Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton parte na "pole position"

20 de Abril, 2014

A Mercedes parte hoje, às 8h00, na pole position do Grande Prémio da China pela quarta vez consecutiva na presente época da Fórmula 1.

Fotografia: AFP

A Mercedes parte hoje, às 8h00, na pole position do Grande Prémio da China pela quarta vez consecutiva na presente época da Fórmula 1. O inglês Lewis Hamilton garantiu o direito no treino qualificativo de ontem no circuito de Xangai,  com o tempo de 1min53s860 e é a 34ª pole da carreira do campeão mundial de 2008, que volta a demonstrar a habilidade para pilotar sob chuva.

Com a classificação, Lewis Hamilton está agora no Top 4 da história mundial da Fórmula 1, depois de Michael Schumacher (68), Ayrton Senna (65) e Sebastian Vettel (45).

Das quatro poles feitas pela Mercedes nesse início de época, três foram de Hamilton, só não liderou a grelha de largada do GP do Bahrein há duas semanas.

O alemão Nico Rosberg, companheiro de Hamilton na Mercedes, larga na quarta posição, atrás do compatriota Sebastian Vettel  e do australiano Daniel Ricciardo, ambos da Red Bull. A decepção de Rosberg pode ser superada ao longo da prova, que conta com uma pista cheia de boas rectas para ultrapassagens.

A perícia de Rosberg vai estar em prova diante do tetracampeão mundial Sebastien Vettel, que sai na terceira posição. O ajustamento dos motores da Renault surtiram o efeito nas qualificativas, mas ainda debate-se com problemas ligados à velocidade. Rosberg disse à semana passada que o segundo lugar era o primeiro dos últimos. Por isso, não se contenta com a classificação. Vettel e Ricciardo contam assim com o aperto de Rosberg.

Mais abaixo, o espanhol da Ferrari, Fernando Alonso, promete seguir os carros da frente. Longe de subir ao pódio, o bicampeão mundial é um piloto descontente. Depois de testemunhar o reinado de Vettel, em quatro anos consecutivos, o britânico Lewis Hamilton parece receber a chave de sucesso.

Em Xangai, Alonso promete levar a cor vermelha ao pódio. A tarefa não é fácil. Passar pela Mercedes e Red Bul vai exigir muitos sacrifícios.

A seguir de Fernando Alonso vai partir o brasileiro Felipe Massa, na sexta posição. Inconformado com a situação da Williams, uma equipa longe da Ferrari, Massa vai fazer o possível para elevar a classificação da equipa no mundial de construtores. Com bons indicadores na pré-época, Massa aspira repeti-los em provas oficiais. A vontade e a realidade são dois mundos diferentes. Passar pela Ferrari, Mercedes e Red Bul é obra de “boa” engenharia.

Valeri Bottas, companheiro de Massa na Williams, parte na sétima posição em Xangai, mas vai contar com a concorrência do alemão Nico Hulkenberg da Force India. A equipa do empresário indiano Vijay Mallya, presidente e accionista maioritário do Grupo UB com operações em cervejarias e companhias áreas na Índia, procura a cada corrida constar entre os grandes, um objectivo definido pelo dono da empresa Watson Limited. Depois de subir ao pódio no início do campeonato mundial, a Force India faz investimentos fortes em todos os sectores para ajustar a velocidade.

O francês Jean-Eric Vergne, da Toro Rosso, sai em novo lugar. Mais atrás está o compatriota Romain Grosjeam, da Lotus, equipa que continua a decepcionar os adeptos depois da excelente época em 2013.

A maior decepção está mesmo nos campeões mundiais Kimi Raikkonen, da Ferrari, e Jenson Button, da McLaren. O ferrarista era a esperança da equipa de Mindello, mas o carro não apresenta confiabilidade. O 11º lugar em Xangai espelha o trabalho que os engenheiros da Ferrari têm que fazer.

Do outro lado está o campeão mundial da Mclaren que não encontra respostas para sair da crise. A equipa inglesa continua a investigar para satisfazer a vontade dos pilotos. A largada em 12º lugar de Jenson Button demonstra a fragilidade com que se debate a equipa.


ATENDIMENTO
Médicos de Grénoble
refutam a demora


Os médicos do Centro Hospitalar de Grénoble, na França, onde está internado Michael Schumacher desde Dezembro de 2013, após acidente de esqui nos Alpes, pronunciaram-se na última sexta-feira. Os especialistas defenderam-se das acusações de que o primeiro atendimento ao alemão talvez fosse tardio.

Após sofrer uma queda enquanto esquiava na estação de Meribel, Michael Schumacher foi levado de helicóptero, primeiro, a um hospital em Moutiers e mais tarde para o Centro Hospitalar em Grénoble.

Os rumores que surgiram na última semana davam conta que a situação de Schumi podia ser melhor, caso o atendimento fosse mais rápido e correcto. Os médicos de Grénoble descartaram qualquer uma das possibilidades, em entrevista à publicação alemã “Stern”.

De acordo com a equipa de médicos, a perda no primeiro hospital foi necessária para a estabilização de Schumacher, que havia entrado em coma logo após deixar o local do acidente.

Sabine Kehm, assessora de imprensa de Michael Schumacher, divulgou, recentemente, que o ex-piloto está em processo de recuperação e apresenta alguns momentos de consciência.


DESEJO
Alonso augura pontos em Xangai


O espanhol Fernando Alonso estabeleceu o quinto melhor tempo em Xangai e disse estar satisfeito com o resultado. O piloto da Ferrari foi realista ao falar sobre a possibilidade de repetir a vitória que conseguiu em 2013 em Xangai.

“Nada é impossível, porque isso é desporto e muita coisa pode acontecer, mas vai ser uma coisa muito estranha se vencermos a corrida”, disse.
Ciente das dificuldades, uma vitória no Grande Prémio da China, perante a concorrência da Mercedes e das duas Red Bull é mesmo uma quimera. “Tinhamos de esfregar os olhos”, disse.

Alonso enfrenta adversários de peso, uma vez que parte atrás dos dois carros da Mercedes e da Red Bull. O britânico Lewis Hamilton larga da “pole position”, seguido por Daniel Ricciardo, Sebastian Vettel e Nico Rosberg.

Diante dos dinossauros, “o quinto lugar foi bom” para a Ferrari e “tomara que a equipa possa somar bons pontos”.

O espanhol descreveu a receita para chegar ao pódio: “pensar passo a passo”. De momento, o plano é aproximar dos melhores. Não estar a um minuto dos adversários e marcar alguns pontos.

“Vamos tentar ficar perto do pódio, se possível”, declarou o bicampeão, que dá prioridade aos momentos iniciais da corrida em Xangai.

“As primeiras voltas vão ser as mais decisivas. Se conseguirmos manter a quinta posição e continuar no grupo dos líderes, óptimo. Mas se começarem a ultrapassar-nos na recta e entrarmos em batalhas, seguramente, vamos perder o comboio dos líderes e do pódio”, disse.

Enquanto Fernando Alonso garantiu a quinta posição da grelha de largada, o finlandês Kimi Raikkonen ficou apenas no 11º lugar. De acordo com o piloto espanhol, as actualizações da Ferrari agora sob o comando de Marco Mattiacci funcionaram.

“Em piso seco,  o carro foi muito bem. Sabemos que ainda não alcançamos o nível desejado, mas demos um pequeno passo e espero que possamos vê-lo amanhã”, declarou Alonso


SUPERADO NA GRELHA
Vettel elogia Ricciardo


O alemão Sebastian Vettel elogiou o seu novo companheiro na Red Bull, o australiano Daniel Ricciardo, que o superou nos treinos classificativos do Grande Prémio da China, que hoje arranca no circuito de Xangai. O actual tetracampeão mundial reconheceu que precisa melhorar o próprio desempenho.

“Este ano é muito, muito diferente. Os carros são diferentes. Não se pode comparar o ano passado com o ano em curso”, começou a dizer Vettel.
O alemão avaliou o trabalho dos adversários, mas o destaque ficou para o colega de equipa que apresentou-se mais firme.

“O Daniel está a fazer um trabalho muito bom, não teve apenas um bom final de semana, está consistente”, disse.

Escolhido pela Red Bull para suceder o também australiano Mark Webber a partir da época actual, Daniel Ricciardo, ex-Toro Rosso, superou Sebastian Vettel em três dos quatro treinos classificativos já realizados. A situação cria desconforto ao tetra-campeão mundial.

“Até agora, conseguiu tirar o máximo do carro, enquanto eu, talvez esteja a sofrer um pouco mais. Na verdade, temos o mesmo carro. Se está a superar-me, é justo. Isso não me agrada e sei que preciso melhorar um pouco”, afirmou o alemão.

O britânico Lewis Hamilton da Mercedes conquistou a “pole position “para o Grande Prémio da China. Daniel Ricciardo ficou na segunda posição, seguido justamente por Sebastian Vettel. Para o tetracampeão, o clima pode fazer a diferença no Grande Prémio da China.

“Dizem que o tempo vai estar bom amanhã (hoje), mas não se pode confiar na previsão.