Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lewis Hamilton sai à frente na primeira prova do ano

20 de Março, 2016

Britânico superou companheiro da Mercedes Nico Rosberg em três décimos

Fotografia: APF

"Percebi que os demais não estavam a melhorar, mas terminei todas as voltas. Você tem de ir à pista e  certificar-se de que não vai cometer erros e de que vai capitalizar todas as voltas que tem. Se não fizer isso, perde o embalo e depois fica difícil voltar. Então fui sempre melhorando".

Com o resultado, Hamilton finalmente conquistou a sua 50ª pole na carreira, depois de embatucar nas últimas etapas de 2015.

"Demorou um pouco. Fiquei muito feliz com o carro. Meu acerto estava perfeito. Fiz umas voltas sexy, senti-me como James Brown no final", definiu.

"Não cometi nenhum erro e estou muito feliz."

Entretanto, Rosberg em relação à  corrida. "Não estou contente com o segundo lugar, mas ainda há muitas oportunidades, mesmo a largar em segundo", destacou.

VETTEL ESTÁ
SATISFEITO

Sebastian Vettel mostrou-se animado com o terceiro lugar conquistado para o GP da Austrália, que marca a abertura da temporada de 2016 da Fórmula 1. O alemão vê dois motivos para comemorar: a estratégia da Ferrari de guardar um jogo de pneus macios para a corrida e a evolução em relação a 2015.

"Fiquei feliz com a volta no final, então decidimos não voltar à pista e economizamos um jogo de pneus para a corrida", explicou o tetracampeão.

Apesar do terceiro lugar e de não ter ameaçado as Mercedes na frente, Vettel comemorou a evolução da Ferrari em relação ao ano passado. "Demos um passo adiante. Esperávamos que eles fossem fortes na classificação, mas na corrida estaremos mais próximos", disse o alemão.

De facto, a Ferrari  ainda que tenha ficado com a segunda fila fez marcas 0s6 melhores do que há 12 meses no mesmo circuito de Albert Park. Ainda assim, no sábado Vettel ficou a 0s8 de Hamilton, ainda que tenha feito uma tentativa a menos que o britânico.

O companheiro de Vettel, Kimi Raikkonen, foi quase quatro décimos mais lento que o alemão e ficou com a quarta posição da grelha de partida.


Mudança 

Dirigentes criticam nova classificação


A estreia do novo sistema de classificação da Fórmula 1 foi preenchida de críticas após as primeiras posições serem decididas minutos antes de ser dada a bandeirada. A insatisfação no serviço de Melbourne, onde é disputado o GP da Austrália, que abre a temporada foi tamanha que os dirigentes já falam em pedir formalmente para que a categoria altere o sistema. O director não executivo da Mercedes Niki Lauda disse que a mudança tinha sido "a pior já feita na história."

A novidade conta com as eliminações a cada 90 segundos. Nas duas primeiras fases da classificação, o treino correu normalmente e até teve momentos de emoção, especialmente no final do Q1. Porém, na definição do top 8 a maioria dos pilotos fez apenas uma tentativa logo que a pista foi aberta, esvaziando-a nos minutos finais.

Além disso, o novo formato não serviu para embaralhar, como era esperado. Campeão das duas últimas temporadas, Lewis Hamilton vai largar na frente ao lado do companheiro de Mercedes Nico Rosberg. Sebastian Vettel da Ferrari vai  ser o terceiro. Entre os brasileiros, Felipe Massa larga em sexto e Felipe Nasr, em 17º.

"A realidade foi que Lewis Hamilton poderia ter dado a bandeirada a ele mesmo", reclamou o comentarista da TV britânica, Damon Hill. Já o piloto de rali e pai de Carlos Sainz Jr., Carlos Sainz, chamou o novo formato de "desastre".

O tom crítico foi acompanhado pelos chefes de equipa. Mesmo com seus pilotos na primeira fila, o comandante da Mercedes Toto Wolff disse que "sou o primeiro a dizer que não deveríamos falar coisas ruins na TV, mas acho que o novo sistema de classificação é muito ruim."

Christian Horner chefe da Red Bull foi mais incisivo e pediu mudanças imediatas. "Deveríamos pedir desculpas aos fãs porque não fizemos show. Deveríamos aceitar isso: tentamos e não funcionou. Acho que algo tem de ser feito antes do Bahrein (palco da próxima etapa, daqui a duas semanas).

Prefiro voltar à classificação que tínhamos, mas essa é minha opinião pessoal. Acho que era melhor daquele jeito." Os pilotos concordaram com as críticas. Rosberg chegou a dizer que a F-1 "deveria voltar ao sistema anterior", enquanto Vettel, que até tinha tirado o fato - macaco e estava de calça jeans na foto oficial dos três primeiros, reconheceu que o novo treino "não foi emocionante." Para o alemão, a Fórmula 1 "não pode simplesmente tentar coisas. Tem de tentar coisas que façam sentido."

Quanto a Lewis Hamilton pediu calma. "Talvez tenha sido um passo na direcção errada, mas não diria para voltar à classificação antiga. Já era daquele jeito há anos”.


McLaren
surpreende seus
próprios pilotos


O rendimento demonstrado pela McLaren na classificação para o GP da Austrália surpreendeu os pilotos Fernando Alonso e Jenson Button. A equipa ficou com as duas últimas posições na classificação do ano passado, vai largar no meio do pelotão, com o espanhol em 12º e o inglês, em 13º lugares.

"Estou super feliz com o carro porque fomos muito mais competitivos do que esperávamos depois dos testes", disse Alonso. "Ficamos no top 10 o tempo todo e estivemos a 1s2 da Mercedes, então é uma grande surpresa."

Button também admitiu que as posições conquistadas em Albert Park "são um pouco melhores do que esperava antes de chegar aqui. Não acho que seja um ponto de partida muito ruim - é bem melhor do que tivemos ano passado."

Apesar de Alonso deixar claro que não tinha "qualquer esperança" de entrar no Q3, do qual fazem parte os 8 melhores pilotos, Button acredita que o ritmo de corrida da McLaren é melhor do que o de classificação.

"É diferente em relação ao ano passado: temos mais energia híbrida no motor - agora temos o mesmo que os demais, ou quase o mesmo. Isso vai beneficiar-nos muito na corrida, especialmente em circuitos mais longos - talvez nem tanto aqui, mas definitivamente no Bahrein", explicou o inglês, referindo-se à próxima etapa.


Revelação

Filipe Massa admirado com a Toro Rosso


Sexto colocado na grelha de partida do GP da Austrália, etapa de abertura da temporada e 2016 da F-1, Felipe Massa saiu satisfeito do treino classificatório. O brasileiro que esperava ficar com o quinto posto, admitiu a surpresa com o desempenho da Toro Rosso de Max Verstappen. Além do holandês, os pilotos de Mercedes e Ferrari superaram a Williams.

"Foi uma boa classificação e estou feliz pela volta que consegui hoje (ontem). Faltou quase nada para largar entre os cinco primeiros. Foi uma boa classificação", afirmou à TV Globo. "Pelo carro que a gente tem, e sabendo que a Mercedes é melhor e Ferrari também, talvez a única surpresa tenha sido mesmo a Toro Rosso. De qualquer forma, estou feliz."

Massa explicou que só fez uma tentativa na parte final da classificação porque não tinha mais nenhum jogo de pneus macios novos. "Acabei usando todos os meus pneus antes do Q3."

O companheiro de Massa, Valtteri Bottas, não esteve bem classificou-se em 11º lugar. O finlandês disse que não sabe por que não conseguiu encontrar-se com o carro durante o Q2.

Felipe Nasr explicou que a Sauber não teve a melhor das estratégias dentro do novo formato de classificação, mas não acredita que se classificasse muito à frente do 17º lugar conquistado no sábado em Melbourne.

"Foi uma classificação complicada para nós. Sabemos que ainda temos muito trabalho adiante. Para a corrida, estou confiante de que podemos ganhar algumas posições. É uma pena que fui para a pista com um novo jogo de supermacios”.