Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lauda dá voto de confiança a Bottas

21 de Março, 2017

Niki Lauda, presidente não -executivo da Mercedes, é um dos membros da equipa de Brackley que mais se pronuncia perante à imprensa.

Fotografia: AFP

O tempo de contrato de Valtteri Bottas na Mercedes, apenas de um ano de duração, já suscita debates sobre a contratação de uma estrela para o seu lugar na próxima época da F1 como Sebastian Vettel ou Fernando Alonso.

O finlandês chegou à equipa tricampeã do mundo para ocupar o lugar do actual campeão e aposentado, Nico Rosberg, mas vai ter de buscar resultados para permanecer na equipa prateado no ano que vem.

Niki Lauda, presidente não -executivo da Mercedes, é um dos membros da equipa de Brackley que mais se pronuncia perante à imprensa.

O austríaco, tricampeão mundial de F1, deu um voto de confiança a Bottas, depois de já ter expressado que se impressionou com a atitude do nórdico neste começo de trabalho na Mercedes. Assim, Nukki Lauda deixou claro que não há planos, por exemplo, de contratar Vettel. O alemão é piloto da Ferrari desde 2015,  tem contrato até o fim desta temporada.

“Este não é o nosso plano. Devo dizer com toda a clareza”, garantiu o dirigente da Mercedes durante entrevista à emissora austríaca ‘ORF’.

A Mercedes optou por Bottas, depois de estudar várias pilotos dentre uma lista, tão logo Rosberg decidiu aposentar-se de forma surpreendente e repentina. Pascal Wehrlein, por ocupar a função de suplente imediato na Mercedes, surgiu como alternativa, mas a equipa decidiu contar com um piloto com maior experiência,  após negociar com a Williams, decidiu contratar o finlandês.

No fim de contas, Niki Lauda garante que tudo vai depender de como vai ser a época, sobretudo, para Bottas. E, só depois é que a Mercedes vai avaliar a sua dupla de pilotos, para a próxima época.

Diferente de Bottas, Lewis Hamilton tem contrato com a Mercedes até o fim de 2018. “Vamos começar com Bottas e Hamilton e ver como vai ser”, concluiu o presidente não executivo da Mercedes.