Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Isinbayeva confirma regresso

24 de Maio, 2014

A atleta russa Yelena Isinbayeva vai dar à luz o seu primeiro filho em meados de Junho e depois volta a competir

Fotografia: DR

A atleta russa Yelena Isinbayeva vai dar à luz o seu primeiro filho em meados de Junho e depois volta a competir, afirmou na passada quarta-feira Yevgueni Trofimov, treinador da bicampeã olímpica.

"Dentro de aproximadamente um mês, Yelena vai ser mãe pela primeira vez. Agora prepara-se para esse grande momento. Ela está bem. Está muito feliz", disse Trofimov à Agência "Ves Sport".

Isinbayeva pendurou a vara após  tornar-se  campeã do mundo em Agosto de 2013, em Moscovo, para ser mãe, mas agora tomou a decisão de regressar às pistas quando se recuperar do parto.

"Yelena tomou a firme decisão de retornar ao desporto e  participar dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, depois do nascimento da criança.

Há apoio totalmente", destacou Trofimov, com quem Isinbayeva fez as pazes em 2011, após cinco anos na Itália e acrescentou que a "data exacta para o retorno ao desporto" pode ser decidida "uma vez que retome os treinos".

"Em Volgogrado temos condições muito boas para o treino em qualquer momento do ano. Dispomos de um pavilhão coberto e de toda a infra-estrutura necessária", assinalou.

Trofímov sempre disse que Isinbayeva a quem comparou com um violino stradivarius, está capacitada para superar a marca de 5,15 ou 5,20 metros.

A atleta russa conquistou dois ouros olímpicos (Atenas 2004 e Pequim 2008) e um bronze (Londres 2012), e alcançou sete títulos mundiais (quatro deles em pista coberta) e dois europeus.

No entanto, o que lhe garantiu a admiração do mundo foram os seus 28 recordes mundiais e os seus saltos acima da inalcançável barreira dos cinco metros.

Em particular, três saltos elevaram Isinbayeva ao mais alto nível do atletismo: os cinco metros que superou pela primeira vez 22 de Julho em Londres; 5,05 que lhe deram o ouro em Pequim e os 5,06 que alcançou em Zurique em Agosto de 2009, actual recorde mundial.