Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

lex Rins bate Mrquez em Silverstone

26 de Agosto, 2019

Fotografia: AFP

Álex Rins (Suzuki) venceu ontem o GP da Grã-Bretanha de MotoGP de forma espectacular, batendo Marc Márquez (Honda) em cima da linha de meta e colocando um ponto final dourado numa corrida cheia de drama, do princípio até esse fim e que envolveu pelo meio o piloto português Miguel Oliveira (Tech3 KTM).
Márquez saiu da “pole-position” e segurou o primeiro lugar à frente de Valentino Rossi (Yamaha). Mas o drama começou logo ai na primeira volta, com Fabio Quartararo (SRT Yamaha) a perder o controlo da sua moto e a cair ficando na trajectória de Andrea Dovizioso (Ducati), que teve uma queda ainda mais violenta.
Dovizioso subiu por cima da moto do francês e o voo terminou com o italiano a bater violentamente no chão e a rebolar varias vezes até se imobilizar enquanto a sua Ducati escorregou por entre labaredas do fogo que pegou. Dovi foi transportado para o Centro Médico de Silverstone e, posteriormente, para o hospital para fazer mais exames.
À primeira volta ficavam dois pilotos da frente de fora. Márquez seguia na frente para comandar a maior parte da Corrida. Rossi não conseguiu resistir muito tempo a Rins e também Maverick Viñales (Yamaha) se mostrou mais forte do que o seu companheiro de equipa. Miguel Oliveira partiu bem do 15.º lugar e – também beneficiando das quedas – chegou a rodar no 11.º lugar num grupo de pilotos que lutava pelo nono posto.
Na frente, Márquez levou Rins consigo e os dois cavaram distância para as Yamaha. A luta pela vitória ficava com a promessa de ser feita a dois. O primeiro ataque do espanhol da Suzuki fez-se ainda antes do meio da corrida, mas o campeão do mundo respondeu e retomou o comando de pronto.
Nas duas últimas voltas, Rins foi experimentando líder, chegou a passar para primeiro e, depois de um primeiro ataque na última volta, guardou tudo para os derradeiros metros – já depois da última curva. Álex Rins fez uma manobra genial que o deixou mais rápido nos derradeiros metros e, em aceleração, a passar o surpreendido Márquez mesmo em cima da linha de meta vencendo por escassos 13 milésimos de segundo.