Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton pode deixar a Mercedes

Altino Vieira Dias | - 04 de Fevereiro, 2019

Ex-dirigente Paulo Manuel Jnior foi um dos homenageados na tarde de quinta-feira

Fotografia: DR

A equipa italiana, a Ferrari, tal como as antigas potências inglesas  McLaren e Williams,  está entre as  equipas mais tradicionais e com mais títulos na actual grelha do campeonato de Fórmula 1. Além de ser a mais titulada a nível de pilotos e construtoras, a escuderia é também única que esteve presente em todas as temporadas e a com maior número de fãs da Fórmula 1.O sonho da maior parte dos pilotos que correm nas categorias que dão acesso à Fórmula 1 é correr ou ser campeão pela Ferrari.
O piloto Alberto Ascari abriu o activo como o primeiro a se sagrar campeão  pela escuderia, seguindo-se várias outros entre os quais lendas como o argentino Fangio, o austríaco  Niki Laude, o sul-africano Jody Scheckter e o alemão Michael Schumacher, este último a maior referencia de todos os tempos da equipa.
O alemão conseguiu fazer aquilo que nenhum outro piloto fez na Ferrari nem em nenhuma outra equipa que foram três vices-campeonatos isto em 1997 (desqualificado), 1998 e 2006, e cinco títulos mundiais de pilotos 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004.
Pela Ferrari, também passaram pilotos que não se sagraram campeões pela equipa mas deixaram a sua marca como as lendas Gilles Villeneuve, Clay Regazzoni, Mario Andretti, Alain Prost e outros não menos famosos como René Arnoux, Didier Pironi, Carlos Reutemann, Eddie Irvine, Rubens Barrichello Felipe Massa e Fernando Alonso,
A escuderia tem perseguido o título de pilotos e construtoras há mais de nove anos. Kimi Raikkonen foi o último a conseguir um título, isto em 2007 e a última vitória da escuderia no campeonato passado (2018), no Grande Prémio dos Estados Unidos da América em Austin. Em 2019, a Ferrari terá como principais pilotos Sebastian Vettel e Charles Leclerc, que terão como grande missão pôr um travão na toda poderosa equipa de Brackley, a Mercedes, e na sua principal e temível estrela, Lewis Hamilton.
Em 2019, aconteça o que acontecer, Vettel está expressamente proibido de perder o título para Hamilton. Ele até pode perder para Leclerc, Valtteri Bottas, Max Verstappen, Daniel Ricciardo ou mesmo para Pierre Gasly. Vettel vai com o sonho do penta no pensamento, pois a Ferrari e os fãs estão desesperados para regressarem ao topo.
Se tal não acontecer e ele perder pelo terceiro ano consecutivo para Hamilton, os “tiffosis” e a nação italiana por completo vão querê-lo fora da Ferrari e a milhas de distância de uma equipa que use motores de Maranello. Olha que malogrado Sergio Marchionne e o recém-retirado chefe da escuderia  Maurico Arrivabane já alegaram no passado que gostariam de ter um piloto com o calibre de Hamilton na Ferrari, pois ele tem estilo de um piloto ferrarista.
O ex-presidente da Ferrari, Luca di Montezelo, já tinha afirmado que Hamilton seria campeão na mesma se estivesse a pilotar na Ferrari em 2018. Este ditos podem fazer  Hamilton receber uma proposta “brutal” da Ferrari para sair da Brackley para Maranello em 2020 ou 2021.
Em 2012, quando anunciaram a saída de Hamilton da equipa de Woking (a McLaren Mercedes), para a de Brackley (equipa Mercedes), o mundo inteiro ficou de boca aberta, ao aperceber-se que a ida de Hamilton para a Mercedes seria a saída da escuderia e o fim da carreira do mais titulado piloto de todos os tempos  da Fórmula 1, Michael Schumacher, que na Mercedes não conseguiu fazer jus  às expectativas, pois ficou três anos consecutivos atrás de Nico Rosberg na classificação. Com a chegada de Hamilton, Rosberg viu-se de \'azar\', ficou três anos consecutivos atrás de britânico, pois em dois 2013 apesar de Rosberg ter obtido duas vitórias na classificação ficou atrás deste e em 2014 e 2015 Hamilton sagrou-se campeão, relegando Rosberg para vice nos dois anos.  
O anúncio da contratação de Hamilton pode significar o surgimento de uma das duplas mais temíveis da Fórmula 1, depois da de Alain Prost e Ayrton Senna, ou a retirada de Vettel da Ferrari que não conseguiu fazer jus às expectativas dos “bosses” desta.