Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Jorge Lorenzo quer terminar na Ducati

25 de Janeiro, 2017

O piloto espanhol revelou que pretende terminar na equipa italiana como uma lenda

Fotografia: AFP

Jorge Lorenzo está cada vez mais perto de iniciar os trabalhos de 2017 como piloto da Ducati. Prestes a embarcar para a Malásia, onde vai realizar os primeiros testes de pré-temporada no circuito de Sepang, o piloto espanhol revelou que pretende se aposentar na equipa italiana como uma lenda.

“Assinei com a Ducati para encerrar a minha carreira aqui, apesar de que você nunca sabe o que irá acontecer na vida, muito menos no mundo da velocidade. Mas a minha intenção é me aposentar como um ducatista e, se possível, como uma lenda”, afirmou Lorenzo em entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport.

Valorizando a sua nova equipa, Jorge Lorenzo reconheceu que permanecer na Yamaha era inviável por causa da prioridade que a sua antiga equipa dá a Valentino Rossi, hexacampeão da MotoGP e principal nome da categoria na actualidade. Pretendendo se tornar uma figura como o seu ex-companheiro, o espanhol preferiu tomar novos rumos.

“Permanecer na Yamaha era uma opção muito boa, tanto do ponto de vista financeiro como do ponto de vista competitivo. Entendo a importância que Valentino Rossi tem para a Yamaha, por tudo que ele tem dado a eles, pelas suas vitórias, seus títulos e a relevância que uma pessoa como ele tem no marketing”, disse o tricampeão mundial.

“É normal uma equipa como a Yamaha priorizá-lo, mas eles sempre me colocaram no mesmo nível técnico. Todas as vezes que renovamos, a Yamaha e especialmente o chefe de equipa Lin Jarvis reconheceram o meu valor”, concluiu.

Após os testes em Sepang, previstos para o dia 30 de Janeiro, os pilotos ainda terão mais testes no dia 15 de Fevereiro, em Phillip Island, na Austrália, no dia 8 de Março, em Jérez, na Espanha, e nos dias 10 e 17 de Março no Catar, antes da estreia no Mundial de 2017, que acontece também no Catar, no dia 26 do mesmo mês.

Entretanto, ainda que a primeira corrida da temporada 2017 da MotoGP aconteça apenas no dia 26 de Março, há quem esteja ansioso para voltar. No próximo campeonato, o tricampeão Jorge Lorenzo revelou que não vê a hora de regressar às pistas.

"Estou muito feliz e animado para pilotar a nova moto. Faz muito tempo desde o teste em Valência, e eu quase não me lembro da sensação de correr. Estou a contar os dias para Sepang", disse o espanhol, que ficou na terceira posição na temporada de 2016.

O substituto de Lorenzo na Yamaha é o também espanhol Maverick Viñales, que se destacou logo nos primeiros contactos com a nova moto.

Jorge acredita que o compatriota pode ter sucesso na sua antiga equipa, e que inclusive é um dos candidatos ao título de 2017."Cada pessoa faz o seu trabalho, e todos estamos a trabalhar por nós mesmos. Rossi não me deu nada quando eu cheguei, assim como Maverick também não encontrará a moto pronta.

Todos viram os resultados dos testes de Valência e Viñales foi muito rápido nos dois dias. É óbvio que ele tem talento, ambição e está ansioso. Junto com Márquez e Rossi, é um dos favoritos ao campeonato", finalizou.

MOTOCICLISTA
Rossi quer correr no Rali Dakar


O maior campeão do Moto GP em actividade, com seis títulos, Valentino Rossi, já começa a traçar planos fora da categoria. O piloto de 37 anos revelou que sonha em correr no Rali no Dakar, não de motocicleta veículo que o consagrou, mas de carro.

“Um objectivo que tenho é disputar o Dakar no futuro. Mas é muito muito difícil. Você tem de estar muito bem preparado. Mas com certeza eu vou de carro, porque de moto é muito perigoso. Vamos ver no futuro”, declarou.

De olho na aposentação em relação à principal categoria da motovelocidade, e com o desejo de participar no rali mais badalado do planeta, Rossi prefere ir com calma e começar num outro evento de endurance.

Trata-se das tradicionais 24 horas de Le Mans, em França. “Prioridade é competir nas 24 Horas de Le Mans, porque me sinto melhor no asfalto. Então, talvez eu tenha tempo depois que parar de correr de moto”, explicou. Rossi também declarou que tomou a decisão certa em 2006, quando chegou a testar pela Ferrari. Na época, o italiano decidiu continuar no MotoGP, ao invés de ingressar na Fórmula 1.