Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Licença da Astana está em risco

28 de Fevereiro, 2015

Escândalos de casos contínuos de doping podem levar equipa da Astana a perder a licença World Tour uma das mais importantes

Fotografia: AFP

A equipa da Astana do italiano Vicenzo Nibali, vencedor da última edição da Volta a França, pode perder a licença WorldTour a mais alta do ciclismo, na sequência de uma investigação da União Ciclista Internacional.

“Se a auditoria revelar conclusões desfavoráveis ou se for detectado novo caso de doping durante a época de 2015, caberá à UCI solicitar à comissão competente que avalie as hipóteses de retirar a licença [à Astana]”, refere uma fonte da federação internacional na edição de ontem do diário francês L'Equipe.

Em Dezembro, a Astana recebeu a licença WorldTour sob determinadas condições, de acordo com o L'Equipe o relatório da investigação à equipa cazaque já tem conclusões suficientes para a UCI retirar a licença.

“A comissão de licenças vai reunir-se nos próximos dias para tomar uma decisão final”, escreve o jornal desportivo.

Em Dezembro,  depois de várias semanas de especulação, a Astana viu a UCI analisar positivamente o seu dossier e outorgar-lhe a licença que estava suspensa, provisoriamente, devido a cinco casos de doping registados no espaço de dois meses.

No início de Outubro, os irmãos Maxim e Valentin Iglinskiy deram positivo por “doping”, em dois controlos separados. Seguiram-se Ilya Davidenok, Victor Okishev e Artur Fedosseyev, todos da equipa continental, que entretanto foi suspensa.

Com o conhecimento do caso de Davidenok, a UCI accionou os mecanismos para rever a licença WorldTour dos cazaques, devido à sucessão de positivos.

O director desportivo da Astana é o controverso antigo ciclista cazaque Alexander Vinokourov, que esteve suspenso por dopagem sanguínea entre 2007 e 2009.

RECORD
FALHADO


Entretanto, o ciclista holandês, Thomas Dekker, falhou na quarta-feira a tentativa de bater o recorde do mundo da hora no velódromo de Aguascalientes, no México, ao percorrer 52,221 quilómetros, menos 270 metros do que 52,491 quilómetros do australiano Rohan Dennis.

Dennis, vencedor do Tour Down Under em Janeiro e grande especialista de pista, estabeleceu o recorde da hora a 8 de Fevereiro, em Granges (Suíça), bateu o registo de 51,852 quilómetros conseguido pelo austríaco Mathias Bränlde a 30 de Outubro de 2014, em Aigle, também na Suíça. Ao longo da tentativa, Dekker esteve sempre atrasado em relação aos registos de Dennis. A pista do velódromo Bicentenário de Aguascalientes é considerada uma das mais rápidas do mundo.