Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Iannone põe Ducati na pole

31 de Maio, 2015

O catalão precisou de analgésicos para superar a dor de uma cirurgia recente na mão direita, mas tem a sua melhor grelha no ano.

Fotografia: AFP

Andrea Iannone fez ontem história em Mugello. Além de conquistar a primeira pole position na MotoGP, o italiano colocou a Ducati de volta à pole no Grande Prémio de Itália pela primeira vez desde 2007. Jorge Lorenzo ficou como recheio na sanduíche da Ducati, com Andrea Dovizioso em terceiro.
Andrea Iannone entrou para a história da Ducati. Mesmo com o ombro esquerdo lesionado devido a uma queda num treino privado no próprio circuito de Mugello, o italiano conseguiu encerrar um longo jejum e colocar a marca de Borgo Panigale de volta a pole do GP de Itália.

Com uma volta em 1min46s489, o que representa um recorde para a pista da Toscana, Iannone deixou Jorge Lorenzo para trás e conquistou a pole com 0s095 de vantagem. Esta é a terceira vez que a Ducati sai na liderança em Mugello e a primeira desde que Casey Stoner saiu na posição de honra em 2007.

Depois de dominar os dois primeiros treinos e perder terreno para Lorenzo nas últimas duas sessões livres, Andrea Dovizioso acabou 0s121 atrás do companheiro de Ducati, mas sai na primeira fila pela quarta vez no ano. A defender a honra da Honda, Cal Crutchlow foi o melhor colocado entre os pilotos que contam com a RC213V. O britânico cravou 1min46s657 e vai abrir a segunda fila, à frente de um brilhante Aleix Espargaró. O catalão precisou de analgésicos para superar a dor de uma cirurgia recente na mão direita, mas tem a sua melhor grelha no ano.

Wild-card em Mugello, Michele Pirro sai em sexto, à frente de Dani Pedrosa. Valentino Rossi segue a regra de classificações ruins e vai largar em oitavo. O multicampeão foi 0s434 mais lento que Andrea. Maverick Viñales colocou a GSX-RR em nono posto, com Pol Espargaró, Bradley Smith e Yonny Hernández a fechar o top-12. Marc Márquez viveu um dia para esquecer. Pela segunda vez na carreira, o espanhol não se classificou directo para o Q2 e a sua passagem pela fase inicial da classificação não saiu de acordo com o planeado.

Primeiro foi o piloto quem errou, com uma ligeira escorregadela com a traseira da RC213V que o impediu de tirar Aleix Espargaró da liderança da sessão. Mais tarde, com mais de dois minutos para o fim, a Honda chamou o piloto para os boxes e o manteve lá dentro. Naquele ponto, tinha 0s7 de vantagem para o terceiro classificado no Q1. O que parecia um passe fácil para a sessão seguinte acabou por  transformar-se num pesadelo com a última volta de Hernández. Com um óptimo ritmo, o colombiano bateu Aleix e Márquez, que acabou zangado e em 13º, na sua pior grelha.

TREINOS LIVRES
Andrea Dovizioso acelera forte

Os níveis competitivos da época 2015 do campeonato mundial de MotoGP estão em alta comparativamente aos anteriores. O equilíbrio nas pistas e as emoções nas boxes tornam o campeonato um dos mais bem disputados. Para o Grande Prémio de Itália, que se realiza hoje, os treinos livres realizados ontem no autódromo de Mugello deixaram a receita da competitividade para a prova de hoje: Andrea Dovizioso, da equipa Ducati Team, foi o mais veloz com o tempo de 1min47s893 na primeira sessão do dia.

Atrás de Andrea Dovizioso ficou o piloto da Movistar Yamaha, o espanhol Jorge Lorenzo. O piloto da equipa de fábrica da marca japonesa não teve um dos melhores inícios de época, mas terminou com vitória nas últimas corridas, em Espanha e em França e está na luta pelo título de 2015 e o tricampeonato do MotoGP.

Atrás de Jorge Lorenzo surge outro piloto de casa, o italiano Andrea Iannone, da Ducati Team, que acelerou a sua GP15 para o terceiro melhor tempo.
O espanhol bicampeão do MotoGP, a formiga atómica Marc Marquez da equipa Repsol Honda Team fez apenas o quarto melhor tempo, seguido do surpreendente colombiano Yonny Hernandez, da Octo Pramac Racing.

Os britânicos Bradley Smith, da Tech3 Yamanha, e Cal Crutchlow garantiram o quinto e o sexto lugares.  O espanhol Aleix Espargaró, da Suzuki, foi o sétimo e o britânico Scott Redding, da Honda Marc VDS, terminou o dia em oitavo. O italiano Valetino Rossi, da Yamaha, líder do campeonato ficou apenas na nona posição nos treinos livres em Mugello, enquanto o espanhol Pol Espargaró, da Yamaha Tech3, fechou a lista dos dez primeiros colocados.

DUCATI ATINGE
OS 350 KM/H

As motos de MotoGP não param de bater recordes de velocidade. Ontem, foi a vez de Héctor Barberá bater o recorde de velocidade em Mugello, palco do Grande Prémio de Itália. O espanhol alcançou os 350,1 km/h com a Ducati da categoria Open. O registo supera os 349,6 km/h de Andrea Iannone na época passada e os 349,7 km/h de Pedrosa em 2007. Héctor Barberá não ficou surpreendido com a velocidade atingida pela Ducati, mas ressalva que “o que importa não é a velocidade, mas antes os resultados”. “Podemos dizer que começamos bem, mas temos espaço para melhorar”, acrescentou.