Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lewis Hamilton está sem "cartas"

19 de Abril, 2016

Lewis Hamilton travou batalha feroz com Felipe Massa pelo sétimo lugar

Fotografia: AFP

Muito se esperava de Lewis Hamilton depois de largar em último lugar no Grande Prémio da China. A expectativa era por um show de ultrapassagens e talvez mesmo um pódio para o tricampeão do mundo. As ultrapassagens vieram: foram 18 ao longo de toda a prova de domingo, mas um incidente com Felipe Nasr na primeira volta fez cair por terra qualquer oportunidade de um grande resultado em Xangai.

Hamilton teve a asa dianteira avariada no contacto com o carro da Sauber do brasileiro e teve de ir às boxes na primeira volta para trocar a peça e trocar de pneus. Foi a primeira das cinco paragens do britânico ao longo da corrida.

Depois, Lewis Hamilton lutou muito: fez muitas ultrapassagens, mas também foi ultrapassado. O tricampeão do mundo sucumbiu ao melhor ritmo da Red Bull de Daniel Ricciardo e da Ferrari de Kimi Raikkonen. Depois de tentar, não conseguiu superar um aguerrido Felipe Massa, em sétimo lugar.

No fim do Grande Prémio da China, Lewis Hamilton disse que as avarias no carro prejudicaram-no na luta por posições melhores na corrida. Em três provas Lewis enfrentou problemas que comprometeram directamente o resultado. Em contrapartida, o maior rival na luta pelo título, Nico Rosberg, vive momento completamente oposto: invicto, com 75 pontos em três corridas, contra 39 do vice -líder, Hamilton.

"Definitivamente, foi muito difícil. Tive uma boa largada, o que é sempre difícil partir do fundo da grelha. Tentei evitar quem estava à minha frente, mas enrosquei-me", lamentou Lewis após o fim do Grande Prémio da China. O tricampeão mundial descreveu a principal razão que o colocou a meio da tabela de classificação geral.

"Lutei no meio do pelotão, mas sentia que toda a vez que parasse tinha de voltar novamente, estava a ganhar terreno e no fim de contas, não tinha pneus suficientes. As corridas são assim, mas não foi um grande fim. Espero continuar em frente", acrescentou o piloto.

Questionado sobre o que impediu de ter um rendimento melhor na sua Mercedes na corrida, Hamilton atribuiu a queda de ritmo às avarias no carro.
"Não tenho muito que olhar para trás no momento. Essa pista é muito boa, porque pode ultrapassar e chegar perto, mas o carro ficou muito danificado. Tenho a certeza de que as peças aerodinâmicas ficaram prejudicadas, a suspensão também.

O carro fazia barulho como uma cama de quatro colunas", retratou. A vantagem de Nico Rosberg na liderança do Mundial é de 36 pontos. Em 2014, quando conquistou o segundo título da carreira, Lewis Hamilton descontou uma vantagem de 29 pontos na segunda metade do campeonato.

"Não sinto nada diferente do que naquela época. Na verdade, talvez seja até pior porque tenho tido um fim de semana ruim atrás do outro", disse.
Apesar das circunstâncias, o tricampeão não se sente em maré de azar. "Não sinto que haja uma nuvem negra sobre mim. Certamente, é um momento difícil. Há um monte de coisas e pensamentos, mas isso faz parte do desporto. É parte da jornada", encerrou o inglês.

Quanto ao resultado em Xangai, Lewis reconheceu que não tem mais "cartas na manga", apesar da longa época pela frente. "Há um longo caminho a percorrer. Muita coisa pode acontecer. Só que não tenho mais cartas disponíveis.

Foi uma corrida horrível, mas sempre há o que tirar das provas assim, porque tivemos muitas batalhas e isso é sempre bom", disse o piloto de 31 anos que admitiu não ter mais outro fim de semana ruim em 2016 se quiser manter viva a oportunidade de conquistar o tetracampeonato na F1.