Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Inglês Lewis Hamilton vence em Silverstone

06 de Julho, 2015

Lewis Hamilton realizou ontem a sua melhor corrida de sempre depois da que o consagrou pela primeira vez campeão mundial no circuito brasileiro em São Paulo

Fotografia: AFP

Está confirmado. Lewis Hamilton é o "Rei" da pista molhada. O piloto inglês teve de acelerar a fundo para superar a Williams de Felipe Massa e Valtteri Botas, que fizeram bom arranque. Com a chegada da chuva, o líder do campeonato confirmou a vitória numa estratégia bem delineada pela equipa alemã.

Na melhor corrida da época'2015, a Mercedes conseguiu uma dobradinha com muito esforço: resistir à chuva para levar Lewis Hamilton ao alto do pódio.

Ontem, o circuito de Silverstone propiciou aos fãs da F1 a melhor corrida da época'2015. Com pista seca e as duas Williams na liderança na primeira metade da prova, a corrida ganhou contornos mais dramáticos com a chuva que começou a cair na 36ª volta. Mas nada disso foi suficiente para impedir Lewis Hamilton e a Mercedes de vencerem o GP da Inglaterra de 2015.

Nico Rosberg completou a dobradinha e Sebastian Vettel salvou a Ferrari de um domingo discretíssimo ao chegar em terceiro. Felipe Massa terminou em quarto.

HISTÓRICO DA CORRIDA

Felipe Massa e Valtteri Bottas fizeram uma excelente partida e assumiram a liderança nas voltas iniciais. Mas, na hora do primeiro pit-stop, a Mercedes trabalhou muito melhor com Lewis Hamilton e o inglês passou para a liderança.

Uma vez à frente, Hamilton quebrou o recorde de corridas consecutivas na liderança: 18 provas. A marca anterior pertencia a Jackie Stewart. Também contaminou a claque inglesa, que explodiu de euforia. A corrida estava nas suas mãos, e em três voltas, já tinha quatro segundos de vantagem em relação ao carro número 19.

Nessa altura a Williams passou outro recado: agora é até ao fim, lutem à vontade. A luta era para colocar Massa e Bottas juntos no pódio e a Mercedes dizia a Rosberg que o plano B passaria a valer.

Na 20ª volta, Massa e Rosberg vão às boxes. O trabalho da Williams não foi tão bom: 3s8. Os dois carros ficaram lado a lado e, por centímetros, o brasileiro levou a melhor. Na volta seguinte, Bottas fez a sua paragem e voltou entre Massa e Rosberg.

Mais tarde, Bottas e Rosberg escaparam juntos da pista. O finlandês pediu uma paragem, mas ouviu: "O resto da pista está seco, os pneus vão acabar".

Com a chuva a intensificar-se, Hamilton entra nas boxes e coloca pneus intermediários. Todos o seguem. No regresso, Lewis sai em primeiro e caminha para a vitória. Nesse momento, Massa respira de alívio e abriu 4s para Valetteri Botas e Nico Rosberg. Sol de pouca dura.

O brasileiro e o finlandês ainda resistiram ao alemão por mais 15 voltas até à chegada da chuva. O 'hidrofóbico' FW37 perdeu rendimento e a posição para o alemão. Na 39ª volta, Rosberg passou Botas e em meia volta alcançou Felipe Massa e ultrapassou-o. O ritmo do alemão era espectacular.

"É frustrante. Errámos. A equipa devia ter visto que o Lewis Hamilton parou e fazer o mesmo", resignou-se Massa logo após a prova à TV Globo.
Foi a quinta vitória de Lewis Hamilton em 2015 e a terceira no Grande Prémio da Inglaterra. O inglês volta a ter 17 pontos de vantagem no campeonato.

Para Sebastian Vettel, a posição de pista complicou a ambos e deu ao tetracampeão a oportunidade de colocar pneus intermediários antes. Assim se salvou a Ferrari de um domingo discretíssimo no qual, no máximo, a equipa ficaria com a quinta e a sexta posições.
Fernando Alonso chegou em décimo com a McLaren Honda e marcou o seu primeiro ponto na época.


EMOCIONADO
Lewis Hamilton chora no carro


Lewis Hamilton comemorou muito perto da claque britânica. A quinta vitória em 2015 foi, de longe, a mais difícil, graças às inúmeras variantes proporcionadas pelo emocionante Grande Prémio da Inglaterra: a perda das duas posições e a chuva.

A vitória estava em risco, mas a decisão da Mercedes, desta vez correcta, serviu para garantir ao bicampeão a sua terceira conquista em casa e a 38ª vitória na carreira. Na última volta, Lewis não escondeu a emoção e chorou, ainda dentro do carro.

Com o resultado de ontem, Lewis Hamilton soma agora 194 pontos, contra 177 de Nico Rosberg. Mais líder do que nunca, Lewis mostrou-se emocionado por vencer mais uma vez em Silverstone.

"Primeiro, obrigado a todos por virem e fazerem o meu fim de semana. Queria ganhar esta prova para vocês", vibrou o piloto na entrevista concedida depois da cerimónia de premiação, ainda no pódio.

"A minha mãe está ali em baixo. Estou muito feliz, não dá para imaginar como estou feliz. Comecei a segurar-me na última volta para garantir que ia chegar. Que comece a festa", disse. "Estou muito grato pelo apoio e não conseguiria fazer isso sem este apoio. Vejo-os pelo canto do olho em toda a volta", destacou o líder da época.

Lewis disse que não teve problemas com a embraiagem na partida, mas sim pouca aderência, o que fez perder as posições para Massa e Bottas. Mas, no fim de contas, o britânico entende que a sua luta pela vitória tornou a prova mais emocionante.

"Para ser honesto, a minha embraiagem estava boa, tínhamos pouca aderência na partida, isso sim. Fez a corrida ser mais empolgante, atacámos o tempo todo, foi empolgante para os fãs", disse.

MERCEDES
Fábrica ajuda na estratégia


A fábrica da Mercedes fica em Brackley, a poucos quilómetros do circuito de Silverstone, e o conhecimento da área foi fundamental para que a equipa acertasse em cheio na estratégia com Lewis Hamilton no fim da prova.

O conhecimento da região de Silverstone colaborou para o desfecho do GP da Inglaterra, com uma chamada estratégica perfeita a Lewis Hamilton para "calçar" os pneus de chuva e manter a liderança da corrida. Foi o que disse o director desportivo da equipa alemã, Toto Wolff.

A fábrica da Mercedes fica localizada em Brackley, um vilarejo a poucos quilómetros do circuito britânico. O dirigente disse que, por causa disso, os estrategas sabiam bem quando ia chover.

“Temos a nossa fábrica aqui ao lado, então, sabíamos quando a chuva ia chegar. Os pneus começaram a perder aderência e fomos perfeitos na hora de optar pela mudança”, disse Wolff à TV inglesa Sky Sports.

Isso foi no final da volta 43. Sete voltas antes, quando a chuva começou a cair, ainda não era bastante forte para levar as Flechas de Prata às boxes. A conversa com os pilotos foi fundamental.

"A chuva chegou quando não esperávamos. Conversámos constantemente com os pilotos. E foi o que discutimos no briefing. A chuva é imprevisível e precisamos de ter a opinião do piloto", disse.

A respeito do primeiro pit-stop, Wolff afirmou que antecipar a paragem de Hamilton não era tão óbvio quanto possa ter parecido. O inglês, daquela maneira, superou as Williams para assumir a liderança.

"Foi a decisão correcta, mas não óbvia. Tivemos de dividir as estratégias. Custou tempo a Nico, mas foi melhor para a equipa", comentou.
"Bottas parecia ter mais ritmo e talvez pudesse abrir vantagem, mas a Williams está onde estávamos há dois anos; foi surpresa estar na liderança.