Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Lewis Hamilton triunfa e reforça a liderança

07 de Setembro, 2015

Hamilton vence e dispara na classificação

Fotografia: AFP

O britânico Lewis Hamilton deu um passo decisivo para conquistar o seu terceiro título mundial na Fórmula 1, ao vencer ontem o GP da Itália, no circuito de Monza, palco da 12ª das 19 etapas da temporada 2015, além de contar com o abandono do alemão Nico Rosberg, seu companheiro de equipa na Mercedes e principal adversário na luta para ser campeão. Enquanto isso, o brasileiro Felipe Massa voltou ao pódio ao garantir a terceira posição com a sua Williams.

Hamilton foi soberano em todo o fim de semana do GP da Itália, tendo liderado os treinos livres de sexta-feira e assegurado a pole position no último sábado. E, ontem, após sustentar a liderança na largada, não foi mais ameaçado, logo abrindo vantagem confortável para os demais concorrentes, sendo o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, quem mais se aproximou, terminando a prova em segundo lugar após ultrapassar o companheiro de equipa Kimi Raikkonen.

Assim, com bastante tranquilidade, Hamilton conquistou a sua terceira vitória em Monza - as outras foram em 2012 e 2014 - e passou a somar 40 triunfos na Fórmula 1, a apenas uma da marca do brasileiro Ayrton Senna. Além disso, ele já venceu sete corridas em 2015. Hamilton agora lidera o Mundial de Pilotos com ainda mais folga, de 53 pontos para Rosberg, que abandonou o GP da Itália por problemas no motor da sua Mercedes, depois de perder várias posições na largada e subir para a terceira posição até o seu abandono. Agora o britânico está com 252 pontos, contra 199 do alemão e os 178 de Vettel.

Já Massa fez uma boa corrida em Monza. O brasileiro assumiu o terceiro lugar na largada, mas perdeu uma posição para Rosberg, após o seu pit stop.Depois, porém, retomou a terceira posição com o abandono do alemão e se defendeu bem dos ataques do finlandês Valtteri Bottas, da Williams, para voltar a subir ao pódio em 2015, o que já havia feito no GP da Áustria, em que também foi o terceiro colocado. Com isso, Massa saltou para a quarta posição na classificação no Mundial de Pilotos, com 97 pontos, com cinco a mais do que Raikkonen.

Bottas veio logo atrás, em quarto lugar, seguido exactamente de Raikkonen, que fez boa prova de recuperação após ficar com a sua Ferrari parada na largada, caindo para a última posição. Desse modo, ele terminou a prova à frente dos dois carros da Force India, o mexicano Sergio Pérez e o alemão Nico Hulkenberg.Felipe Nasr, o outro brasileiro da Fórmula 1, teve um domingo difícil em Monza, em virtude, principalmente, da necessidade de ir aos boxes logo na primeira volta, após um toque com o venezuelano Pastor Maldonado. Ele, então, terminou o GP da Itália apenas na 14ª posição.No Mundial de Construtores, a Mercedes continua soberana na liderança, agora com 451 pontos. A Ferrari é a segunda colocada, com 270 pontos, enquanto a Williams ocupa a terceira posição, com 188.

A CORRIDA - Segundo colocado no treino de classificação, Raikkonen teve problemas na largada, ficando com o carro parado por alguns instantes, o que o levou a cair para o último lugar e também atrapalhou Rosberg que estava atrás na grelha de partida, na quarta posição, sendo ultrapassado pelos dois carros da Williams. Massa se aproveitou da situação e fez boa largada, saltando do quinto para o terceiro lugar, atrás de Hamilton e de Vettel.

Nasr, que também teve um bom início, saltando para a oitava posição, teve que ir aos boxes logo na primeira volta, em razão de avarias no seu carro, provocadas por um toque com Maldonado, praticamente arruinando a sua corrida. Líder, Hamilton tratou de abrir vantagem confortável para Vettel logo nas primeiras voltas do GP da Itália, situação que não se modificou após os pit stops dos principais pilotos. As mudanças relevantes que se deram envolveram Rosberg, que saltou para o terceiro lugar, recuperando as posições perdidas para os dois carros da Williams.

Além disso, com um ritmo forte após o problema na largada, Raikkonen realizou várias ultrapassagens, logo figurando na sétima posição. Na 50ª volta, em uma das poucas disputas efectivas por posição no GP da Itália, Raikkonen ultrapassou o mexicano Sergio Pérez, da Force India, para assegurar o sétimo lugar. Faltando duas voltas para o encerramento da prova em Monza, Rosberg abandonou a corrida por causa de problemas no motor da sua Mercedes. A situação levou Massa a herdar a terceira posição do GP da Itália.

GP da Itália
Brasileiro Felipe Massa completa pódio


O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) venceu sua sexta corrida na temporada, desta vez o Grande Prémio de Monza, na Itália. Sebastian Vettel (Ferrari) terminou logo atrás na segunda posição e o brasileiro Felipe Massa (Williams) fechou o pódio em terceiro lugar. Com o resultado, Hamilton foi a 252 pontos, enquanto Rosberg manteve seus 199, já que abandonou a corrida.Logo na largada o finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari) não conseguiu arrancar e acabou sendo ultrapassado pela maioria dos pilotos. Sebastian Vettel, Felipe Massa e Valtteri Bottas (Williams) aproveitaram bem a situação e integraram o pelotão dos quatro primeiros colocados junto com o líder da prova Lewis Hamilton (Mercedes).

Largando em quarto, Massa utilizou a parte de fora da pista para chegar à terceira posição e se manter no pódio provisório. Já o outro brasileiro, Felipe Nasr, teve de passar pela recta das boxes após a largada tumultuada e voltou para a pista na 14ª posição.Valtteri Bottas e Nico Rosberg protagonizaram um duelo a parte. Com o finlandês da Williams na quarta colocação, o vice-líder do campeonato mundial tentava a todo o momento ultrapassá-lo. Mesmo com um carro inferior, Bottas não dava vida fácil a Rosberg que volta após volta travava uma verdadeira batalha em busca da quarta posição. Apesar da perseguição, o piloto da Mercedes optou por fazer o pit stop na volta 19 e voltar à corrida com pneus novos, deixando Bottas em uma situação mais confortável.

À exemplo de Rosberg, Felipe Massa também optou por realizar o pit stop. Enquanto o brasileiro saía das boxes, Raikkonen ia se reerguendo aos poucos na corrida e se o piloto da Ferrari chegou a estar na 18ª posição, na volta 20 já se encontrava em sexto lugar. O retorno do brasileiro à pista se deu na quinta colocação, enquanto Rosberg assumia o quarto lugar, parada dura para o brasileiro já que possui um carro inferior ao do rival na actual temporada.Apesar da corrida de superação de Kimi Raikkonen, o piloto da Ferrari conseguiu recuperar consideráveis 13 posições e chegar em quinto lugar. O brasileiro Felipe Nasr terminou a corrida na 13ª posição.

Circuito de Monza
Sebastian Vettel defende continuidade


O alemão Sebastian Vettel conquistou o segundo lugar no Grande Prémio de Monza, realizado ontem, na Itália. O piloto afirmou ser um dos seus circuitos favoritos, o alemão da Ferrari defendeu a permanência do traçado italiano no circuito mundial nos próximos anos e comentou sobre um possível descarte de Monza no calendário da Fórmula 1.“Se tirarem essa corrida do calendário por questões de dinheiro basicamente estarão rasgando nossos corações fora. As emoções aqui são incríveis. Você fica na pista e o povo à esquerda e à direita estão felizes por fazer parte disso”, declarou o vice-líder do campeonato.

Com apoio de Hamilton que também comentou sobre o circuito afirmando ser “especial para mim e para todos os pilotos”, Vettel ainda reforçou a necessidade de Monza permanecer no calendário pelos fãs apaixonados e pela atmosfera que o traçado proporciona a todos que participam deste Grande Prémio.“O mar de fãs é diferente de tudo o que já vi. Você tem todas aquelas pessoas que comparece todo ano, outro Grande Prémio não teria o mesmo impacto. Nós definitivamente temos que manter Monza no calendário”, disse.

O brasileiro Felipe Massa também defendeu a permanência de Monza: “Aqui nós estamos na história da Fórmula 1. Nós corremos para os fãs. Quando eu vejo o pódio, pessoas gritando e chorando, nós não podemos perder isso. Faz parte do nosso sangue e não podemos descartar esses tipos de corrida. Eu realmente gosto de ir para novos países, mas não podemos perder algo que está em nosso sangue”, finalizou.