Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Huilanos enfrentam dificuldades materiais

Gaudêncio Hamalay| no Lubango - 12 de Outubro, 2014

Atletas huilanas enfrentam dificuldades por falta de equipamentos e de transportes

Fotografia: Nuno Flash

Os praticantes de ginástica na província da Huíla enfrentam dificuldades de ordem material para desenvolver a modalidade na especialidade de ginástica artística. Nas academias não existem trampolins, barras paralelas e assimétricas, cavalos com arçóis e tapetes para fazer saltos de tambling.

Para inverter o processo, o treinador de ginástica Silva Chiluama  pede apoio às entidades políticas e escolares. O especialista assegura que a cidade de Lubango dispõe desses materiais, mas não estão disponíveis para os atletas.

O Instituto Superior Politécnico da Arimba, Escola do Punível e no Instituto Politécnico da Humpata estão apetrachas de equipamentos de ginástica e não há necessidade de se gastar mais dinheiro.Silva Chiluama afirmou que os atletas de ginástica precisam de fazer uso desses materiais para evitar a degradação a que está votada. Os ginásios dos Institutos Escolares foram transformados em armazéns de livros, segundo Silva Chiluana.

O treinador assegurou que não entende a decisão de algumas direcções escolares, como a localizada junto da 14 de Abril, quando a carência de equipamentos de ginástica é grande no país.

"Há pessoas que estão a estragar os materiais e vi isso na Escola do Puniv, onde os ratos estão a roer os aparelhos de ginástica, quando há pessoas que precisam de usufruir desses meios", alertou o treinador.Silva Chiluana lamenta o silêncio de algumas instituições depois de solicitar  apoio para a rentabilização dos equipamentos.

"Já batemos várias vezes à porta  das instituições privadas e do Governo e não obtivemos nenhuma resposta sobre o assunto”, lamentou.

Com olhos nos pódios mais altos dos campeonatos do mundo, o treinador disse que estão aberto a todo tipo de ajuda e preparados para qualquer coisa.

"Pedimos às pessoas singulares ou colectivas, que gostam de ver e fazer ginástica, para ajudar-nos, pois carecemos de ajuda a fim de atingir grandes patamares”, exortou.

A carência de meios estende-se ao transporte. Silva Chiluana revelou que as ausências das equipas da Huíla nas provas nacionais tem a ver também com a falta de meios de transporte para aliviar os custos de deslocação.A Huíla movimentou 120 atletas nos escalões de inciados, juvenis, juniores e seniores nas especialidades de ginástica ritimica e ginástica tumbling num passado recente.

Actualmente, 57 praticantes estão no activo. Por esse facto, Chiluana sente-se grato pelo desempenho em prol do desenvolvimento da província da Huíla. "Estamos no bom caminho", disse.

A Huíla é um dos pólos que fornece atletas para as selecções nacionais que representam o país nos campeonatos do mundo e outros eventos desportivos internacionais.


SIMONE BILES
Norte-americana é bicampeã  mundial

Aos 17 anos, a norte-americana Simone Biles, já soma dois títulos mundiais no individual geral da ginástica artística. O segundo foi conquistado na última sexta-feira, em Nanning, na China, mesmo depois de um dia sem muito brilho. Mesmo com erro na trave, melhorou no seu pior aparelho, as barras, e liderou no salto e no solo. Fechou o dia com 60,231 pontos.

A medalha de prata foi para a romena Larissa Lordache, com 59,765 pontos, e a de bronze para a norte-americana Kyla Ross, com 58,232 pontos.

Com tamanha superioridade, Simone pode chegar aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, com o estatuto de lenda da ginástica. Tudo graças aos seus avós. A vida da ginasta, nos seus primeiros anos, esteve longe de ser normal. A sua mãe biológica   teve oito filhos. Todos acabaram no sistema de adopção do Governo dos Estados Unidos. Ela e a sua irmã mais nova, Adria, ficaram com o avô, Ron Biles, e a sua mulher, Nellie."Juramos num tribunal que seríamos uma família. Isso é o principal: fazer com que essas crianças tenham uma casa, com valores sólidos", disse Ron, que nasceu em Belize, ao site The Root. Outros dois irmãos da bicampeã mundial vivem com uma tia-avó, irmã de Ron. Dois deles foram adoptados. Os outros dois ainda vivem com a mãe.

Ron e Nelie são legalmente os pais das duas garotas. E as tratam com o maior cuidado, incluindo a educação: Simone estuda em casa e, por isso, pode dedicar-se à extenuante rotina de uma ginasta de elite. Ela treina sete horas por dia num ginásio da cidade de Spring, no Texas. Foi descoberta aos seis anos, num passeio da creche. A flexibilidade e a força chamaram a atenção. Desde então, não parou mais de competir.

SORTE DA GINÁSTICA
No Mundial do ano passado, surpreendeu. Na sua estreia, dominou o individual geral e tornou-se na primeira negra a vencer a prova. Em 2012, Gaby Douglas já tinha sido a primeira negra a ser campeã olímpica no individual geral. Simone ainda levou o ouro no solo na Bélgica, em 2013.

A vitória incomodou. Após um dos ouros da norte-americana, uma das ginastas da equipa da Itália consolou a campeã do individual geral de 2006, Vanessa Ferrari, ao dizer que "da próxima vez é só entrar com o rosto pintado de preto". Para piorar, a equipa de comunicação da Federação Italiana disse que a ginasta queria dizer que "o novo código de pontuação favorece a maior força muscular dos negros, deixando em segundo plano a elegância de movimento das mulheres do leste europeu", reforçando um estereótipo que está a ser combatido.

O comentário gerou uma verdadeira revolução. Os italianos pediram desculpas e Simone apareceu no meio de uma polémica racista. Um ano depois, a decisão mostrou-se correcta. No campeonato norte-americano, que valeu a sua convocação para o Mundial de Nanning, Simone venceu com facilidade.


Liu Yang leva
ouro nas argolas


O chinês Liu Yang é arrebatou o título mundial na prova de argolas do campeonato que decorre na cidade chinesa de Nanning. Na segunda posição ficou o brasileiro Arthur Zanetti e a medalha de bronze foi para o russo Denis Abliazian e o chinês You Hao.

Medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres'2012 e no Campeonato Mundial de 2013, na Antuérpia, Arthur Zanetti tinha como prioridade ajudar o Brasil a classificar-se na inédita final da prova por equipas. O objectivo não foi cumprido. Brasil encerrou o campeonato do mundo na sexta posição.

Zanetti ficou com a medalha de prata com a nota de 15.733 pontos. A sua apresentação nas argolas foi forte, mas com uma pequena falha na saída. Liu Yang teve um desempenho perfeito. O ginasta da casa mostrou segurança na sua prova e garantiu o ouro com 15.933 pontos. Abliazin e Hao empataram com 15.700.

"O chinês é um bom atleta e dentro da casa é mais difícil de vencê-lo. Agora, preciso treinar para fazer o meu melhor nos próximos campeonatos", disse Zanetti à Sportv.

O brasileiro realçou que "os árbitros estão muito rigorosos e mesmo que cravasse a saída não teria conquistado o ouro".

Nos Jogos Olímpicos de Londres2012, Zanetti subiu ao lugar mais alto do pódio com 15.900 pontos. Um ano depois, na Antuérpia, conquistou a medalha de ouro do Campeonato Mundial com 15.800 pontos.

Em Nanning, o Brasil conquistou a sua primeira medalha do Mundial. Diego Hypolito ficou com o bronze no solo, prova em que é bicampeão, superado por Denis Abliazin, ouro, e pelo japonês Kenzo Shirai, prata.


MUNDIAL
Benilde melhora participação


A ginasta angolana Benilde Panguleipo considerou positiva a sua participação nos campeonatos Mundiais de ginástica rítmica em sénior feminino decorridos na Turquia e na China. A melhoria na pontuação foi a nota mais alta. Integrado na especialidade de ginástica de conjunto de massas e de misto, Benilde Panguleipo ocupou a 31ª posição.

Sem avançar a pontuação obtida, a jovem atleta limitou-se a dizer que “foi boa a participação no mundial, pois o país esteve melhor em relação ao ano passado".

Benilde Panguleipo revelou que "os júris gostaram da simpatia das atletas da Selecção Nacional". Outra revelação tem a ver com os níveis competitivos apresentados. "Consegui superar os erros cometidos anteriormente”, disse.

Em entrevista ao Jornal dos Desportos no final de mais uma sessão de treinos, Benilde Panguleipo prometeu trabalhar mais para elevar a sua qualidade.

“Vou fazer uma preparação mais rigorosa para melhorar os erros e continuar a oferecer o melhor na ginástica nacional; vou ser mais exigente comigo mesma”, assegurou.

A rigorosidade na preparação assenta no medo que sente dos aparelhos, mormente, o de massas, pois constitui um dos grandes constrangimentos nas competições.