Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton sonhou com vitória

23 de Setembro, 2014

Hamilton teve um excelente fim-de-semana na Singapura com a vitória no Grande Prémio a assumir a liderança do Mundial de Pilotos

Fotografia: AFP

Lewis Hamilton conquistou domingo a sétima vitória na temporada da Fórmula 1, no GP de Singapura. O piloto da Mercedes declarou que sonhava com o resultado positivo, sabendo que tinha um carro para lutar pela vitória. Além disso, o britânico assumiu a liderança do Mundial de Pilotos, com 241 pontos, três a mais do que o seu companheiro Nico Rosberg, que abandonou a prova asiática.

"Eu sonhei na última noite com isso, mas nunca se sabe o que vai acontecer. Apenas queria agradecer à equipa. O que estão a fazer este ano é absolutamente incrível. Estar apto para chegar aqui sabendo que temos um carro que pode  lutar pela vitória e depois sentir isso durante a corrida é algo incrível. Não podia fazer isso sem eles", declarou Hamilton.

O novo líder do Mundial ficou satisfeito porque não teve nenhum tipo de problemas durante todo o fim de semana do GP de Singapura. Apesar disso, lamentou o abandono de Rosberg na corrida deste domingo. "Eu estava à procura de um fim-de-semana limpo e assim foi. Não foi perfeito para a equipa porque o Nico não terminou e nós procuramos sempre uma dobradinha no pódio. Há coisas que ainda podemos trabalhar", afirmou. Hamilton vai defender a liderança do Mundial de Pilotos da F-1 daqui a duas semanas, no GP do Japão, em Suzuka.

ROSBERG

O fim-de-semana do GP de Singapura não poderia ser pior para o alemão Nico Rosberg. O piloto da Mercedes abandonou precocemente a prova deste domingo, no circuito de rua de Marina Bay, por problemas no seu carro, viu o inglês Lewis Hamilton assumir a liderança do Mundial de Pilotos com a vitória e por isso ficou preocupado com a confiabilidade da Mercedes. Rosberg não conseguiu sair para dar a volta de apresentação e teve de largar das boxes. Depois, com poucas voltas de corrida, abandonou a prova.

O alemão explicou que um problema no volante atrapalhou todo o funcionamento da sua Mercedes. "O volante não funcionava, então todo o carro não funcionava", explicou. Irritado, Rosberg cobrou o trabalho da Mercedes para que esse tipo de situação não volte a atrapalhá-lo na recta final da temporada 2014 da Fórmula 1. "Precisamos de descobrir o que aconteceu porque foi mais um problema de confiabilidade. Tivemos alguns nesta temporada e esta é a nossa fraqueza", disse.

Hamilton reconhece prova difícil

Lewis Hamilton venceu o Grande Prémio de Singapura com facilidade. Essa é a apreciação dos espectadores. Sem pressão de Nico Rosberg que abandonou por problemas mecânicos, o novo líder do mundial de pilotos revelou no final, que a prova foi mais dificil do que pensava. O momento de maior tensão para Lewis Hamilton ocorreu após o safety car deixar a pista do circuito de Marina Bay. O piloto britânico confessou que não sabia direito que estratégia devia seguir até ao fim da prova e quando devia fazer o seu último pit stop.

“Estava sem saber direito o que devia fazer. Estiquei-me  ao máximo que pude (a permanência na pista antes da troca de pneus), quando ouvi dizer que precisava de abrir 27 segundos (de vantagem sobre Vettel, segundo colocado). O safety car causou-me muitos problemas, mas felizmente consegui chegar onde precisava”, disse Hamilton.

O britânico abriu uma grande distância para o piloto da Red Bull, mas voltou atrás de Vettel após parar nos boxes. Como os pneus do carro do alemão estavam muito desgastados, Hamilton conseguiu ultrapassá-lo sem dificuldades e partir para a vitória.

QUEIMADURAS
EM MAGNUSSEN


Kevin Magnussen teve problemas no GP de Singapura. O piloto da McLaren precisou de atendimento médico após à corrida de domingo. Teve algumas queimaduras, provocadas pelo aquecimento excessivo do cockpit. Mesmo com o problema, o dinamarquês completou a prova em décimo lugar.
Antes de ser atendido pelos médicos, Magnussen ainda deu entrevistas.  “Foi muito complicado. Pelo menos conquistámos um ponto.

Não sei se algo estava errado, mas o meu assento estava muito quente. Precisámos de verificar o que aconteceu”, disse. O piloto ainda relatou as dificuldades que teve durante a prova. “Nem conseguia beber água. Este foi o ponto mais difícil     que conquistei. É melhor, do que nada”, afirmou Magnussen, que também teve problemas com o desgaste dos pneus durante a corrida.

Eric Boullier, director da McLaren reconheceu o esforço de Magnussen e elogiou o piloto. “Esteve sujeito a um enorme desconforto. Após conduzir em condições extremamente desafiadoras, Magnussen conseguiu somar um ponto para a equipa. É um prémio de consolação, mas mostra o seu enorme espírito de luta”, comentou.

CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Massa revela a táctica


Felipe Massa terminou o Grande Prémio de Singapura na quinta posição, mas enfrentou algumas dificuldades para completar a prova numa boa posição. Com pneus muito desgastados no fim da prova, o piloto da Williams resumiu como foi o seu estilo de condução nas últimas voltas: “Guiei como uma vovó”.

O brasileiro trocou os pneus pela última vez na 21ª volta. A expectativa natural era a de que ia parar nas boxes mais uma vez, mas Felipe Massa permaneceu na pista. Com Bottas como “escudeiro”, o piloto conseguiu completar a prova, sem ser incomodado pelos adversários.
“Nada nesse mundo é impossível. Quando a minha equipa disse que devia  ir até ao final com aquele pneu, dei uma  risada, achei que era impossível e passei a conduzir como uma vovó”, disse.

O brasileiro da Williams asseverou que a estratégia “deu certo”. No final, marcou “pontos importantes”. Em entrevista à “TV Globo,” Massa lamentou o problema do colega de equipa na recta final da prova. “É uma pena, senão tinhamos acumulado ainda mais pontos”, disse.

A tarefa de Felipe Massa podia ter sido mais complicada se não contasse com a ajuda de Bottas, que andou na sexta posição. O finlandês também sofreu com o desgaste dos pneus, mas conseguiu segurar as investidas de Kimi Raikkonen e de outros competidores. No fim, os pneus do finlandês não resistiram.