Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

KTM pretende moto de 2019

14 de Maio, 2018

Estavam a derrapar um pouco mais do que eu, descreveu.

Fotografia: AFP

 A KTM está a fazer um grande esforço para prover a seus pilotos regulares o protótipo de 2019 no qual Mika Kallio correu no último GP da Espanha. Pode ser que tanto Pol Espargaró quanto Bradley Smith tenham a nova moto em Agosto, no GP da Áustria.
Espargaró está convencido de que a nova moto representa uma melhoria notável e diz que não quer \"perder mais tempo\" com a versão antiga do equipamento. No entanto, ressalta que a KTM ainda não pode fazer a troca devido a problemas relacionados ao motor, restrições de tempo e regras de homologação.
\"A KTM está a tentar, vão fazer um grande esforço para nos dar o modelo 2019 talvez em Spielberg, mas não antes\", disse Espargaró.
\"Honestamente, não quero perder mais tempo com essa moto (a antiga). Creio que o potencial é realmente grande na nova moto\", acrescentou.
Espargaró, que terminou em 11º, logo atrás de Mika Kallio em Jerez, disse que antecipou o resultado bom do finlandês, mas admitiu que \"não é legal\" ser superado pelo piloto de testes.
\"Pudemos imaginar o resultado. Desde o primeiro dia de treinos saí atrás de Mika e ter testado com ele em Jerez há um mês deixou-nos mais rápidos”, disse.
O espanhol acrescentou que \"quando as condições eram mais complicadas, com baixa aderência na pista, a nova moto funcionou muito melhor\".
\"Estou feliz por isso. Não é legal que Mika, o piloto de testes, tenha nos derrotado, mas é um bom sinal de que as novidades estão a funcionar bem”, contentou-se.
Kallio, que disse que gostou de ser o mais rápido da KTM no GP da Espanha, explicou que o ponto mais forte da moto foi a consistência ao longo de uma corrida, mesmo que tenha tido dificuldades com borracha nova.
\"Talvez no começo, estivesse com um pouco de dificuldades, mais do que os meus colegas de equipa. Não foi tão fácil segui-los\", disse.
O piloto esclareceu que “depois, volta a volta, o ritmo era exactamente o mesmo, o que é muito bom\".
\"Vi os outros a começarem a ter problemas com a aderência, especialmente, ao sair das curvas. Estavam a derrapar um pouco mais do que eu”, descreveu.