da F1” e as coisas devem continuar assim por anos.“Não esperava (que Lewis deixasse a Mercedes), porque não há melhor lugar que a Mercedes. Essa é a melhor equipa da F1 e provavelmente assim vai ser por muitos anos. Estamos a fazer um trabalho incrível, é um “setup” incrível. Está tudo a conspirar bem. Isso vai ser assim por muitos anos", encerrou.Quanto aos números ressaltou: “Estou muito feliz com o meu contrato, com certeza. Não vi os números do acordo do Hamilton, não sei nada sobre os números, porque não li o que tem sido escrito e também duvido que se aproxime dos valores reais”.