Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

KTM elogia Mika Kallio

31 de Janeiro, 2017

Mike Kallio demonstrou paixão e o esforço durante os testes em Sepang

Fotografia: AFP

A KTM ficou tão satisfeita com o trabalho feito por Mika Kallio, como piloto de testes,  já pensa até em presentear o finlandês. O chefe da equipa austríaca, Mike Leitner, confirmou que a ideia da fábrica que estreia na MotoGP em 2017, é colocar o número 36 para disputar algumas provas ao lado de Pol Espargaró, e Bradley Smith ao longo da época.

Piloto de testes da KTM, Mika Kallio foi responsável por estrear a RC16 no GP da Comunidade Valenciana do ano passado, mas não completou a corrida por conta de um problema com a moto. “Planeamos mais wild -cards para Mika. Não está definido onde exactamente, mas fez um trabalho óptimo para nós, no ano passado; foi perfeito o que fez.

Quando Pol Espargaró e Bradley Smith subiram na moto em Valência, ficaram felizes com o trabalho que ele fez”, confirmou Leitner. Antes do teste colectivo desta semana, a KTM esteve na pista de Sepang, na semana passada, acompanhada pelas demais marcas para uma série de testes privadas, onde Kallio, mais uma vez, teve a oportunidade de mostrar o seu empenho.

“Kallio teve de sair no primeiro dia às 16h00, pois estava com uma temperatura de 39°C por conta de uma febre. Voltou, tomou remédio, voltou no dia seguinte às 13h00, observamos-lhe e ainda estava 38ºC”, contou Leitner. Quando o viu, disse-lhe se devessem parar, mas Kallio respondeu-lhe: "Talvez, possa ir ao médico e tomar alguma coisa...". Depois, fez-se à pista. Na manhã seguinte, estava com 37ºC e os olhos doíam. Assumiu a postura de piloto e voltou a conduzir.

“Isso, mostra a paixão e o esforço que Mika coloca, e apreciamos tudo isso”, frisou. Além disso, o chefe da equipa também fez um balanço positivo do exercício privado feito na Malásia, onde a equipa austríaca testou algumas novidades desenvolvidas após o teste de Valência. “No geral, o teste foi realmente bom. Trouxemos quatro motos para os pilotos.

Então, tudo era novo, e todas as evoluções que fizemos desde Valência, estão na moto”, explicou. “Testamos um chassi diferente e algumas coisas menores, alguns mapeamentos, muitas coisas. Estamos felizes com os resultados, mas sabemos que temos um grande trabalho à frente”, reconheceu.

MARC MÁRQUEZ
PEDE ATENÇÃO


Marc Márquez abriu os testes da pré-época 2017 da MotoGP, a pensar em como manter o seu título. Actual campeão da classe rainha, o número 93 espera dificuldades extras, ainda mais com todas as mudanças que ocorreram nas equipas de fábrica. Vindo de um ano vencedor, quando conquistou o tricampeonato na MotoGP e ajudou a Honda a garantir o Mundial de Construtores, Marc ressaltou que vai ser importante permanecer 100 por cento focado para enfrentar a força da concorrência.

“Estamos vindo de uma época vencedora, mas cada ano é muito diferente e os nossos oponentes são sempre muito fortes”, disse Márquez. O espanhol realçou que “entre as equipas do topo tiveram algumas mudanças e todas estão muito motivadas e prontas para lutar. “Temos de permanecer 100 por cento focados e tentar fazer tudo funcionar de forma suave, incluindo a moto, a equipa, a fábrica e eu”, apontou.  Além disso, Márquez lembrou que 2016 mostrou como é importante aproveitar cada oportunidade que se apresenta e falou em seguir a mesma linha adoptada no ano anterior.

“No ano passado, aprendemos o quão importante é tirar o máximo de cada situação. Começa-se agora, vamos trabalhar para fazer a melhor preparação para a época a fim de lutarmos pelo título outra vez”, lembrou. Ontem, no primeiro dia de testes colectivos da pré-época 2017, Marc Màrquez anotou o nono tempo, 1s056 mais lento que Casey Stoner, o líder dos trabalhos.

PRIMEIRO DIA DE TESTES
Casey Stoner lidera 1-2 da Ducati

Aposentado da MotoGP desde o fim da época '012, Casey Stoner mostrou ontem, que não perdeu nada da sua velocidade. A actuar como piloto de testes da Ducati, o bicampeão da classe rainha do Mundial de Motociclismo impôs-se, e garantiu a melhor marca no primeiro dia de testes da pré-época, em Sepang.

Depois de participar de uma série de testes privados, na semana passada, o número 27 completou 33 voltas, a melhor delas em 1min59s681,.  0s 115 mais rápido que Andrea Dovizioso, que assegurou uma dobradinha para a equipa de Bolonha. Já 0s447 atrás de Stoner, Maverick Viñales colocou a Yamaha na terceira posição.

O dia na Malásia começou com sol, mas como sempre a chuva apareceu para atrapalhar já na parte final do dia. Como o novo asfalto de Sepang demora muito mais a secar, as horas finais da sessão foram de pouca movimentação, sem mudanças significativas na tabela de tempos. Com 2min00s134, Álvaro Bautista colocou a Aspar na quarta posição. De volta à equipa espanhola após defender a Aprilia, o número 19 vai para 2017 a sonhar em lutar pelo top-5 de forma regular.

Estreante pela Suzuki, Andrea Iannone chegou a aparecer no topo da tabela, mas ficou mesmo com a quinta posição, 0s809 atrás de Stoner. Cal Crutchlow completou 45 voltas e ficou com a sexta posição, logo à frente de Jonas Folger, que sobe da Moto2 em 2017. Um dos últimos a entrar na pista ontem, Valentino Rossi completou apenas 28 voltas, o melhor deles em 2min00s695 e ficou com a oitava posição, 0s042 à frente de Marc Márquez, o nono classificado. Héctor Barberá completa o rol dos dez primeiros.

Danilo Petrucci, que em 2017 vai usar a mesma GP17 da equipa de fábrica da Ducati, anotou o 11º tempo, seguido por Scott Redding. Dani Pedrosa teve um início discreto e ficou em 13º, 1s289 atrás do seu ex-companheiro de Honda.  Também vindo da Moto2, Johann Zarco anotou a 14ª marca, 0s047 melhor que Aleix Espargaró, que estreia pela Aprilia em 2017. Entre os pilotos da KTM, foi Pol Espargaró quem apresentou o melhor desempenho e assegurou o 16º tempo, 1s657 atrás do líder.

Jorge Lorenzo, por sua vez, ficou apenas em 17º. O tricampeão da MotoGP completou 46 voltas, a melhor em 2min01s350 e ficou a 1s669 de Stoner.
Outra na lista dos estreantes, Álex Rins ficou com a 20ª posição, 2s208 atrás do líder. O número 42 já se recuperou de uma fractura de vértebra sofrida no teste de Valência do ano passado.

A completar a lista dos pilotos que subiram da Moto2, Sam Lowes completou 51 voltas com a Aprilia e ficou com a 26ª posição, apenas à frente de Bradley Smith, que foi 0s092 mais lento com a KTM.