Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

IAAF em nova polémica

17 de Agosto, 2015

Centenas de atletas confessaram sob o anonimato que usaram substâncias proibidas para melhorar o seu rendimento

Fotografia: AFP

A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) bloqueou a publicação de um estudo, que concluiu que um terço dos atletas de alta competição admitiram violar as regras antidoping, segundo a imprensa britânica e alemã.De acordo com o Sunday Times e a estação pública alemã ARD, centenas de atletas confessaram, sob anonimato, terem usado substâncias para melhorar o seu desempenhado, quando questionados por investigadores de uma universidade alemã, há quatro anos.

O estudo foi levado a cabo por investigadores da Universität Tübingen, na Alemanha, que conduziram entrevistas confidenciais com atletas nos mundiais de atletismo em Daegu, Coreia do Sul, segundo o jornal britânico.Os académicos concluíram que entre 29% e 34% de 1.800 atletas dos mundiais de atletismo tinham violado as regras anti-doping nos 12 meses anteriores.

“Estas conclusões demonstram que o doping está amplamente difundido entre os atletas de elite, e que continuam por verificar apesar dos actuais programas de teste”, segundo o relatório.O estudo foi financiado pela Agência Mundial Antidoping (AMA), que deu à IAAF poder de veto da publicação em troca de acesso aos atletas em Daegu, confirmou a AMA ao Times na sexta-feira, segundo a AFP. “A IAAF está a bloqueá-lo”, disse o autor principal do estudo, Rolf Ulrich, ao The Sunday Times.

Esta semana o inglês Sebastien Coe, um dos candidatos à presidência da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), defendeu a criação de uma comissão independente que reforce a luta contra o doping.A uma semana do congresso eleitoral da IAAF, a 19 de Agosto, no qual Coe concorrerá com o ucraniano Sergei Bubka ao cadeirão do organismo, o britânico defendeu que uma comissão independente seria um instrumento fundamental para a Agência Mundial Antidoping (AMA) e as federações associadas à IAAF.

Reportagens recentes do jornal inglês Sunday Times e do canal alemão ARD referiam que as amostras sanguíneas de 800 atletas de topo apresentavam "valores suspeitos ou altamente suspeitos", sugerindo um processo generalizado de dopagem de grande amplitude. Nomeadamente, foi denunciado que no meio-fundo (800 metros a maratona) um terço dos medalhados olímpicos e mundiais entre 2001 e 2012 estaria nesse grupo, sem que no entanto qualquer nome fosse avançado.A ARD e o Times basearam-se na análise de 12 mil exames sanguíneos naqueles 12 anos, envolvendo cinco mil atletas, que fazem parte de uma base de dados da IAAF.

DOPING
Elvan Abeylegesse numa lista de suspeitos


A turca, de origem etíope, Elvan Abeylegesse, vice-campeã olímpica de 2008 nos 5.000 e 10.000 metros, figura numa lista de 28 atletas suspeitos de doping após a reanálise de amostras recolhidas nos Mundiais de 2005 e 2007.De acordo com fonte da Federação Turca de Atletismo, citada pela imprensa alemã, as amostras recolhidas à atleta revelaram vestígios de stanozolol, um esteróide.A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) anunciou na passada terça-feira que as reanálises efectuadas a amostras recolhidas a atletas que participaram nos Mundiais de Henlsínquia e Osaka, em 2005 e 2007, revelaram 32 controlos positivos em 28 atletas – que não foram nomeados.

A investigação recorre ao depoimento dos especialistas australianos Michael Ashenden e Robin Parisotto, que criaram o método de deteção da EPO.Parisotto diz mesmo que a situação no atletismo poderá ser equivalente à que se viveu no ciclismo, há 10 ou 15 anos. A IAAF negou entretanto que a base de dados de 12 mil análises interpretadas pela ARD e o Times tenha carácter "secreto" e diz que ela própria já fez uma "análise detalhada", publicada em 2011 numa revista científica.

A IAAF recorda que esse estudo revelou o mesmo nível de "suspeitas de doping" e que também se notava que a Rússia e o Quénia eram os países com mais casos de amostras "suspeitas"."Não há um sistema perfeito de apanhar os batoteiros, mas a IAAF está na linha da frente em matéria de controlos anti-doping há vários anos. E no quadro do passaporte biológico, um programa pioneiro, mais atletas foram suspensos pela IAAF do que por todas as outras federações e agências anti-dopagem juntas", referiu a organização em comunicado.

A IAAF avança com números globais: mais de 19 mil testes sanguíneos desde 2001, dos quais 11 mil desde 2009 e a introdução do passaporte biológico.No total, 141 atletas tiveram positivos por EPO, desde o primeiro caso, em 2001, e 39 foram sancionados desde 2011, com 24 processos ainda em análise.

TESTES
Campeão olímpico divulga resultados

O campeão olímpico de lançamento do disco Robert Harting tornou ontem público o resultado dos testes anti-doping a que foi submetido, para afastar dúvidas sobre as suas prestações.“Quando é clara a forma como trabalhamos (…) está fora de questão que alguma coisa seja detetada”, disse Harting em declarações ao canal de televisão alemão ARD.Duas outras atletas alemãs – Robin Schembera, 800 metros, e Andre Hoehne, marcha – já tomaram a iniciativa de divulgar os resultados dos seus testes.

No início do mês, o diário inglês Sunday Times e o canal alemão ARD noticiaram que 12 mil testes de sangue feitos entre 2001 e 2012 a cinco mil atletas que fazem parte de uma base de dados da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) revelaram "valores suspeitos ou altamente suspeitos", sugerindo um processo generalizado de dopagem de grande amplitude.Nomeadamente, é referido que no meio-fundo (800 metros a maratona) um terço dos medalhados olímpicos e mundiais entre 2001 e 2012 estaria nesse grupo, sem que no entanto qualquer nome seja avançado.

MUNDIAIS DE ATLETISMO
Kemar Baily-Cole desfalca a Jamaica


Kemar Baily-Cole, o terceiro melhor velocista nas selecções da Jamaica para os Mundiais de atletismo,   falha  a competição, agendada para Pequim, entre 22 e 30 de Agosto, devido a problemas musculares.Considerado uma das grandes esperanças do atletismo jamaicano, Baily-Cole integrou a estafeta jamaicana que se sagrou campeã olímpica, em Londres2012, e mundial, em Moscovo2013, dos 4x100 metros.Na sua conta oficial no Facebook, o velocista explicou que contraiu a lesão no "meeting" de Londres, que decorreu entre 24 e 25 de Julho, durante um treino, pelo que, segundo o atleta, “a época terminou”.Para a prova dos 100 metros em Pequim, Baily-Cole deve  ser substituído por Nesta Carter, seleccionado inicialmente apenas para a estafeta dos 4x100.