Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Interclube inaugura hoje fosso olímpico

24 de Junho, 2016

A organização garante quantidades suficientes de pratos e cartuchos para os treinos livres e competição

Fotografia: José Soares

As equipas nacionais e atiradores individuais reúnem-se hoje, a partir das 12h00, no Projecto Takakuna, no município de Belas, com vista a disputa do Grande Prémio Interclube, a decorrer até domingo, no âmbito dos festejos alusivos ao 37º aniversário da Ministério do Interior, a ser assinalado no dia 28 do corrente.

Pontuável para a quarta jornada do Campeonato Nacional de Fosso Olímpico, o certame serve para a inauguração do novo campo de tiro do clube adstrito à Polícia Nacional. Apetrechado com duas unidades de equipamento topo de gama e áreas de serviço com os padrões internacionais, a mais nova unidade junta-se a outros já existentes no país.

Após a sessão de inauguração a ser presidida por Ângelo de Barros Veiga Tavares, Ministério do Interior, os atiradores efectuam a primeira sessão de treinos livres. Os especialistas do Interclube sob supervisão dos técnicos da Federação Angolana de Tiro aos Pratos procederam a revisão e afinação das máquinas.

Ansiosos para a marcar a história do campo, os atiradores Paulo Silva, Jorge Perestelo, Paulo Alves, Artur Anastácio, Albano Freitas (todos do 1º de Agosto), Ricardo Lopes, Ruca Mendonça, Mário Dias, Álvaro Cardoso, Cali Mendonça, Mário Ribeiro (todos do Interclube), Pigui Chaves,  Orlando Teixeira, Demóstenes  Solunga, Simão David (todos da Força Aérea), entre outros, esmeraram-se na preparação.

Para marcar de forma indelével a inauguração, as direcções do Clube de Tiro Caça e Pescas do Lubango, Clube Desportivo de Caçadores da Cela, Força Aérea Nacional, Clube 1º de Agosto, Clube de Tiro Caça e Pescas de Benguela, Clube Desportivo de Tiro da Gabela e Clube de Caçadores da Cela apostam na conquista do troféu.O chefe de departamento de tiro aos pratos do Interclube, Ruca Mendonça, garantiu a existência de pratos e cartuchos em quantidades suficientes para que os atiradores cumpram com o número de disparos regulamentados.

O dirigente apela às equipas e aos atiradores individuais residentes fora de Luanda a chegarem em tempo útil ao local de concentração, nas Bombas de Combustível da Pumangol, localizadas à entrada do Cemitério do Benfica. A organização da prova quer evitar a perca de tempo na procura do endereço.

"O clube sempre primou pela organização de provas excelentes para saudar a efeméride. Este ano, pretendemos fazer algo ainda melhor. Trata-se de uma data que vai marcar a história do clube com a inauguração das instalações. Isso representa um passo qualitativo em prol da modalidade no clube, em particular. Desta forma, criamos as condições para que todos sejam bem acolhidos", garantiu Ruca Mendonça.


PREPARAÇÃO
Paulo Silva viaja para Portugal


O atirador do 1º de Agosto, Paulo Silva, está de malas aviadas para viajar a Portugal, onde vai cumprir um micro-estágio de dez dias, visando a participação do torneio de tiro aos pratos dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro'2016, previsto de 5 a 21 de Agosto próximo. A viagem do melhor atleta da actualidade no país acontece na próxima semana.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Paulo Silva assegurou que pretende estagiar com "atiradores do Norte" nos campos que têm a mesma marca de máquinas que vai encontrar no Brasil. Por outro lado, revelou, que quer treinar com Manuel Marinho, um conceituado atirador português e mundial do fosso olímpico para elevar os níveis de precisão de tiro sobre alvos em movimento.

A preparação de Paulo Silva pode estender-se a Galiza, um território espanhol, em companhia de Manuel Marinho. O acerto vai ser feito com a sua presença nas terras de Luís Camões.Antes, Paulo Silva participa neste fim de semana do Grande Prémio Interclube a realizar-se no mais novo campo de tiro do país, em Luanda. O atleta do 1º de Agosto deixa hoje a cidade de Lubango e junta-se a partir de amanhã na festa do 37º aniversário do Ministério do Interior.

O curto período de estágio deve-se a questões financeiras. Paulo Silva justificou que "infelizmente não há verbas financeiras para alongar a preparação; a situação económica e financeira actual do país está difícil".

Para justificar o wild card (convite) do Comité Olímpico Internacional, Paulo Silva ambiciona fazer uma prova que merecesse a presença no Rio de Janeiro. Vai competir contra os dez melhores atiradores do mundo.

O atirador do 1º de Agosto está ciente das dificuldades a enfrentar por não ter participado de mais provas internacionais. Para si, o wild card chegou tarde e não permitiu elaborar outro programa de preparação. Até o momento, os treinos decorrem na cidade de Lubango com alguma regularidade."Vou a Portugal dar continuidade à preparação", disse.

WILD CARD
Sobre o wild card, Paulo Silva depreciou alguma corrente levantada no país que se manifestou contrário. O atirador lamentou a forma como foi descredibilizado.

“Há uma corrente que me desvalorizou pelo facto de ter conseguido o wild card e não uma classificação direita para estar nos Jogos Olímpicos. Queria lembrar que o wild card foi atribuído ao atirador Paulo Silva com base no ciclo olímpico que fez muito bem. Em três ocasiões, participou de provas de qualificação e obteve os mínimos olímpicos. Um deles foi de 117 pratos partidos. No último ciclo olímpico, fui campeão da África Austral e ganhei o Grande Prémio de África. Portanto, tudo isso levou-se em consideração e o wild card não surgiu por acaso”, esclareceu.

Em vésperas de mais uma missão, Paulo Silva manifestou-se triste por falta de carinho das entidades competentes do Estado quer na província quer no país.

“Infelizmente, em véspera da minha viagem, ainda não houve nem incentivos ou um desejar de boa sorte dos oficiais das estruturas desportivas. Isso me entristece e me desmotiva bastante”, desabafou.Apesar das situações nada abonatórias, o atleta olímpico nacional disse que está motivado por ser o único angolano e atirador huilano a estar presente nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em representação do país.
 GAUDÊNCIO HAMELAY | NO LUBANGO



MINISTRO
Veiga Tavares descerra a placa


 O Ministro do Interior, Ângelo de Barros Veiga Tavares, procede hoje, às 12h30, à inauguração do novo campo de tiro do Interclube, localizado no Complexo Desportivo Tekakuna, palco da quarta jornada do Campeonato Nacional de Fosso Olímpico.

O pontapé de saída acontece hoje e o final está marcado para domingo, no âmbito dos festejos alusivos ao 37º aniversário da instituição que dirige.

A infra-estrutura faz parte de um vasto projecto, enquadrado na estratégia de massificação e desenvolvimento desportivo gizada pela direcção de Alves Simões. A inauguração do Fosso Olímpico é a primeira celebração do programa que embarca outras modalidades praticadas no clube da Polícia Nacional.

As instalações oferecem melhor dignidade aos desportistas do Interclube. Composto por dois fossos olímpicos, áreas de restauração, balneários, piscina, anfiteatros e outras facilidades, o projecto esta situado no município de Belas, na localidade do Tanque Serra, ao logo da via expressa. A inauguração conta com a presença das altas patentes do Ministério do Interior que, após o descerramento da placa, vão assistir à apresentação do projecto no anfiteatro.

A actividade contempla ainda uma cerimónia de plantio de árvores, às 13h10, que vão proporcionar um ambiente mais sadio aos atletas e quadros do clube. Uma visita guiada consta do programa da cerimónia. O tiro inaugural está marcado para as 14h00, seguido da intervenção do Ministro Alexandre de Veiga Tavares. Às 14h10 começam os treinos livres que vai dar lugar ao almoço de confraternização às 14h20.  
HELDER JEREMIAS