Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Isinbayeva contra sano

22 de Julho, 2016

A bicampe olmpica Yelena Isinbayeva, a mais conceituada atleta russa da actualidade

Fotografia: AFP

A bicampeã olímpica russa recorreu à ironia para comentar a exclusão do atletismo russo dos Jogos Olímpicos. A bicampeã olímpica Yelena Isinbayeva, a mais conceituada atleta russa da actualidade, reforçou as suas críticas à exclusão do atletismo russo do Rio'2016 e recorreu à ironia na sua conta na rede ‘Instagram’.

“Que todos esses desportistas estrangeiros pseudo-limpos respirem de alívio e ganhem as suas pseudo-medalhas de ouro face à nossa ausência”, reagiu Isinbayeva, campeã olímpica do salto com vara nos Jogos de Atenas'20004 e Beijing'2008.

A atleta, várias vezes campeã mundial e também medalha de bronze no Rio'2016, estava optimista em relação a uma posição do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), mas ontem a decisão foi contrária com o órgão a confirmar a sanção do atletismo russo.

“Esfumaram-se as esperanças”, escreveu ainda a atleta, que aos 34 anos esperava conseguir no Rio de Janeiro uma nova medalha olímpica e posteriormente finalizar a carreira.

A atleta disse ainda que aos outros “a força sempre assustou”, em alusão à capacidade do atletismo russo e, pouco antes, já tinha dito que a decisão do TAS é um funeral do atletismo.

O Tribunal Arbitral do Desporto rejeitou o recurso dos atletas russos à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) e confirmou a ausência dos Jogos Olímpicos do Rio'2016.

“O painel do TAS confirmou a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras (...), segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF”, lê-se num comunicado.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Anti-dopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.