Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Kubica corre com Fiesta RS

16 de Dezembro, 2013

Depois de dois meses internado e de passar por quatro cirurgias, Kubica recebeu alta para continuar o tratamento em casa.

Fotografia: AFP

O polaco Robert Kubica, antigo piloto de Fórmula 1, vai disputar o Mundial de ralis (WRC) de 2014 ao volante de um Ford Fiesta RS, juntamente com o finlandês Mikko Hirvonen, anunciou  a equipa britânica M-Sport. Vencedor da edição de 2013 do Mundial de produção (WRC-2), tendo vencido cinco das sete provas com um Citroën DS3, Kubica, que completou no sábado 29 anos, transferiu-se para a formação britânica devido a incompatibilidades entre o grupo petrolífero Lotos, seu patrocinador pessoal, e a Total, que apoia a marca francesa.

Em Setembro de 2012, Kubica voltou a despistar-se, durante o Rali San Martino de Castrozza, em Itália, quando ainda recuperava do grave acidente sofrido em Fevereiro de 2011. Na altura, ficou com a carreira em risco, depois de ter sofrido ferimentos graves no lado direito do corpo no Rali Ronde di Andora, que o levou quase à amputação do braço direito, além das fracturas na perna e ombro.

Eleito personalidade do ano de 2013 numa votação feita através do sítio oficial da Federação Internacional do Automóvel (FIA) na Internet, Kubica vai ter como companheiro de equipa Hirvonen, de 33 anos, que nas últimas duas temporadas conduziu um Citroën, sem vencer qualquer dos 26 ralis disputados.

O finlandês, vice-campeão do Mundo em 2008, 2009, 2011 e 2013, vai voltar a estar ao volante de um Fiesta, da equipa M-Sport, ao serviço da qual conseguiu 14 das 15 vitórias em ralis da sua carreira. O terceiro elemento da equipa vai ser o britânico Elfyn Evans, de 24 anos, filho do antigo piloto galês Gwyndaf Evans. A 6 de Fevereiro de 2011, durante a pré-época da Fórmula 1, Kubica participou do rali “Ronde di Andora”, em Itália, a pilotar o carro Skoda Fabia. Durante o evento, porém perdeu o controlo do carro e colidiu contra a protecção lateral da pista, que atravessou o motor e o cockpit, atingindo o piloto. Kubica sofreu traumatismos múltiplos no braço direito, perna e mão.

O co-piloto, Jakub Gerber, escapou com poucas lesões. Devido à gravidade dos ferimentos, chegou a ser ponderada a amputação da mão do piloto, mas essa possibilidade acabou por ser posta de lado. O piloto teve de passar por uma cirurgia que durou sete horas. Três dias antes, Kubica chegou a participar nos treinos colectivos da pré-temporada de Fórmula 1, realizados em Valência, marcando o melhor tempo entre os três dias. Depois de dois meses internado e de passar por quatro cirurgias, Kubica recebeu alta para continuar o tratamento em casa.