Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Kimi Raikkonen comemora regresso à Ferrari

14 de Setembro, 2013

Estou feliz em voltar para Maranello, onde eu anteriormente passei três fantásticos e bem-sucedidos anos.

Fotografia: AFP

“Estou feliz em voltar para Maranello, onde eu anteriormente passei três fantásticos e bem-sucedidos anos. Tenho muitas memórias do período que passei na Ferrari, memórias que me acompanharam nesses últimos anos, primeiro e principalmente, a conquista do título de 2007, que é realmente inesquecível”, afirmou Kimi Raikkonen.

Na Ferrari de 2007 a 2009, o finlandês havia sido dispensado da equipa para dar lugar a Fernando Alonso. Depois de dois anos no Mundial de Ralis, voltou à principal categoria do automobilismo mundial para representar a Lotus-Renault, equipa em que teve grande destaque. Apesar do interesse da equipa de renovar o seu contrato, o finlandês não teve as garantias de que teria um carro competitivo para lutar pelo título em 2014 e preferiu voltar à Ferrari.

“Mal posso esperar para pilotar um carro do Cavalinho Rampante de novo e reencontrar tantas pessoas com quem tenho ligações tão próximas. Também mal posso esperar para trabalhar com o Fernando, quem eu considero um grande piloto, para trazer o sucesso que esta equipa merece”, revelou o piloto.


Chegada de Kimi fortalece Ferrari

A Ferrari garante que a decisão de contratar o campeão mundial de 2007, Kimi Raikkonen, para a próxima temporada vai ajudar as chances de Fernando Alonso. A declaração chega após as confirmações da saída do brasileiro Felipe Massa e da chegada do piloto finlandês.

"Se alguém pensa que a escolha de Kimi é uma escolha anti-Alonso, posso tranquilizar as suas mentes", disse o chefe da equipa, Stefano Domenicali, ao site da Ferrari.

"Na Ferrari, todos sabem que os interesses da equipa vêm em primeiro lugar e só depois os do indivíduo. Fernando é um activo fundamental para esta equipa e vai sê-lo por muito tempo. Tenho a certeza de que ele é o primeiro a sentir-se feliz com a escolha feita para fortalecer o grupo, porque ele é muito inteligente para não perceber que uma equipa mais forte só pode ser uma vantagem", acrescentou Domenicali.

O bicampeão mundial, Fernando Alonso, deixou claro antes do acordo com Raikkonen que fica feliz em continuar tendo Massa como companheiro de equipa.

Após o anúncio de Maranello, o espanhol rendeu homenagem ao brasileiro e saudou o novo "companheiro de viagem", sem mencionar o nome do finlandês.

Domenicali disse que a combinação de Alonso e Raikkonen foi a melhor escolha da Ferrari e que ambos vão começar em igualdade de condições. O italiano abordou as preocupações sobre a capacidade de Raikkonen para trabalhar em equipa e ajudar a desenvolver e melhorar o carro tecnicamente.

"Quanto ao lado técnico, nós sabemos o quanto Kimi pode contribuir num momento importante como este, mas temos informações em primeira-mão de James Allison a respeito de quanto o finlandês tem progredido nesta área ao longo dos últimos dois anos", afirmou. Allison estava com Raikkonen na Lotus, onde foi director-técnico antes de começar a trabalhar na Ferrari este mês.


Esperança

Empresário de Massa
aspira o futuro melhor


 O destino do brasileiro Felipe Massa no Mundial de 2014 da Fórmula 1 deve movimentar o mercado de negociações da categoria nos próximos meses. Se depender do empresário do piloto, o francês Nicolas Todt, a prioridade para a próxima temporada está definida: levar o piloto paulista à Lotus.

Massa não renovou o contrato com a Ferrari após oito anos como titular da equipa e anunciou a sua saída da equipa na terça-feira, um dia antes de a equipa divulgar a contratação de Kimi Raikkonen. O lugar do finlandês ficou vago na Lotus e passou a ser o mais desejado da categoria.

"Sem dúvidas, hoje a melhor equipa e a vaga mais interessante é a deixada por Raikkonen", disse Todt à emissora francesa Canal Plus. "Outras equipas estão interessadas, mas Felipe nunca se vai sujeitar a trabalhar numa equipa pequena.

Massa tornou-se piloto titular da Ferrari em 2006 e teve o seu melhor momento na equipa na temporada de 2008, quando foi vice-campeão do Mundial, perdendo para o britânico Lewis Hamilton por apenas um ponto no Grande Prémio do Brasil, em Interlagos.