Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

IAAF promete continuar o combate contra o doping

29 de Novembro, 2015

Britânica Paula Radcliffe foi ilibada de qualquer prática de doping

Fotografia: APF

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) negou na sexta-feira que tenha sido tolerante na luta contra o doping, tendo lembrado que até foi "pioneira", e anunciou que vai usar todas as ferramentas para  tentar erradicar o problema.

Em comunicado, o organismo recordou que foi "a primeira organização desportiva a adoptar o passaporte biológico, desde que entrou em vigor (2009)," e reforçou que pretende continuar a defender os atletas "limpos".

"A IAAF não pode ficar indiferente quando a sua vontade em proteger a integridade da modalidade é posta em causa, seja por incompetência ou inércia, junto da opinião pública", lê-se no comunicado.

Em causa, está a investigação a casos de doping efectuada pelo canal alemão ARD assim como  o jornal britânico The Sunday Times, que em Setembro publicaram a informação de que entre mais de 5.000 atletas que realizaram exames entre 2001 e 2012, 800 apresentavam valores suspeitos.

"Muitas dessas acusações não têm qualquer base científica e legal", explicou a IAAF.

Esta tomada de posição do organismo acontece dias antes do presidente Sebastian Coe ser ouvido numa comissão parlamentar britânica, criada depois de terem sido publicadas as investigações do ARD e do The Sunday Times. Para já, a IAAF ilibou Paula Radcliffe, recordista mundial da maratona e um dos alvo dessa investigação, de qualquer prática de doping e explicou que as acusações aconteceram devido a uma anomalia no passaporte biológico da britânica.

"Paula Radcliffe foi publicamente acusada de doping sanguíneo com base numa interpretação errada de dados brutos e incompletos. Quando todas as informações necessárias são levadas em conta [protocolos da Agência Mundial Antidoping e passaporte biológico], existem explicações plausíveis para esses valores e por isso, resulta no perfil inocente", explicou o organismo.

Paula Radcliffe foi três vezes vencedora da Maratona de Londres (2002, 2003 e 2005) .