Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Jogos de sochi

03 de Fevereiro, 2014

Thomas Bach, disse ontem ter a certeza que alguns pormenores logísticos que faltam concluir em Sochi, na Rússia

Fotografia: AFP

O presidente do COI, Thomas Bach, disse ontem ter a certeza que alguns pormenores logísticos que faltam concluir em Sochi, na Rússia, vão estar prontos a 07 de Fevereiro, na abertura dos Jogos de Inverno. “Ainda há algumas questões a resolver. Estamos em contacto com o comité organizador e estamos optimistas de que os problemas são resolvidos nos próximos dias”, disse o alemão.

OLIMPISMO                             
Imprensa está sem acomodação



O Comité Olímpico Internacional (COI) está a pressionar os organizadores dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, para resolverem rapidamente o problema da falta de acomodação para a imprensa. Apenas seis dos nove hotéis designados para a imprensa, na região montanhosa nos arredores de Sochi, estão em pleno funcionamento, de acordo com o comité organizador local. Alguns profissionais descobriram que não tinham onde ficar. Para piorar, são esperados hoje milhares de jornalistas.O problema foi discutido ontem numa reunião entre o comité executivo do COI. O presidente do órgão, Thomas Bach, disse que “ainda há algumas questões a serem resolvidas, como sempre acontece antes dos jogos”.

Bach afirmou que o COI está em contacto com o comité organizador de Sochi e espera que “a situação seja resolvida nos próximos dias”.A organização estima a chegada de aproximadamente seis mil profissionais da imprensa para hoje, dos cerca de 11 mil que devem trabalhar na cobertura da competição. Em comunicado emitido no último sábado, o comité organizador avisou que o jornalista que chegar e encontrar o seu quarto incompleto vai receber uma nova acomodação, com a possibilidade de um upgrade.O governo russo gastou mais de 50 mil milhões de dólares norte-americanos na preparação para os Jogos Olímpicos de Sochi, na esperança de transformar o local num novo pólo de turismo após o término do evento.

“RESPEITO”
DE VISITANTES


O presidente da câmara de Sochi, Anatoly Pakhomov, declarou à imprensa inglesa que não há homossexuais na cidade, sede dos Jogos Olimpicos de Inverno de 2014 entre 7 e 23 de Fevereiro. À rede de TV britânica BBC, Pakhomov reforçou a postura contrária à “propaganda gay” e pediu que os homossexuais tenham respeito às leis da Rússia durante as competições.“Estamos a dizer apenas que isso (opção sexual) é da conta de cada um, é assunto de cada um. Mas isso não é aceite aqui no Cáucaso, onde vivemos. Não os temos (homossexuais) na nossa cidade”, disse Pakhomov, que reformulou a declaração mais tarde. “Não tenho a certeza, mas não os conheço”, disse.

Ainda assim, as declarações foram recebidas com rejeição pela comunidade gay local. Nikolay Alekseyev, activista dos direitos dos homossexuais, comparou os comentários de Pakhomov aos do ex-Presidente do Irão, Mahmoud Ahmadinejad, que afirmou não haver gays no seu país.Curiosamente, segundo a agência de notícias Russia Today (RT), há pelos menos duas boates frequentadas por homossexuais em Sochi. O site Huffington Post afirma ainda que a região concentra outros pontos de encontros de gays, lésbicas, transgéneros e simpatizantes.Pakhomov disse ainda que os homossexuais são bem-vindos aos Jogos Olímpicos de Inverno na cidade, desde que “respeitem as leis da Rússia e não imponham os seus hábitos sobre os dos outros”. As leis locais proíbem a divulgação de informação contra “relações sexuais tradicionais” ou que não tenham fins de procriação. A questão chegou a provocar uma proposta de boicote internacional aos Jogos Olímpicos de 2014.