Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Haryanto está feliz com o desempenho

20 de Abril, 2016

Piloto acredita em melhores dias

Fotografia: Reuters

Rio Haryanto gostou de lutar pela posição e segurar Jolyon Palmer e sua Renault durante o GP da China no último domingo mesmo que se tratasse de uma briga pela 22ª e última posição.  Agora o próximo passo é manter a evolução e aumentar as disputas.

O final na 21º colocação deixou Rio Haryanto feliz da vida. O piloto indonésio, certamente o que menos apareceu em corridas até aqui na temporada, gostou de ter segurado  uma das Renault até o final do GP da China do último domingo.

 O novato da Manor andou boa parte da prova na frente de Jolyon Palmer após ver que não conseguia  acompanhar as Sauber. Mesmo Felipe Nasr, que teve um furo de pneu na largada, eventualmente conseguiu escapar de Haryanto. Ele achou que fosse brigar mais, mas o facto de ter parado a Renault foi importante.

"No começo da prova nós estávamos na disputa com a Sauber, assim como por todo o final de semana, e também com a Haas, mas no final faltou ritmo. Eu segurei a Palmer até o final, o que foi bom", disse Rio.

"Mas embora eu esteja feliz de termos levado os dois carros até o final, estava a espera de mais briga. Os sinais foram bons, porém, e creio sabemos que precisamos de melhorar para tornar isso possível", encerrou.

O próximo teste da Manor é na pista de Sóchi, em que a F1 disputa o GP da Rússia em duas semanas.

DECISÃO
Pirelli ameaça deixar a Fórmula 1


A Fórmula 1 pode ficar sem fornecedor de pneus se não tomar uma decisão sobre as configurações finais e testes para a próxima temporada. A ameaça é da Pirelli, preocupada com a falta de tempo para desenvolver o novo produto.

O pneu mais largo é um dos pilares das mudanças de regulamento previstas para 2017. Porém, ainda não se chegou a um consenso sobre estas alterações e um cronograma de testes para os pneus ainda não foi totalmente acordado.

Até o momento, fala-se em 25 dias de testes, a contar com cinco equipas diferentes. Porém, caso não tenha uma confirmação imediata de que isso de facto vai acontecer, a Pirelli fala em deixar o desporto.

"Quando eu pousar (da viagem da China, após o prazo de segunda-feira), se eu não tiver um e-mail confirmando que foi aprovado, ou qualquer outra coisa positiva, então você vai  ligar-me para uma história diferente", disse o chefe da Pirelli na F-1, Paul Hembery, ao Motosport.com. "Nós não podemos fazer o nosso trabalho sem isso."

Hembery destacou que o novo pneu vai ser totalmente diferente do actual, o que exige um grande trabalho de desenvolvimento. "O desafio térmico que nos foi dado desde o início agora está a mudar, então agora temos de entregar os pneus que tenham menos degradação e menos desgaste. E eles terão que ser pneus com que os pilotos terão uma janela mais ampla de oportunidades para forçar. Por isso, é uma grande mudança, e grandes ganhos de performance. Então o tempo está esgotar-se".