Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Honda define design do motor

23 de Fevereiro, 2015

Carro de Jenson Button e de Fernando Alonso apresentou problemas no MGU-K de força da Honda nos testes de Barcelona

Fotografia: AFP

A uma semana de homologar perante a FIA o motor com o qual vai começar a época'2015 do Mundial de F1, a Honda já tem definido o design da sua unidade de força. A informação é do chefe da divisão de automobilismo da fabricante, Yasuhisa Arai.O V6 turbo japonês ainda apresenta problemas com frequência nos testes de pré-época. Do que foi planeado para ser trabalhado, nem 50 por cento foi executado. Entretanto, tanto a McLaren quanto a Honda asseguram que estão satisfeitas com os conceitos que aplicaram no desenvolvimento do carro deste ano.

Uma vez que o caminho é o correcto, tudo é uma questão de aparar as arestas. “Não estou preocupado quanto ao design. Já estamos prontos para ir a Melbourne”, afirmou Arai-san numa entrevista em Barcelona. O dirigente também declarou que tem todos os motivos para crer que o propulsor vai estar pronto para o Grande Prémio da Austrália, marcado para 15 de Março.

“Não vejo razão para que não consigamos estar prontos para Melbourne. Estou confiante de que podemos reparar tudo e todos estão um pouco atrás do planeado”, disse.O que ainda não se sabe, é quanto a Honda pode mexer no motor durante a época. O acordo feito com a fabricante, para que possa actualizar o propulsor durante o campeonato, estabelece que a quantidade de “tokens” vai ser definida a partir de uma média de mudanças feitas pelas adversárias até o Grande Prémio da Austrália. Ou seja, só na segunda metade de Março vai ser possível definir o planeamento.

“Por favor, perguntem às outras fabricantes e ajude-nos!”, brincou Arai e acrescentou depois: “temos o nosso plano em dia e preparamos muitas coisas para aplicar, mas não sabemos quantas delas poderemos usar. Queremos saber isso”. Em Barcelona, a falha que mais incomoda a McLaren é no MGU-K. A equipa parou os testes na quinta-feira e no sábado devido ao sistema.

JENSON BUTTON
ESPERA MUDANÇAS

Jenson Button afirmou com todas as letras que a McLaren Honda vai ter um bom ano em 2015, apesar de todos os problemas dos testes.“Não vamos ter uma época difícil”, assegurou o inglês depois de dar somente 21 voltas no terceiro dia de treinos colectivos da F1 em Barcelona. Questionado sobre a prontidão na estreia, Button disse que desconhece a resposta certa. O piloto enfrentou no sábado problemas no MGU-K da unidade de força da Honda, depois de dar somente sete voltas. Para correr no período da tarde, contou com a potência reduzida no sistema.

Em sete dias de testes colectivos, a McLaren teve melhor resultado na última sexta-feira, quando Fernando Alonso completou 59 voltas no circuito da Catalunha.A McLaren Honda adoptou uma abordagem bastante agressiva no projecto do chassis e do motor. A fabricante japonesa desenvolveu um propulsor bastante compacto que coubesse na estreita traseira do MP4-30 para gerar ganhos aerodinâmicos.
Button está certo de que o conceito está aprovado, basta solucionar os outros problemas. “Gostaria dar voltas e mais voltas todos os dias, mas ainda não é o caso. Há problemas que precisamos de resolver e espero que os consigamos no próximo teste. Não vamos ter um carro vencedor na primeira corrida, mas queremos ter um na última corrida. Vocês vão ver grandes avanços nossos, pois este carro tem muito potencial, só é difícil de extrair agora”, disse.

EM BARCELONA
Alonso internado
após o acidente


O piloto da McLaren, Fernando Alonso, envolveu-se ontem num grave acidente no último dia de de testes em Barcelona, mas está “bem e consciente”, disseram fontes do circuito. O espanhol, duas vezes campeão mundial, embateu contra o muro na saída da terceira volta a velocidade de mais de 240 km/h.Uma ambulância foi enviada para atender o piloto, de 33 anos, no local do acidente e foi levado ao centro médico do circuito para atendimento preliminar, antes de ser levado de helicóptero ao hospital para observação de precaução.

“Fernando Alonso embateu no fim da terceira volta. O carro recuou e bateu no muro”, disse um comunicado do circuito. O Circuito de Catalunha publicou no twitter: “parece que Alonso está ok. Esperamos que tudo esteja bem e tudo termine apenas como um choque”. Não está claro se a colisão foi resultado de um erro do piloto ou de um defeito do carro. A McLaren informou que Fernando Alonso passou por exames no hospital que não indicaram lesões, de acordo com informações da emissora inglesa Sky Sports.Não se sabe quando a equipa vai pronunciar-se oficialmente ou quando o espanhol vai deixar o hospital.

VETTEL ESTRANHA
ACIDENTE DE ALONSO

Uma forte batida de Fernando Alonso (McLaren) contra o muro do Circuito de Montmeló encerrou ontem a primeira sessão de treinos da pré-época da Fórmula 1. O alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, que vinha atrás do bicampeão, estranhou o acidente.“A velocidade era relativamente baixa, talvez uns 150 quilómetros por hora. Ele foi para a direita e embateu contra o muro. Pareceu estranho”, afirmou o piloto contratado pela Ferrari para a época de 2015 em entrevista à revista alemã Auto, motor und Sport.

Após o acidente, Fernando Alonso foi levado de ambulância para o centro médico do circuito. Em seguida, de helicóptero, seguiu para o Hospital General de Catalunya. De acordo com Luis Garcia Abad, empresário de Alonso, o seu cliente passa bem e foi ao hospital apenas por precaução. O representante do bicampeão mundial ainda desmentiu os rumores de que o piloto estava a sentir um mal-estar, instantes antes de colidir com o muro.Apesar do acidente, a segunda sessão de treinos no Circuito de Montmeló foi realizada normalmente. O britânico Jenson Button devia participar das actividades pela McLaren, mas a equipa preferiu cancelar a  participação em função da batida do espanhol.

Rosberg espanta
com pneus médios


A Lotus pode ter ocupado as manchetes três vezes nesta semana, mas foi um tempo registado pela Mercedes no fim da tarde de ontem, em Barcelona que impressionou. Se Romain Grosjean foi o líder, com uma volta de 1min24s067 a usar pneus super-macios, Nico Rosberg garantiu o segundo tempo com pneus médios. O alemão cravou 1min24s584 na primeira de seis voltas cronometradas consecutivas, ou seja, o tanque não estava tão vazio. Minutos depois, baixou para 1min24s321, também com médios.

Foi a primeira vez que a Mercedes atraiu os olhares pelo que fez perante ao cronómetro na pré-época. Até aqui, a equipa vinha apenas "cozinhava o galo" e realizou testes que visavam mais a confiabilidade, o funcionamento dos sistemas e o comportamento do carro em condições de corrida.Para efeito de comparação, o tempo da pole-position no GP da Espanha de 2014, com Nico Rosberg e Lewis Hamilton a digladiarem-se para tirar o máximo de performance do F1 W05 Hybrid, havia ficado na casa de 1min25s1.

No mais, outros pilotos foram capazes de entrar na casa de 1min24s. Daniil Kvyat foi o terceiro mais rápido e marcou 1min24s941 com pneus macios e Nasr, 1min24s956 com super-macios.Nasr perdeu toda a manhã nos boxes, enquanto a Sauber consertava um problema mecânico e teve uma tarde relativamente tranquila até parar na pista no fim da sessão.As maiores quilometragens ficaram com Nico Rosberg e Valtteri Botas, ambos alcançaram 13 dezenas de voltas ao redor do circuito da Catalunha. Sebastian Vettel também andou com a Ferrari, concentrou-se no acerto do chassi e nas avaliações de pneus.