Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Huilanos reclamam fim de crise

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 31 de Outubro, 2019

Jos Carlos Ndala, Horcio Sambamba e Dofilia Leonardo conquistaram a prata nos 1.500 metros e 800 metros.

Fotografia: Jornal dos Desportos

\"Embarcar os atletas como se fossem sacos de arroz num camião não é salutar para os homens que necessitam de inclusão social. Quem pratica o desporto adaptado deve ter o mesmo tratamento de atletas de outros desportos convencionais\". As palavras são de José Leôncio, treinador da equipa de atletismo adaptado da Huíla.
O especialista sustenta que é preciso trabalhar com a sociedade angolana, em particular com os governos provinciais, para que se preste atenção aos desportistas paralímpicos. Na qualidade de parceiros do Comité Paralímpico Angolano, os governos provinciais devem ajudar e apoiar os atletas para que atinjam as marcas pessoais relevantes nos campeonatos do mundo. A título de exemplo citou Silvestre Ngula.
\"Os atletas huilanos têm nomes inscritos nas provas internacionais. Silvestre Ngula conquistou medalhas nos meetings internacionais. Infelizmente, hoje está sem apoio e prestes a ir à reforma antecipada\", disse.
À semelhança de Ngula estão \"muitos outros que podem ser salvos\" por ostentarem idades inferiores à de reforma. São atletas que podem dar glória ao país conforme aconteceu recentemente com a selecção de futebol paralímpica, segundo Leôncio.
Os atletas paralímpicos huilanos vivem dificuldades. Estão desprovidos de sapatilhas e de motivação. No recente campeonato nacional de pista, disputado em Luanda, uma atleta habituada a conquistar duas a três medalhas de ouro teve de se contentar com o segundo lugar da competição. \"Precisamos de material desportivo e de motivação. Depois de uma viagem de 22 horas de estrada, não houve alimentação para os atletas e os que lograram conquistar medalhas não tiveram um recepção das entidades do governo provincial. Isso nos deixa tristes\", disse.
José Leôncio sustentou que a Huila se quedou em terceiro lugar da classificação geral \"graças ao empenho e o sacrifício de dois atletas\" para obter o ouro. Ao todo, foram conquistadas cinco medalhas de ouro, cinco de prata e três de bronze.
Silvestre Ngula conquistou duas medalhas de ouro nas provas 200 e 400 metros, Pedro Samuel obteve três de ouro nas provas de 800m, 1.500m e cinco mil metros. David José conquistou uma de bronze e uma de prata nas provas de 100m e 400 metros. Kito José Augusto levou uma medalha de prata e duas de bronze nos 1.500m, 800m e cinco mil metros. José Carlos Ndala, Horácio Sambamba e Dofilia Leonardo conquistaram a prata nos 1.500 metros e 800 metros.