Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Huilanos confiantes no GP Juventude

Gaudêncio Hamelay, no Lubango - 25 de Maio, 2014

Os pilotos representantes da província da Huíla no Grande Prémio da Juventude em automobilismo a disputar-se hoje, no autódromo de Luanda

Fotografia: Jornal dos Desportos

Para tal, a província da Huíla, considerada como uma das potências no desporto motorizado, leva para esta prova conceituados pilotos. Trata-se de Leu Serrão, Fiório de Sousa, Sandro Dias “Riquito” e Carlos Mendonça.

Leu Serrão, vencedor da primeira prova disputada na província do Namibe, disse que a competição não vai ser fácil, mas o seu grande objectivo é cortar a meta numa boa posição.

Ao volante de um radical RS3, Leu Serrão afirmou estar entusiasmado por ser a primeira vez que vai correr no autódromo de Luanda com um bom carro, cujo objectivo passa em chegar à final do campeonato.

“Estou entusiasmado porque é a primeira vez que vou correr no autódromo de Luanda com um bom carro. Por isso, espero dar um bom espectáculo e aprender bastante nessa corrida. Sei que não vai ser fácil, mas o grande objectivo é chegar ao final do campeonato. Temos tudo para começar e acabar”, afirmou.

Os pilotos Sandro Dias e Fiório de Sousa, por sinal seus colegas da província, são os que mais o preocupam na prova que Luanda acolhe hoje, disse.

Leu Serrão justificou que os dois pilotos que “teme” têm máquinas mais potentes. Porém, aguarda o dia D para ver quem tem a sorte de cortar primeiro a meta. “Os carros têm muitas peças para estragar, mas acredito que o meu está preparado para começar e acabar sem percalços. Com humildade, vamos ver se aprendemos mais com os outros e saímos vencedores”, prometeu.

Carlos Mendonça, que vai correr na classe dos 1.600 centímetros cúbico, contou que todos os pilotos da Huíla no activo neste momento estão presente. E a prestação é das melhores, apesar de saber que existem carros mais potentes.

“Nós da classe dos 1.600 cc temos sempre boas perspectivas para fazer boa prova. O ano passado fomos vice-campeões. Sabemos que há carros mais potentes, mas estamos sempre com uma boa perspectiva e temos o carro pronto para fazer uma boa corrida com um leque de pilotos ideais da província da Huíla que são um dos melhores de Angola. Temos pilotos bons, com provas dadas, pilotos jovens que despontam com muito boas referências evidenciadas”, sustentou.

Para o piloto Fiório de Sousa, actualmente o desporto automóvel no país está parado por não ser aquele que era em tempos idos. “Hoje em dia temos mais provas, mas também muitas desistências. Naquele tempo não havia carros e havia pilotos. Hoje há carros e não há pilotos interessados em participar em provas nacionais. Não há pistas nem condições de segurança”, disse.