Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton nega agressão a Rosberg

28 de Outubro, 2015

A Mercedes deixou um sério aviso aos seus dois pilotos depois do ocorrido na primeira curva do GP dos Estados Unidos

Fotografia: AFP

Lewis Hamilton foi acusado pelo colega de equipa, o alemão Nico Rosberg, de agressão no GP das Américas. No dia em que o britânico se sagrou campeão tricampeão mundial, os carros conduzidos pelos pilotos da Mercedes tocaram-se e ambos protagonizaram uma cena triste depois da corrida com arremesso de bonés.Lewis Hamilton foi visado por Nico Rosberg como o culpado da  manobra "agressiva" logo no arranque das 56 voltas à pista texana de Austin e o ambiente entre ambos, que já não era um mar de rosas, ficou particularmente tenso.

"É algo que vamos discutir dentro de alguns dias, quando as emoções estiverem menos exacerbadas", admitiu Toto Wolff, director da Mercedes, referindo-se às queixas de Rosberg e ao facto de Hamilton ter informado via rádio que não empurrara deliberadamente o alemão para fora da pista naquela ultrapassagem. O certo é que a Mercedes quer evitar situação idêntica à que aconteceu em 2014 no circuito de Spa, quando Rosberg provocou a desistência do companheiro de equipa após contacto que furou o pneu traseiro do carro do britânico.

"Não tive intenção de o empurrar", garantiu Lewis Hamilton, sublinhando sempre que estava "por dentro" e na trajectória correcta para a ultrapassagem. Rosberg, que foi ostensivo na forma como não alinhou na festa do novo campeão, teve opinião diferente. E não foi meigo: "Ele estava a tentar empurrar-me para fora da pista, mas eu tenho o direito de estar ali e então ele decidiu guiar contra mim." A manobra, logo após a partida e concretizada na curva 1 do circuito teve reflexos imediatos. Há um toque de Hamilton em Rosberg, o alemão acaba por afastar-se e o companheiro de equipa passa para a frente.

MÃO FIRME
Entretanto, a Mercedes deixou um sério aviso aos seus dois pilotos depois do ocorrido na primeira curva do GP dos Estados Unidos e antes da cerimónia do pódio, que consagrou Lewis Hamilton como vencedor e campeão do Mundo. Como não quer ver repetida a cena que aconteceu no GP da Bélgica de 2014, quando Rosberg e Hamilton chocaram, Toto Wolff, director desportivo da Mercedes frisou: "Nunca é fácil acalmar as coisas. Não foi fácil na primeira vez, mas temos alguma experiência. Só necessitamos ter uma atitude calma e firme em relação a como gostaríamos que eles competissem."

"Lewis disse que não foi de propósito. Será algo que vamos discutir nos próximos dias, mas este é o momento de comemorar a conquista de um título de campeão do Mundo, inteiramente merecido. Falaremos quando a temperatura baixar", acrescentou Wolff, admitindo que Rosberg vá tratar Hamilton de maneira diferente no futuro: "Esse risco é iminente."