Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hamilton vence na China com dobradinha da Mercedes

13 de Abril, 2015

Hamilton conquista pela quarta vez o GP

Fotografia: AFP

Numa corrida com ares de jogo de xadrez, Lewis Hamilton controlou as ameaças do companheiro Nico Rosberg e das Ferrari para vencer pela quarta vez na carreira o GP da China. Com as Williams correndo praticamente sozinhas, Felipe Massa foi o quinto colocado, à frente do companheiro de Williams Valtteri Bottas, enquanto Felipe Nasr mais uma vez sofreu com o maior desgaste de pneus da sua Sauber, mas ainda assim conseguiu pontuar, chegando em oitavo.

A prova foi marcada pela pouca diferença de ritmo entre os quatro primeiros carros, que passaram a maior parte da prova separados por menos de 10s, comprovando que a Scuderia é uma ameaça real à Mercedes para o campeonato e que a vitória de Vettel na Malásia não foi um caso isolado.

Na China, o alemão chegou a ameaçar o segundo lugar de Rosberg durante a corrida, mas teve de se contentar com o terceiro lugar.Com o resultado, Hamilton ampliou sua vantagem na liderança do campeonato, chegando aos 68 pontos, contra 55 de Vettel e 51 de Rosberg. Mesmo sendo superado por Kimi Raikkonen na corrida, Massa manteve o quarto posto no campeonato, com 30 pontos contra 24 do finlandês.

O triunfo de Hamilton foi o 35º da sua carreira. O britânico vive uma briga particular com Vettel, que tem 40 vitórias, para se tornar o piloto mais vencedor da actualidade e o primeiro da geração pós-Schumacher a bater as 41 conquistas de Ayrton Senna.Antes do início da corrida, apesar de ter obtido uma vantagem na casa de 1s na classificação, a Mercedes temia que o ritmo de corrida e a menor degradação de pneus da Ferrari pudesse colocar a Scuderia em vantagem, como acontecera há duas semanas, na Malásia.

Entretanto, na largada, Hamilton manteve a ponta, com Rosberg e Vettel mantendo as suas posições. Kimi Raikkonen veio bem da sexta posição, ultrapassando as duas Williams nas primeiras curvas. Largando em quarto, Felipe Massa chegou a perder a posição também para o companheiro Valtteri Bottas, mas recuperou-se ainda no giro inicial.

Assim, após a primeira volta, Hamilton liderava, seguido de Rosberg, Vettel, Raikkonen, Massa, Bottas, Grosjean, Nasr, Ericsson e Maldonado. Quem largou mal foi Ricciardo, que chegou a ficar em 17º e veio abrindo espaço no meio do pelotão nas primeiras voltas.A primeira parte da prova teve algumas brigas particulares: Mercedes e Ferrari dosavam o ritmo para ver quem conseguia estender ao máximo a durabilidade dos pneus, enquanto as Williams andavam praticamente sozinhas e as Sauber lutavam com as Lotus, com os quatro pilotos separados por seis segundos.

Mais atrás, as Red Bull se engalfinhavam, sendo observadas de perto pelas McLaren, que conseguiam acompanhar seu ritmo. Na 11ª volta, Nasr foi o primeiro a parar, inaugurando a rodada inicial de pit stops e colocando os pneus médios. Contrariando a expectativa de que a Ferrari consumiria menos pneus, o primeiro dos ponteiros a parar foi Vettel, na volta 14, junto de Massa. No giro seguinte, foi a vez de Hamilton parar. Rosberg e Raikkonen trocaram seus pneus logo depois.

Constatação
Wolff admite rivalidade entre Hamilton e Rosberg


Acostumado às polémicas que vêm marcando o duelo entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg desde o início do ano passado, o chefe da Mercedes, Toto Wolff, não quis apontar culpados após o alemão acusar o britânico de ter prejudicado a sua corrida no GP da China, mas prometeu uma investigação.A sua prioridade é evitar que os problemas internos aumentem, ainda mais em um momento no qual a Mercedes, que dominou inteiramente o campeonato do ano passado, vê a aproximação da Ferrari, o que pode complicar a disputa do campeonato.

"Você precisa ter cuidado ao apontar culpados meia hora depois da corrida. Foi uma situação muito difícil. Ele precisava administrar o ritmo porque não sabia quanto os pneus durariam e isso trouxe problemas para Nico, que está claramente irritado. Lewis tinha mais ritmo e fez os pneus durarem mais. Então acho que a ordem (do resultado, com o britânico na frente) está certa."

Os problemas aconteceram na metade do GP, quando Hamilton passou a andar mais lento para poupar seus pneus. Andando menos de 2s atrás do britânico, Rosberg passou a reclamar via rádio, dizendo que o ritmo do companheiro fazia com que ele, que tinha Sebastian Vettel no encalço, desgastasse mais seus pneus por andar na turbulência da outra Mercedes. A equipa, então, pediu que Hamilton aumentasse o ritmo e foi atendida mas, ainda assim, Rosberg sofreu com a degradação e acusou o britânico de pensar apenas na própria corrida e não na equipa.

Resultado
Nasr  cumpre promessa


Desde que chegou à China para a terceira etapa do campeonato da Fórmula 1, Felipe Nasr salientou que seu objectivo era marcar pontos. A corrida acabou não sendo tão positiva quanto o piloto da Sauber esperava, com muitos problemas de durabilidade dos pneus e dificuldades na tração, a exemplo do que acontecera há duas semanas, na Malásia, mas ainda assim o brasileiro conseguiu o oitavo lugar.
"Atingi o objectivo que eu tinha para a prova", destacou à Band News FM. "É claro que a gente sempre espera um pouco mais, mas hoje (ontem) o carro estava muito limitado – os carros da Lotus e da Toro Rosso estavam muito mais rápidos do que a gente. Acho que extraí o máximo que tinha no carro e temos de ficar felizes com isso. Foram alguns pontinhos importantes para a temporada."
Nasr teve várias brigas por posição durante a prova, a maior parte delas se defendendo de carros mais rápidos, como as Red Bull e as Lotus.