Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Igor Silva à beira do título

João Francisco - 12 de Outubro, 2015

Ciclista só depende de si para vencer

Fotografia: José Soares

Igor Silva e Sport Luanda e Benfica dependem de si mesmo para vencerem a primeira edição da Volta a Angola em bicicleta, a competição desportiva mais importante alusiva aos 40 anos da independência nacional, a assinalar-se a 11 de Novembro próximo. O campeão nacional e chefe de equipa tem uma vantagem de 40 segundos sobre o segundo classificado Dário António e a equipa encarnada de Luanda é detentora do título de contra-relógio por-equipas, disputada entre as cidades de Benguela e de Lobito.

À entrada da segunda metade da primeira edição da Volta a Angola, Igor Silva venceu duas das quatro etapas individuais. O campeão nacional liderou as duas primeiras, mormente, Bié-Huambo e Huambo-Ganda. Cruz Tuto venceu a quinta etapa entre Dondo e Ndalatando. Dário António, campeão nacional de Sub-23, venceu a terceira etapa entre a cidade do Sumbe e Gabela. O Benfica de Luanda conquistou a única prova colectiva, a de contra-relógio por equipas.

Amanhã, o camisola amarela vai liderar a equipa do Benfica de Luanda na sexta etapa, uma tirada de 170 quilómetros entre as cidades de Ndalatando e Malanje. A prova de fundo conta para a classificação geral.Para a conquista do troféu, o técnico do Benfica de Luanda, Carlos Araújo, já definiu a estratégia, que passa pelo controlo da concorrência ao longo da prova. A equipa encarnada pode dar-se ao luxo de escolher quem deve vencer as outras etapas, à semelhança de Dário António, na quarta etapa.

Para atingir o desiderato, o especialista nacional de estrada e de contra-relógio, Igor Silva, vai conservar a camisola amarela e o Benfica de Luanda a supremacia.Para contrariar o favoritismo dos encarnados de Luanda, a selecção da República Democrática do Congo é a que se destaca entre as estrangeiras. Os representantes de São Tomé e Príncipe, Moçambique e Cabo Verde, entre os africanos, bem como a equipa Defense das Forças Armadas Francesas e a Delveltia de Portugal, ambas da Europa, estão longe de se aproximar da liderança.

PRIMEIRA EDIÇÃO
Angola pode albergar Campeonato Africano


Angola pode albergar nos próximos anos o primeiro Campeonato Africano de ciclismo, no quadro de expansão da modalidade no continente. A vontade do presidente da Confederação Africana de Ciclismo, Waghi Azzam, ficou expressa no final da sua visita ao país, enquadrada no lançamento da primeira edição da Volta a Angola, que decorre até o próximo dia 18.

Para a efectivação do desejo, Waghi Azzam sustentou que vai endereçar convites a todos os membros da Confederação Africana de Ciclismo (CAC) para a realização de um forum no Cairo, Egipto, durante o qual vai propor Angola como país preferencial para a realização da primeira edição do Campeonato Africano de Ciclismo.Após a eventual aprovação da proposta pelos membros filiados à CAC, o egípcio prometeu encabeçar uma delegação da instituição desportiva africana nas negociações com o Executivo angolano.

Antes do final do ano corrente, Waghi Azzam vai trazer a Angola a organização de um seminário internacional de comissários (juízes) de ciclismo para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e, em 2016, a realização de um curso de treinadores para a mesma comunidade linguística. As duas questões já foram apresentadas às autoridades desportivas angolanas, aquando da audiência concedida pelo Ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba.

Waghi Azzam realçou que Angola pode desempenhar "um papel muito importante" no desenvolvimento do ciclismo nos países de expressão portuguesa, particularmente, nos PALOP.“Angola tem as condições infra-estruturais para liderar as competições, particularmente, no seio dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, onde se destacam o São Tomé e Príncipe, Moçambique, Cabo-Verde e a Guiné-Bissau. O último país deve ser admitida nos próximos tempos como membro da Confederação Africana de Ciclismo”, disse.

No rescaldo da sua visita de 72 horas ao país, Waghi Azzam revelou que encontrou uma grande vontade dos governantes angolanos de desenvolverem o desporto, em particular, o ciclismo. Instou à Federação Angolana de Ciclismo a implementar outras especialidades, como a BMX, um desporto olímpico que deve ser praticado desde os cinco anos de idade.

"A construção de um Velódromo vai assegurar as condições de desenvolvimento das especialidades como a BMX e ciclismo feminino, muito importantes para a imagem do nosso desporto", disse.De 66 anos de idade, Waghi Azzam foi eleito presidente da Confederação Africana de Ciclismo em 2005, durante o Congresso da União Internacional de Ciclismo (UCI) em Veresse, Itália, com apadrinhamento de Angola.