Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lauda nega saída de Brawn

09 de Outubro, 2013

A escuderia Mercedes e o seu chefe de Fórmula-1 ainda estão em negociações mas a saída de Brawn já foi desmentida

Fotografia: AFP

O presidente não executivo da Mercedes Niki Lauda negou segunda-feira que o chefe da equipa de Fórmula 1 da marca alemã, o inglês Ross Brawn, esteja de saída da escuderia no final desta época. O jornal alemão “Sport Bild” noticiou segunda-feira que Brawn informou Lauda da sua decisão no passado fim-de-semana, no Grande Prémio da Coreia do Sul. Mas Lauda desmentiu a notícia.

“Não sei de onde aparecem estas histórias, mas esta não é verdade”, declarou o austríaco tricampeão do Mundo à agência de notícias de desporto alemã SID. De acordo com Lauda, a equipa e Brawn ainda estão em negociações, pelo que “não há uma decisão até ao fim da temporada”.

“Até que haja uma decisão, continuamos a todo o gás. Gostava de continuar a trabalhar com ele, mas essa deve ser uma decisão do próprio. O Ross ainda está motivado”, concluiu.
De acordo com o “Sport Bild”, Brawn, de 58 anos, deve ser substituído pelo antigo diretor técnico da McLaren Paddy Lowe, que a meio da época ingressou na Mercedes.

Brawn foi o homem por detrás dos sete títulos mundiais de Michael Schumacher, com a Benetton em 1994 e 1995 e com a Ferrari de 2000 a 2004. Ainda de acordo com o “Bild”, Brawn pode rumar para a Honda - onde o inglês já esteve depois de sair da Ferrari. A marca japonesa pode regressar à Fórmula 1 em 2015 para fornecer motores à McLaren, e reatar uma parceria de sucesso do final dos anos 1980 quando a equipa inglesa tinha motores Honda e os pilotos Ayrton Senna e Alain Prost.

Franchetti sofre acidente violento
O escocês Dario Franchetti sofreu um violento acidente, no qual fracturou a coluna e o tornozelo. O acidente provocou ainda 13 feridos que foram atingidos por destroços do monolugar, durante o Grande Prémio de Houston. Franchetti estava a tentar ultrapassar um adversário quando perdeu o controlo do carro, a cerca de 160 km/h, que levantou voo e embateu nas barreiras de protecção, tendo o monolugar ficado destruído.