Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Irmãs Campbell reinam nos cem metros livres

09 de Agosto, 2015

Família Campbell mantém o título mundial dos 100 metros livres na natação

Fotografia: AFP

A prova rainha da natação feminina, os 100 metros livres, continua com o título mundial na posse da família Campbell, com Bronte a suceder à irmã mais velha Cate, na final disputada em Kazan, Rússia.

As duas irmãs australianas, já medalhadas na estafeta 4x100 metros livres, eram naturais candidatas ao pódio e confirmaram em pleno o estatuto, com Bronte, de 21 anos, a ganhar (52,52 segundos) e Cate, a campeã de Barcelona'2013, a ser terceira. Entre elas ficou a sueca Sarah Sjostrom, a repetir a medalha de prata de há dois anos, ela que em Kazan venceu nos 100 metros mariposa.

Na outra final feminina de sexta-feira, o hino que se ouviu foi o do Japão, graças a Kanako Watanabe, triunfadora dos 200 metros bruços em 2.21,15 minutos. A vice -campeã nos 200 metros estilos, a nipónica conseguiu o melhor triunfo da sua carreira.
A norte-americana Micah Lawrence assegurou a medalha de prata e para o bronze deu-se o insólito da atribuição de três medalhas, com a espanhola Jessica Vall, a dinamarquesa Rikke Pederson e a chinesa Shi Jinglin igualadas em tempo.

Na estafeta masculina de 4x200 metros livres, os britânicos fintaram o favoritismo dos norte-americanos e ganharam em 7.04,33 minutos. Daniel John Wallace, Robert Peter Renwick, Calum George Jarvis e James Guy formaram o quarteto vencedor.

Apenas 42 centésimos depois terminou a equipa dos Estados Unidos, com a sua super-estrela Ryan Lochte a fazer o primeiro percurso, enquanto a Austrália suplantou a restante concorrência para o bronze.

Também realizou-se a final dos 200 metros bruços, mas no sector masculino, que se saldou pelo triunfo do alemão Marco Koch, em 2.07,56 minutos, à frente do norte-americano Kevin Cordes e do húngaro Daniel Gyurta.

Finalmente, nos 200 metros costas, em que Ryan Lochte não defendeu o título mundial, triunfou o australiano Mitch Larken, com 1.52,58, novo recorde da Oceânia. Seguiram-se, por ordem de chegada e nos lugares do pódio, o polaco Radoslaw Kawecki e o russo Evgeny Rylov.

Quando ainda faltava distribuir medalhas na final do polo aquático feminino (Estados Unidos contra Holanda), o quadro de medalhas continua dominado pela três grandes potências, ou seja a China (14/10/9), os Estados Unidos (9/9/5) e a Rússia (9/4/3).