Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Johnson descarta arrependimento

11 de Abril, 2017

No entanto, o americano foi superado em ambas, pelo actual campeão Daniel Cormier.

Fotografia: AFP

Detentor do maior poder de KO dos meio-pesados (93 kg) do UFC, Anthony Johnson anunciou a  retirada ainda no octógono do show de sábado dia 8, após ser finalizado por Daniel Cormier. E, na conferência de imprensa que se seguiu ao término do evento, um quase emotivo lutador não se esquivou de analisar detalhes importantes da carreira.

Depois de garantir repetidas vezes, que não deixou o MMA para trabalhar com a equipa de futebol americano Los Angeles Rams, ‘Rumble’ foi questionado sobre os anos de luta com a balança, que marcaram parte da sua carreira.

Depois de começar como um meio-médio (77 kg), AJ subiu para os médios (84 kg), meio-pesados (93 kg) e até mesmo para os pesados,  ao menos no seu discurso, foi fundamental para a construção do seu nome no desporto.

“Se eu tentasse lutar como médio no início, eu tinha o Anderson Silva e o Rich Franklin, e eles me bateram muito. Se fosse até 93 kg, tinha o Chuck Liddell e o Randy Couture, na época que comecei, e eles me bateriam ainda pior. Se eu não lutasse até 77 kg vocês não saberia quem é Rumble Johnson”, narrou o agora reformado.

Aos 33 anos, ‘Rumble’ acumula um cartel com 22 vitórias e seis derrotas, currículo que o colocou em posição de disputar o cinturão do meio-pesados, em duas oportunidades. No entanto, o americano foi superado em ambas, pelo actual campeão Daniel Cormier.